Síndrome do impostor pode ter um lado bom; entenda

Apesar do lado negativo, pessoas que sofrem com a síndrome foram vistas por seus pares como mais eficientes e eficazes

Adi Gaskell
Compartilhe esta publicação:
Getty Images
Getty Images

A síndrome do impostor também pode nos encorajar a trabalhar mais

Acessibilidade


A síndrome do impostor foi identificada pela primeira vez em 1978 e é algo geralmente visto em termos totalmente negativos, já que abala a nossa autoconfiança. De fato, estima-se que 70% das pessoas já tenha experimentado a síndrome do impostor em algum momento da vida, e pesquisas da Universidade de Salzburgo destacam o quão prejudicial isso pode ser para nossas carreiras.

O estudo descobriu que, quando acreditamos ser impostores, sofremos de uma série de pensamentos e emoções negativas, e estamos mais propensos a ter quadros de depressão. Além disso, mesmo que tenhamos sucesso, ainda estaremos preocupados em fracassar no futuro. “Como fundador, você está constantemente se questionando e duvidando de si mesmo, especialmente se estiver cercado por conselheiros e colegas mais experientes do que você”, diz Taras Polischuk, cofundador da edtech Oneday.

Tudo tem seu lado positivo

A síndrome, no entanto, não é de todo ruim quando você é cobrado por produtividade. Os pesquisadores também descobriram que o medo de ser exposto como uma fraude pode nos encorajar a trabalhar com mais afinco. Uma pesquisa do MIT chega a uma conclusão semelhante e mostra que, quando temos a síndrome do impostor, tendemos a compensar quaisquer deficiências que possamos ter, seja nos esforçando mais ou trabalhando melhor em equipe.

“As pessoas que têm pensamentos impostores no local de trabalho tornam-se mais orientadas para os outros”, diz o pesquisador. “À medida que se tornam mais orientados para os outros, serão vistos como mais eficazes interpessoalmente.” Devemos repensar nossas suposições em torno da síndrome do impostor e, especialmente, a noção de que ela é negativa e prejudicial.

Risco desigual para mulheres

Quando o fenômeno foi proposto pela primeira vez em 1978, inicialmente se concentrou em mulheres com altos cargos. Essa linha ainda tem muita relevância; pesquisas da Youngstown State University descobriram que as mulheres são mais propensas a sofrer com isso do que os homens. Eles também respondem de maneira muito diferente quando se sentem impostores.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Por exemplo, se os homens se veem como impostores e recebem um feedback negativo, eles tendem a reagir muito mal a esse feedback. Por outro lado, as mulheres tendem a redobrar seus esforços.

A maioria dos estudos sobre a síndrome do impostor reconhece as altas habilidades sociais que as pessoas que sofrem disso têm, o que a equipe do MIT investigou com mais profundidade. A análise descobriu que as pessoas que sofriam mais com a síndrome do impostor eram vistas por seus pares como mais eficientes e eficazes. O autor do estudo explica: “Para aqueles que tiveram pensamentos impostores [no início do período], dois meses depois, seus supervisores os classificaram como mais eficazes interpessoalmente”.

Veja também: Síndrome da impostora: diretora do Grupo Boticário conta como lidou com o problema

Funcionários melhores

Isso ficou evidente durante um programa de treinamento para médicos em que o pesquisador analisou os participantes à medida que progrediam no curso. A pesquisa revelou que aqueles que tinham uma sensação de síndrome do impostor tendiam a ser as pessoas que se conectavam mais efetivamente com os pacientes.

“O que encontrei novamente é essa relação positiva, aqueles médicos [com síndrome de impostor] foram classificados por seus pacientes como mais eficazes interpessoalmente, mais empáticos, ouviam melhor e extraíam bem as informações.”

Cada aspecto do programa de treinamento foi registrado para que o estudo pudesse aprimorar precisamente como os médicos com síndrome do impostor conseguiam se conectar com as pessoas. Descobriu-se que esses médicos costumavam manter contato visual por mais tempo, usar gestos com as mãos e acenar com a cabeça com mais frequência, o que ajuda a explicar por que os pacientes deram classificações mais altas a eles.

Nada é para sempre

Isso ajuda a criar o que parece ser uma clara cadeia de causalidade pela qual tendemos a implantar uma série de mecanismos compensatórios para ter sucesso apesar das dúvidas que estamos tendo. “Como você está tendo pensamentos impostores, está adotando uma orientação focada no outro, o que leva a uma maior eficácia interpessoal.”

Talvez também seja importante notar que a síndrome do impostor não parece ser uma característica permanente de nossa mentalidade, com pessoas aparentemente capazes de se livrar de tais preocupações à medida que amadurecem em seu papel e se tornam mais estabelecidas.

O autor se esforça para apontar que essas descobertas não pretendem descartar a importância da síndrome do impostor ou sugerir que ela não traz dificuldades para as pessoas. Isso pode ser especialmente verdade quando trabalhamos em ambientes mais individuais, pois podemos não ter meios de compensar nossas inseguranças por meio de conexões interpessoais, embora estudos anteriores sugiram que as pessoas também podem tentar fazer isso trabalhando mais. 

O que talvez seja a principal conclusão, no entanto, é que talvez devêssemos repensar nossas percepções sobre a síndrome do impostor e, especialmente, seu caráter puramente negativo, porque as maneiras pelas quais tentamos compensá-la podem ser realmente positivas.

Forbes abre inscrições para lista Under 30 2022

Compartilhe esta publicação: