Novatas na B3 sofrem com momento adverso no mercado

Piora nos cenários político e fiscal no Brasil e a variante Delta têm motivado quedas relevantes entre as empresas estreantes na bolsa

Redação
Compartilhe esta publicação:
NurPhoto/GettyImages
NurPhoto/GettyImages

Companhias que acabam de estrear na B3 têm enfrentado quedas relevantes, com cenário político e sanitário instável

Acessibilidade


Os últimos pregões foram particularmente dolorosos para ações de empresas que estrearam na B3 neste ano, com a maioria trabalhando abaixo dos preços fixados nos respectivos IPOs, em meio a uma piora nos cenários político e fiscal no país e preocupações com o ritmo de crescimento mundial.

Gestores e estrategistas afirmam que o momento do mercado não favorece a manutenção de papéis com pouco histórico – boa parte divulgou apenas o seu primeiro ou segundo resultado publicamente – ou baixa liquidez em carteira. E isso não necessariamente tem a ver com a qualidade da companhia.

VEJA TAMBÉM: Com 12 IPOs, julho já é o segundo mês do ano com mais estreias na Bolsa

Mesmo que algumas das novatas sejam tidas como ‘questionáveis’ e que não tenham entregue o prometido nos roadshows das ofertas, a avaliação é de que há componentes conjunturais que são mais desfavoráveis a elas.

Um dos destaques negativos em agosto é a plataforma social para investidores TC, que recua cerca de 40% no mês, tendo encerrado ontem (17) a R$ 7,60, abaixo do preço fixado no IPO no mês passado, de R$ 9,50. A correção se intensificou após prejuízo no segundo trimestre, divulgado na semana passada.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A prestadora de serviços em ambiente marinho Oceanpact contabiliza baixa em torno de 14% no mês na B3, mas a queda frente ao preço do IPO em fevereiro ronda 65%. No fim de julho, as ações chegaram a cair 27% em apenas um pregão após anuncio de acordo trabalhista.

O diretor de investimentos da Reach Capital, Ricardo Campos, observa que há exceções, mas que investidores tendem a ficar mais ariscos em relação a essas empresas em momentos mais tensos no mercado dado o menor histórico, menor tempo de análise, o que ajuda a explicar a queda. “Há uma certa insegurança.”

Ele ressaltou, porém, que a bolsa como um todo está sofrendo, com várias companhias registrando quedas relevantes, o que é explicado pelo ambiente político, com iniciativas do governo federal com potencial efeito negativo no desempenho fiscal do país, além da tensão entre os poderes.

O cenário externo também tem endossado vendas, com o aumento de casos de Covid-19 em meio à disseminação da variante Delta, adicionando preocupações sobre a retomada econômica.

VEJA TAMBÉM: A Bolsa de Valores é só para pessoas ricas?

O sócio-fundador e presidente da empresa de serviços financeiros G5 Partners, Corrado Varoli, acrescentou que, com a queda dos juros, “veio um caminhão de dinheiro” buscando retorno com renda variável. “Algumas das que vieram a mercado não têm liquidez.”

O Ibovespa, referência da B3, acumula em agosto perda de 3,2%, sendo o pior desempenho registrado por Lojas Americanas PN, com recuo de quase 24%.

O índice Small Caps, por sua vez, cede mais de 8% no mês, com Méliuz, que estreou no ano passado, respondendo pela maior baixa, de cerca de 29%, a R$ 48,01 – ainda assim bem acima do preço de seu IPO de novembro, quando saiu a R$ 10.

Na visão do gestor e sócio-fundador da Trígono Capital, Werner Roger, os preços de alguns IPOs eram em grande parte absurdos em relação ao real valor das empresas e, em especial, frente a empresas listadas. “Agora, depois de ajustes de 40% a 50%, começamos a garimpar”, afirmou.

No caso das estreantes, nomes como o banco de investimentos BR Partners e o grupo hospitalar Mater Dei resistem ao viés mais vendedor, com altas de 5,6% e 5,4%, respectivamente, em agosto, e desempenho forte também frente ao IPO – BR Partners sobe 58% e Mater Dei avança 12%.

Mas o principal destaque positivo entre as novatas na B3 é a Vamos, empresa de locação de caminhões e equipamentos, que mais do que dobrou o preço desde o IPO. A companhia, inclusive, anunciou neste mês desdobramento de ações de 1 para quatro. Em agosto, porém, perde cerca de 20%.

VEJA TAMBÉM: IPO: entenda o processo por trás da listagem de uma empresa na Bolsa

PACIÊNCIA

Os reflexos desse movimentos em novas ofertas de ações ainda não está claro, segundo os gestores e estrategistas ouvidos pela Reuters, com o apetite futuro dependendo da recuperação do otimismo no mercado, de outra janela de oportunidade, que no momento está difícil de prever.

A avaliação majoritária é de que as companhias que estão na fila para listar suas ações na B3 precisarão ter paciência e devem encontrar investidores mais exigentes e céticos, não só em relação às teses de investimentos como também com o valuation oferecido.

Apesar da volatilidade e dos problemas do Brasil, o estrategista de renda variável da Ouro Preto Investimentos, Bruno Komura, avalia que, do ponto de vista das empresas, há ainda um ambiente favorável a IPOs, dado o cenário de liquidez elevada nos mercados externos.

Mas a efetivação de uma oferta, segundo ele, dependerá de a empresa aceitar o preço que o mercado quiser dar. Muitos IPOs recentes saíram no piso ou até abaixo da faixa estimada para a operação, o que sinaliza que investidores estão buscando desconto sobre o que está sendo mostrado no roadshow.

Da perspectiva dos investidores, em particular pessoas físicas, Komura reforçou que é muito importante que eles saibam bem o que estão comprando, analisem bem as empresas e o ambiente em que elas atuam.

“Tem um ano bastante turbulento daqui para a frente”, disse. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: