Criação de vagas de trabalho nos EUA recua em agosto e taxa de desemprego cai para 5,2%

Apesar da desaceleração, com menor demanda por serviços, o ritmo foi suficiente para sustentar a expansão econômica.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Eduardo Munoz/Reuters
Eduardo Munoz/Reuters

Os EUA abriram 235 mil postos de trabalho no mês de agosto

Acessibilidade


A criação de vagas de trabalho nos Estados Unidos desacelerou mais do que o esperado em agosto em meio a uma diminuição da demanda por serviços e a persistente escassez de trabalhadores conforme as infecções por Covid-19 aumentam, mas o ritmo foi suficiente para sustentar a expansão econômica.

A economia norte-americana abriu, fora do setor agrícola, 235 mil postos de trabalho no mês passado, após 1,053 milhão em julho, informou o Departamento do Trabalho em seu relatório de empregos hoje (3).

VEJA TAMBÉM: Novos pedidos de auxílio-desemprego nos EUA caem mais que o esperado

A taxa de desemprego recuou para 5,2%, ante 5,4% em julho. No entanto, o número tem sido subestimado por pessoas que se classificam erroneamente como “empregadas, mas ausentes do trabalho”.

Economistas consultados pela Reuters esperavam abertura de 728 mil vagas e uma queda da taxa de desemprego para 5,2%. As estimativas de criação de vagas variavam de 375 mil a 1,027 milhão de empregos.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Nos últimos anos, os dados de agosto ficaram abaixo das expectativas e mais lentos do que a média de criação de vagas dos três meses até julho, incluindo em 2020. A abertura de postos de trabalho em agosto foi posteriormente revisada para cima em 11 dos últimos 12 anos.

O relatório vem num momento em que economistas reduziram drasticamente suas estimativas para o PIB do terceiro trimestre, mencionando o ressurgimento de casos impulsionados pela variante Delta do coronavírus, bem como a escassez implacável de matérias-primas, que estão reprimindo as vendas de automóveis e o reabastecimento.

Os dados serão analisados por investidores que tentam avaliar o momento do anúncio do Federal Reserve sobre quando o banco começará a reduzir seu enorme programa mensal de compra de títulos.

VEJA TAMBÉM: Powell aponta risco da variante Delta e não dá sinal de início de redução de compras de títulos

O chair do Fed, Jerome Powell, reafirmou na semana passada que vê uma recuperação econômica em curso, mas não deu nenhum sinal de quando o banco central dos EUA planeja cortar suas compras de ativos, dizendo somente que pode ser “neste ano”.

Alguns economistas não acreditam que os dados abaixo das expectativas sejam fracos o suficiente para que o Fed volte atrás na sua ideia de começar a reduzir o estímulo “neste ano”. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: