Pentágono prevê vacina contra Covid-19 até o fim do ano

Exército diz que está trabalhando em parceria com AstraZeneca, Johnson & Johnson, Moderna e Sanofi.

Blog da Redação
Compartilhe esta publicação:
ReutersConnect/Jonathan Ernst
ReutersConnect/Jonathan Ernst

Secretário de Defesa dos EUA, Mark Esper

Acessibilidade


Uma importante pesquisadora de vacinas do Exército dos Estados Unidos disse hoje (2) que é razoável esperar que algum tipo de vacina para o coronavírus esteja disponível para uma parte da população norte-americana até o final do ano.

O secretário de Defesa, Mark Esper, prometeu em 15 de maio que as Forças Armadas dos Estados Unidos e outras partes do governo iriam, em colaboração com o setor privado, produzir uma vacina em escala para tratar o povo norte-americano e seus parceiros pelo mundo até o fim do ano.

LEIA MAIS: Proteínas no sangue de pacientes com Covid-19 podem prever gravidade da doença, diz estudo

A coronel Wendy Sammons-Jackson, diretora do Programa de Pesquisa de Doenças Infecciosas das Forças Armadas, disse a jornalistas no Pentágono que é “razoável esperar que haverá algum tipo de vacina que estará disponível em algum nível para uma parcela da população até o final do ano”.

Outro pesquisador do Exército, o Dr. Kayvon Modjarrad, disse que pesquisadores estão aprendendo sobre o novo vírus “mais rápido do que já aprendemos sobre qualquer outro vírus antes”.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

LEIA TAMBÉM: “Lancet” diz ter preocupação com validade de dados de estudo com cloroquina

“Então, chegar a uma vacina em questão de meses, do conceito até a Fase 3 de testes clínicos e com potencial de licenciamento não tem precedentes. Mas neste caso eu acredito muito que seja possível.”

Pesquisadores disseram que o trabalho envolve empresas como AstraZeneca, Johnson & Johnson, Moderna e Sanofi para desenvolver medicamentos de anticorpos e vacinas e os militares planejam testar sua própria vacina em humanos no final do verão no Hemisfério Norte. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Inscreva-se no Canal Forbes Pitch, no Telegram, para saber tudo sobre empreendedorismo.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: