É possível demitir com empatia? O Airbnb mostrou que sim

Demitir nem sempre precisa ser uma experiência dura e humilhante. Um exemplo de destaque é a maneira como o Airbnb lidou com os desligamentos em maio de 2020

Jack Kelly
Compartilhe esta publicação:

O momento da demissão não precisa ser motivo de trauma para um funcionário. Empresas como o Airbnb deram exemplo de como demitir com empatia

Acessibilidade


Você recebeu uma ligação ou e-mail de um representante de recursos humanos dizendo: “Você poderia vir ao meu escritório às 16h?” Quando uma empresa não está indo bem, você tem uma noção do que está prestes a acontecer. A caminhada até o elevador, subindo alguns andares, parece durar uma eternidade. 

Em um turbilhão, você é informado de que seus serviços não são mais necessários. Você recebe papéis para assinar e, antes que possa processar o que aconteceu, é escoltado por um segurança para recolher seus pertences. Você pega o elevador da vergonha até o saguão e sai sentindo-se entorpecido e confuso.

Leia também: CEO que demitiu 900 pessoas pelo Zoom ataca novamente

Deixar uma pessoa ir nem sempre precisa ser uma experiência dura e humilhante. Um exemplo de destaque é a maneira como o Airbnb lidou com os desligamentos  em maio de 2020, durante os primeiros meses da pandemia. Em uma mensagem aos funcionários, o cofundador e CEO do Airbnb, Brian Chesky, disse que tinha “notícias tristes” e disse à sua equipe que eles foram forçados a reduzir o tamanho, à luz da situação financeira da empresa e da incerteza de quão ruim o surto de vírus poderia afetar seu negócio.

Em vez de usar chamadas de Zoom unidirecionais para estender a mensagem, ele forneceu cor e contexto sobre o motivo pelo qual isso tinha que ser feito. Chesky reconheceu que a pandemia pode ter um grande impacto no setor de viagens por um período de tempo desconhecido e, como resultado, a receita pode ser duramente atingida.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Leia mais: Procurar um novo emprego fica mais fácil com o home office

Chesky disse que ninguém que foi demitido fez algo de errado. Em vez de fornecer chavões, a empresa estava preparada para oferecer pacotes de indenização, equidade e assistência médica. Sua intenção era tratar a todos de maneira compassiva e atenciosa. A empresa ofereceu à sua equipe 14 semanas de salário base, mais uma semana adicional para cada ano no Airbnb, e o mandato será arredondado para o próximo ano. O seguro saúde foi coberto por 12 meses.

A empresa de aluguel de curto prazo forneceu um Diretório de Talentos de Ex-alunos para ajudar as pessoas a encontrar novos empregos. Os funcionários que saíram tiveram a opção de ter seus perfis, currículos e amostras de trabalho disponíveis para os futuros empregadores verem. A empresa alocou sua equipe de recrutamento para ajudar os trabalhadores impactados a encontrar empregos. A equipe de saída também recebeu quatro meses de serviços de carreira e foi autorizada a manter seus laptops da Apple para ajudar em suas buscas de emprego.

Leia mais: Inscreva-se para a seleção da lista Under 30 2022

 

Demissões por Zoom

Nunca é fácil nem agradável demitir em massa. O Airbnb agiu honrosamente e com compaixão. Isso foi justaposto à forma como algumas outras empresas agiram durante a pandemia. Enquanto alguns ainda trabalhavam em casa, as demissões frias e impessoais do Zoom se tornaram comuns.

Na mesma época, a startup de compartilhamento de scooters Bird demitiu 406 funcionários de uma maneira que você só poderia imaginar em um episódio de Black Mirror. Os trabalhadores foram informados de que todos os compromissos foram cancelados e que eles deveriam entrar em uma chamada. Uma voz leu um roteiro dizendo aos ouvintes que eles foram escolhidos para demissões. Suas contas do Slack e de funcionários foram descontinuadas e as datas de término foram fornecidas.

A empresa de aplicativos de compartilhamento de viagens Uber anunciou uma demissão de 3.500 funcionários. Os trabalhadores remotos foram informados de sua perda de emprego por meio de uma chamada online do Zoom. Ruffin Cheveleau, chefe de atendimento ao cliente da Uber, informou aos trabalhadores que era seu último dia na empresa. Wonderschool, ZipRecruiter, WeWork, The Wing e outras empresas usaram videochamadas para informar aos funcionários que foram demitidos.

A Coinbase anunciou que suspenderá as contratações e rescindirá ofertas de emprego, devido aos difíceis eventos econômicos e geopolíticos. Tirar o tapete das ofertas de emprego não caiu bem para muitos funcionários.

Houve uma reação online imediata contra o tratamento frio e cruel daqueles que tiveram suas ofertas de emprego abruptamente retiradas. A empresa disse em resposta: “Aplicaremos nossa generosa filosofia de indenização para compensar o impacto financeiro dessa decisão” e ajudará as pessoas que tiveram suas ofertas anuladas. Um hub de talentos foi criado para ajudar as pessoas impactadas. Isso inclui suporte para colocação profissional, revisão de currículos, coaching de carreira e acesso à rede de pessoas da empresa.

Os funcionários da Coinbase iniciaram uma petição online, vazada na quinta-feira pelo site de criptomoeda Mirror, para remover os principais executivos, incluindo a diretora de operações Emilie Choi, a diretora de produtos Surojit Chatterjee e o diretor de pessoas LJ Brock, “em um voto de desconfiança”.

Em uma tempestade de tweets, o CEO Brian Armstrong twittou: “Se você não tem confiança nos executivos ou CEO de uma empresa, então por que você está trabalhando nessa empresa? Saia e encontre uma empresa para trabalhar na qual você acredita!”

O oposto polar de como o Airbnb agiu é a história de Vishal Garg, CEO da startup de credor hipotecário unicórnio Better.com. O executivo-chefe disse friamente a seus 900 funcionários que cerca de 15% da força de trabalho será demitida em um vídeo unidirecional.

Para adicionar insulto à injúria, Garg acusou “pelo menos 250” funcionários demitidos de roubar da empresa. Em um e-mail para os funcionários obtido pela Forbes em 2020, o CEO da Better.com escreveu: “OLÁ – ACORDE MELHOR EQUIPE. Você é MUITO LENTO. Vocês são um bando de GOLFINHOS MUDOS e… GOLFINHOS MUDOS são pegos em redes e comidos por tubarões. ENTÃO PARE. PARE. PARE COM ISSO AGORA. VOCÊ ESTÁ ME ENVERGONHANDO.”

 

O que a liderança deve fazer ao demitir pessoas

Ser demitido é um golpe esmagador. Além do aspecto financeiro de perder o emprego, pode causar sérios estresses mentais e emocionais. Os líderes precisam se concentrar nas mensagens para tirar o melhor proveito de uma situação ruim.

A liderança deve começar oferecendo cor e contexto do que está acontecendo. Não há razão para envergonhar a equipe. Em vez disso, a administração precisa elogiar seu trabalho e suas realizações. Informe os trabalhadores afetados sobre os pacotes de indenização disponíveis, opções de assistência médica, o que acontece com suas ações e opções e dê acesso a recrutadores, coaches de carreira e conexões dentro da rede de contatos da empresa.

Os recursos humanos e os gerentes precisam dedicar tempo e energia para conversar pessoalmente com as pessoas que estão sendo demitidas. Ouça o feedback deles, ofereça palavras de encorajamento e escreva uma recomendação brilhante. Ofereça-se para manter contato, pois as contratações “bumerangue” se tornaram populares.

 

Compartilhe esta publicação: