Ibovespa abre em alta após aumento na taxa de juros

O dólar recua frente o real e é negociado a R$ 5,14 na venda.

Iasmin Paiva
Compartilhe esta publicação:

Acessibilidade


O Ibovespa opera em alta no início do pregão de hoje (5), com avanço de 0,32% aos 122.186 pontos perto das 10h10 no horário de Brasília. Os investidores brasileiros reagem ao aumento na taxa de juros a 5,25% pelo Banco Central na noite de ontem (4), além da divulgação de balanços corporativos importantes para o mercado doméstico. No cenário internacional, por sua vez, os novos dados do mercado de trabalho dos Estados Unidos são o destaque do dia, enquanto as preocupações com a variante Delta da Covid-19 seguem preocupando os investidores.

A Petrobras teve lucro líquido de R$ 42,855 bilhões no segundo trimestre, ante perda de R$ 2,7 bilhões no mesmo período do ano passado, segundo a companhia. O valor superou com folga estimativa de analistas feita pela Refinitiv, que havia previsto lucro líquido de R$ 30,7 bilhões. O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, amortização e depreciação) ajustado somou R$ 61,938 bilhões entre abril e junho, alta de 148% na comparação anual.

Já a petroquímica Braskem anunciou que seu lucro de abril a junho somou R$ 7,424 bilhões, quase o triplo do registrado no trimestre anterior e comparável com um prejuízo de R$ 2,5 bilhões um ano antes. A receita líquida da companhia no trimestre somou R$ 26,4 bilhões, 16% a mais na base sequencial e um salto de 136% no comparativo ano a ano.

Nos indicadores, o IAEmp (Indicador Antecedente de Emprego), que antecipa os rumos do mercado de trabalho no Brasil, teve alta de 1,6 ponto em julho, a 89,2 pontos, máxima desde fevereiro de 2020 (92,0), conforme dados informados nesta quinta-feira pela FGV (Fundação Getulio Vargas).

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O dólar é negociado em queda frente ao real, após o posicionamento mais agressivo do Banco Central elevar a atratividade da moeda brasileira. Às 10h10, a divisa recuava 0,69%, negociada a R$ 5,1478 na venda.

Reunião do Copom

O Banco Central aumentou a taxa básica de juros em 1 ponto percentual, ao patamar de 5,25% ao ano, decisão que já era esperada pelo mercado diante do aumento das pressões inflacionárias. Em comunicado, o BC também indicou que, em função do quadro, um ciclo de elevação da taxa de juros para patamar acima do neutro é agora indicado, já antevendo outro ajuste de 1 ponto em sua próxima reunião, em setembro.

O BCB ainda mencionou a variante Delta da Covid-19 como um risco-chave para a recuperação da economia mundial. David Beker, estrategista de equity do BofA no Brasil, explica que o banco ainda considera um risco inflacionário relevante nas economias desenvolvidas, “embora o ambiente para os países emergentes continue favorável”.

Caio Megale, economista-chefe da XP, conta que ainda que não tenha havido surpresa nas projeções de inflação, “a aceleração no ritmo de alta da taxa básica (de 0,75 p.p. para 1,00 p.p.) foi justificada com a percepção de que a piora recente em componentes inerciais dos índices de preços”. E ainda explicou que essa inércia poderia resultar em uma deterioração adicional das expectativas de inflação, e que “a estratégia de um ajuste monetário mais rápido é a mais adequada para garantir a ancoragem das expectativas de inflação”.

Já Paloma Brum, economista e analista de investimentos na Toro, explica que, enquanto observamos o IPCA acumulando salto de 8,35% nos últimos 12 meses até junho, as estimativas futuras mostram que o indicador deve chegar a 6,79% no final de 2021, segundo a mediana do Relatório Focus. “Dessa forma, o Copom está relativamente atrasado (ou seja, está atrás da curva) para manter a inflação sob controle no país e, por isso, precisa realizar uma normalização mais acelerada da Selic, o que já começou após a última reunião e deve se estender nas próximas decisões, fazendo com que a taxa suba para um patamar próximo de 8%.”

Mercado internacional

Os futuros nos mercados norte-americanos operam em alta nesta segunda-feira, repercutindo novos dados sobre o mercado de trabalho do país. O Departamento de Emprego dos EUA registrou 385 mil novos pedidos de auxílio-desemprego na última semana, uma queda de 14 mil em relação ao período anterior. Economistas ouvidos pela agência Reuters previam 384 mil inscrições para a semana.

As Bolsas europeias operam sem direção definida, enquanto os investidores seguem divididos entre os resultados operacionais otimistas do segundo trimestre, e as preocupações com a disseminação global da variante Delta da Covid-19. Além disso, o banco central britânico manteve o volume de seu programa de compras de títulos e deixou inalterada a taxa de juros na mínima histórica de 0,1% nesta quinta-feira, preservando seu apoio total à economia britânica conforme ela se recupera da pandemia de Covid-19. A decisão está alinhada com a expectativa do mercado, apesar de um aumento da inflação do país no pós-lockdown.

O Stoxx 600 sobe a 0,16%; na Alemanha, o DAX cresce 0,03%; o CAC 40 valoriza 0,22%, na França; na Itália, o FTSE MIB é negociado em alta de 0,09%; e no Reino Unido, o FTSE 100 recua 0,17%.

Enquanto isso, os mercados asiáticos fecharam o dia mistos, enquanto os investidores monitoram as ações listadas em Hong Kong de empresas relacionadas ao setor de videogames chinês, após a mídia estatal da China investir contra a indústria mais uma vez. O Securities Times, uma publicação do jornal oficial People’s Daily, do Partido Comunista Chinês, publicou um artigo hoje argumentando que as empresas de jogos não deveriam seguir com incentivos fiscais, introduzidos anteriormente para encorajar o desenvolvimento do setor.

O Hang Seng, de Hong Kong, caiu 0,84%; o BSE Sensex, de Mumbai, fechou em alta de 0,23%; enquanto no Japão, o índice Nikkei valorizou 0,52%. Na China, o índice Shanghai, recuou 0,31%.

Os contratos futuros mais negociados do minério de ferro na Bolsa de Commodities de Dalian, para entrega em setembro, fecharam em queda de 0,38%, a 1.057 iuanes.

Enquanto isso, o petróleo opera em alta nesta quinta-feira, devido ao aumento das tensões no Oriente Médio, enquanto novas restrições à circulação de pessoas impostas por países para conter um aumento nos casos de Covid-19 ameaçaram a recuperação da demanda global. Por volta das 9h50, a commodity era negociada em alta, os futuros do petróleo Brent subiam 0,50%, a US$ 70,73 o barril, enquanto o WTI avançava 0,54%, a US$ 68,52.(com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: