Chefe do FMI adverte que recuperação econômica global completa é improvável em 2021

rEMO cASILLI/rEUTERS
Chefe do FMI alertou contra a volta para o protecionismo como resultado da crise

A economia global levará muito mais tempo para se recuperar totalmente do choque causado pelo novo coronavírus do que o inicialmente esperado, disse a chefe do Fundo Monetário Internacional, ao mesmo tempo em que enfatizou o perigo do protecionismo.

A diretora-gerente do FMI, Kristalina Georgieva, disse que o Fundo deve rever para baixo sua previsão de uma contração de 3% no PIB em 2020, com apenas uma recuperação parcial esperada para o próximo ano, em vez da alta de 5,8% inicialmente projetada.

VEJA TAMBÉM: FMI aprova US$ 18 bi para 50 pedidos de ajuda emergencial de pandemia

Em entrevista à Reuters, ela disse que os dados de todo o mundo vieram piores do que o esperado. “Obviamente, isso significa que levaremos muito mais tempo para ter uma recuperação completa dessa crise”, disse ela em entrevista. Ela não deu uma data-alvo específica para a recuperação.

Em abril, o credor global previu que os fechamentos de empresas e isolamentos para retardar a propagação do vírus levariam o mundo à recessão mais profunda desde a Grande Depressão dos anos 1930, mas dados desde então apontam para “mais más notícias”, disse Kristalina mais cedo este mês.

O FMI deve divulgar novas projeções globais em junho.

Questionada sobre as renovadas tensões entre os Estados Unidos e a China — as duas maiores economias do mundo–, Kristalina disse que está pedindo aos países membros que mantenham abertos a comunicação e os fluxos comerciais que sustentaram o crescimento global por décadas.

“Precisamos manter os fluxos comerciais abertos, especialmente para suprimentos médicos, alimentos, e por prazos mais longos para encontrar um caminho para superar o que está acontecendo agora com esta crise”, disse Kristalina. “Queremos continuar a construir esse futuro mais próspero para todos, superando as cicatrizes que possam resultar dessa crise.”

Kristalina alertou contra a volta para o protecionismo como resultado da crise.

E AINDA: Dívida bruta do país vai a 98,2% do PIB, diz FMI

“Não devemos nos afastar do que tem funcionado para as pessoas em todos os lugares: uma divisão do trabalho, colaboração e comércio, que permitem diminuir os custos de bens e serviços, aumentar a renda e permitir que a pobreza nos países e entre países diminua”, disse ela à Reuters.

O FMI — criado após a Segunda Guerra Mundial para promover a estabilidade financeira, facilitar o comércio e reduzir a pobreza em todo o mundo — forneceu financiamento de emergência a 56 países desde o início da crise e decidirá sobre 47 pedidos adicionais o mais rápido possível, disse Kristalina.

Um porta-voz do FMI disse que cerca de US$ 21 bilhões em financiamento de emergência, com taxas de juros muito baixas, foram desembolsados ​​até o momento.

Kristalina disse que o Fundo também poderia conceder subsídios para ajudar os países mais pobres a cobrirem seus pagamentos do serviço da dívida com o FMI até o final do ano, depois de levantar novos compromissos de empréstimos de seus membros. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).