Você não está dormindo bem? Ninguém está, mas é possível corrigir isso

Reprodução Canva
Reprodução Canva

Alguns hábitos, como se desligar das coisas que estimulam o cérebro, devem ser adotados por todo mundo

Eu suponho que você não esteja dormindo bem. A bem da verdade, ninguém está. Em tempos de distanciamento social, essa é a queixa que mais tenho ouvido. Passaram a ser uma constante dificuldade para pegar no sono, despertar com facilidade à noite para checar as mensagens no celular ou as notícias ou, ao contrário disso, perceber-se com o sono invertido, trocando a noite pelo dia.

Antes da pandemia, quase a totalidade de nós tinha uma rotina diária: acordar, tomar café da manhã, banho, ir para o trabalho. Sem aviso prévio, de forma abrupta, nosso cotidiano foi fraturado. Algo semelhante a nos vermos com o osso da perna quebrado quando tudo o que fazíamos era caminhar na rua.

Rapidamente, tivemos de nos adaptar a um novo modo de viver: em confinamento. O primeiro termômetro de que algo não vai bem é a qualidade do sono. Diante de uma dificuldade, muitos de nós têm vontade de passar mais tempo na cama, de acordar mais tarde, de dormir durante o dia…. A maioria, no entanto, passa a dormir menos. A cabeça gira pensando no tal do vírus, no amanhã, e, simplesmente, o sono não vem.

O que os distúrbios do sono nos mostram é que há, de fato, um problema instalado. Problema esse, em geral, ligado à ansiedade. É absolutamente compreensível que, em meio à quarentena, nos sintamos mais ansiosos. Porém, a ansiedade é um golpe duplo no nosso mundo psíquico. Ela pode se instalar na nossa cabeça e fraturar também o nosso ciclo vigília-sono. Por outro lado, a falta de sono nos torna mais propensos à ansiedade.

Dado que boa parte de nós está mais ansiosa, o que se pode fazer de diferente à noite, quando formos para a cama? É possível se preparar de uma forma mais saudável para dormir. É o que chamamos de higiene do sono.

Esses são alguns hábitos que, na medida do possível, deveriam ser adotados por todo mundo:

1. Não consumir álcool próximo da hora de dormir. Se você for beber, faça-o ao menos 2 horas antes;

2. Desligar-se das coisas que estimulam o cérebro, por exemplo, verificar as notícias antes de ir para a cama;

3. Tirar da vista alimentos que contenham cafeína: café, chocolate, refrigerante, chá etc.

Muita gente adota um ritual antes de se deitar, como tomar um banho morno ou meditar. Isso é muito bom. Finalizo com um conselho: reveja outros hábitos que, porventura, estejam alimentando a sua ansiedade. Eles são um combustível poderoso para as noites de insônia.

 

 

View this post on Instagram

 

Forbes Saúde, com dr. Arthur Guerra

A post shared by Forbes Brasil (@forbesbr) on

 

Dr. Arthur Guerra é professor da Faculdade de Medicina da USP, da Faculdade de Medicina do ABC e cofundador da Caliandra Saúde Mental.

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Baixe o app de Forbes Brasil na Play Store e na App Store

 

Os artigos assinados são de responsabilidade exclusiva dos autores e não refletem, necessariamente, a opinião de Forbes Brasil e de seus editores.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).