3 segmentos do setor de saúde que estão na mira dos investidores de risco

 Maskot/Getty Images
Maskot/Getty Images

Áreas como nutrição, medicina personalizada e saúde do sono estão chamando mais a atenção de consumidores

Nos últimos anos, houve uma explosão no setor de saúde e bem-estar, à medida que mais consumidores demonstram disposição para investir em sofisticados dispositivos vestíveis e equipamentos de ginástica com tecnologia. Cada vez mais pessoas estão tentando entender como otimizar nutrição, hábitos de exercício, recuperação, sono, saúde mental e gerenciamento de estresse.

Com base em uma análise detalhada dos recursos do setor, dados recentes sugerem que novos produtos no mercado de bem-estar estão sendo atendidos com grandes quantidades de capital de investidores públicos e privados.

LEIA MAIS: De Porto Alegre para a Nasdaq: o desempenho das ações da XP Inc. um ano após o IPO

A Crunchbase, uma empresa que lista informações de negócios para empresas públicas e privadas, estima que pelo menos US$ 1 bilhão tenha sido levantado em financiamento de risco no ano passado por empresas de tecnologia em estágio inicial nas áreas de saúde e bem-estar. Entre as companhias focadas em fitness, centenas de milhões de dólares foram arrecadados nos últimos dois trimestres.

Em todos os estágios e regiões, algumas estimativas mostram que o investimento global em empresas digitais de saúde pode chegar a mais de US$ 10 bilhões em 2020. Esses números nos dão uma ideia de onde podemos esperar um crescimento substancial no futuro próximo.

Empresas focadas em alimentação e nutrição personalizadas, rastreadores de diagnóstico e gerenciamento de estresse estão entre as que provavelmente verão mais crescimento por parte de consumidores e investidores no futuro.

A Fitt Insider, empresa de mídia que estuda tendências no setor de saúde, recentemente descreveu falas de investidores que reforçam o foco de que esses segmentos, entre outros, serão categorias receptoras de mais financiamento de capital de risco nos próximos meses e anos.

Nutrição e medicina personalizada

A ideia de nutrição personalizada não é nova, apenas ainda não atingiu a escala e a adoção generalizada que muitos previram. Há muito tempo está claro que cada ser humano digere macronutrientes e micronutrientes de maneira diferente.

Empresas como Persona e Viome usam avaliações ou amostras online para fornecer uma visão geral abrangente da saúde nutricional ou intestinal do seu corpo. Em seguida, você terá a opção de solicitar vitaminas, suplementos e probióticos personalizados que são feitos sob medida para seus objetivos ou deficiências e entregues na sua porta.

A Everlywell, outra empresa neste segmento, acabou de levantar US$ 175 milhões em financiamento de risco para oferecer testes para serem feitos em casa para diagnósticos como sensibilidade alimentar, alergias e, mais recentemente, Covid-19.

A grande aposta do mercado de medicina personalizada é não apenas em como a nutrição personalizada pode levar a melhores resultados na dieta, mas também como os alimentos que consumimos podem promover melhor atividade física ideal, descanso e recuperação. No fim das contas, a criação de um conjunto fechado de dados pode capacitar os consumidores a fazer escolhas mais inteligentes e rápidas.

A tração e o crescimento de empresas apoiadas por capital de risco como a Hims and Ro –a empresa por trás da Roman– são os primeiros indicadores de como as pessoas estão se voltando para experiências digitais para receber opções de tratamento personalizadas.

As centenas de milhões de dólares que foram investidos em empresas de saúde como essas estão levando alguns a considerar a mudança dos mercados privados para os mercados públicos, onde mais capital está disponível para expandir seu alcance.

Rastreadores metabólicos e vestuário diagnóstico

Seguindo as mesmas linhas de compreensão de como alimentos afetam cada um de nós de maneira diferente, os investidores focaram na área da saúde metabólica como ponto-chave de crescimento no mercado de bem-estar.

LEIA TAMBÉM: Nova rodada de investimentos deve avaliar ByteDance em US$ 180 bi

O recente investimento de US$ 12 milhões na Levels por capitalistas de risco é um exemplo que demonstra um vento a favor do interesse do consumidor nesta área. A Levels é uma empresa que fabrica um “sensor metabólico bioutilizável” que permite que as pessoas recebam dados acionáveis ​​de como os alimentos afetam os níveis de açúcar no sangue.

Monitores de glicose contínuos têm sido um elemento básico da medição metabólica, mas o acesso aos dispositivos enfrenta restrições regulatórias. Ainda assim, os dados mostram que esse nível de informação é necessário. Estudos sugerem que menos de dois em cada dez norte-americanos são considerados metabolicamente saudáveis ​​e mais de 80% das pessoas não sabem que têm pré-diabetes.

A Whoop, que vende um monitor de atividades, sono e bem-estar, é outra empresa no espaço de bem-estar que ganhou as manchetes com sua recente rodada de investimentos de US$ 100 milhões. Vários atletas de famosos se juntaram a esse investimento depois de perceber que a tecnologia e o modelo de negócios são atraentes.

Não é novidade que grandes empresas de tecnologia também demonstraram interesse neste espaço. O desenvolvimento contínuo do Apple Watch e os anúncios recentes da Amazon representam apenas uma parte do que devemos esperar de nomes maiores no espaço.

Gerenciamento e otimização do sono

Mesmo com as inovações em tecnologia vestível e o crescimento da medicina personalizada, os capitalistas de risco estão notando a oportunidade de mercado no segmento do sono.

Os últimos dois anos trouxeram consigo enormes quantidades de capital para o setor. Empresas como Eight Sleep, Purple, Leesa, Casper e outras estão vendo grandes aportes de capital para ajudar as pessoas a resolver muitos dos problemas comuns do sono, resultando em avaliações empresariais de bilhões de dólares.

O que costumava ser uma indústria que se concentrava na altura ou no posicionamento do colchão evoluiu para uma em que biometria e medição de dados ditam as mudanças na temperatura e no conforto do colchão. Embora seja fácil presumir que há pouco espaço para melhorias no mercado de colchões, estimado em US$ 27,5 bilhões, muitos investidores veem muito mais oportunidades para ofertas expandidas e produtos complementares.

O que está por vir

Além das categorias tradicionais de saúde e bem-estar mencionadas anteriormente, também parece que mais alguns segmentos estão despertando o interesse dos investidores.

Os psicodélicos, por exemplo, são um mercado incomum relacionado à saúde mental que está ganhando apelo entre as empresas convencionais. O famoso investidor (e participante do programa “Shark Tank”) Kevin O’Leary é um dos que aposta nissi. Além dele, Peter Thiel supostamente participou de uma rodada de financiamento de US$ 125 milhões de uma empresa. À medida que grandes nomes como esses aparecem, muitos de seus colegas sem dúvida os seguirão.

Hardwares de recuperação física também estão ganhando mais notoriedade. Produtos como Hyperice ou Theragun, descritos como tratamentos de massagem muscular profunda, estão ficando mais populares entre atletas que tentam se recuperar mais rapidamente das dores.

E TAMBÉM: Papéis da Ferrari recuam após saída repentina de CEO

Embora o custo para os consumidores varie enormemente para cada um dos produtos nessa área, o traço comum é que a receita atual derivada de todos eles reforça o compromisso das pessoas com um estilo de vida melhor e mais saudável.

Como resultado, os investidores continuarão a investir em novas áreas que atendam às nossas metas de bem-estar individual.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).