Powell aponta risco da variante Delta e não dá sinal de início de redução de compras de títulos

Chair do Federal Reserve, nos EUA, ainda afirmou que deseja evitar controlar uma inflação "transitória".

Redação
Compartilhe esta publicação:
Kevin Lamarque/Reuters
Kevin Lamarque/Reuters

Jerome Powell, chair do Federal Reserve, falou em conferência com os banqueiros centrais de Jackson Hole

Acessibilidade


A economia dos Estados Unidos continua a progredir em direção às condições estabelecidas pelo Federal Reserve para reduzir seus programas emergenciais da era da pandemia, disse hoje (27) o chair do Federal Reserve, Jerome Powell, em comentários que defenderam a visão de que a atual alta da inflação provavelmente passará e que não chegaram a sinalizar o momento de qualquer mudança efetiva na política monetária.

Em comentários preparados para discurso na conferência de banqueiros centrais de Jackson Hole, Powell sinalizou que o Fed permanecerá paciente à medida que tenta levar a economia de volta ao pleno emprego, repetindo que deseja evitar controlar uma inflação “transitória” e potencialmente desencorajar o crescimento do emprego no processo — defendendo a nova abordagem de política monetária do Fed que Powell introduziu há um ano.

VEJA TAMBÉM: Goldman Sachs vê chances de redução de estímulos pelo Federal Reserve em novembro

Sobre a decisão potencialmente iminente do Fed de começar a reduzir seus US$ 120 bilhões em compras mensais de ativos, Powell disse que as semanas desde a reunião de julho do Fed “trouxeram mais progresso” na recuperação do mercado de trabalho, com quase um milhão de empregos criados, e que o progresso deve continuar.

Mas isso coincidiu com “a propagação da variante Delta. Estaremos avaliando cuidadosamente os próximos dados e os riscos em desenvolvimento”, disse Powell, sinalizando que as discussões do Fed sobre quando exatamente começar a reduzir seu programa de compra de títulos continuam sem solução, tendo que contemplar agora os riscos econômicos e sanitários representados pela cepa altamente contagiosa do coronavírus.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

As autoridades do Fed têm dito que esperam que o ressurgimento da crise de saúde não desvie a recuperação de seu caminho. Mas a disseminação da Covid-19 forçou o próprio banco central a mudar seu simpósio em Jackson Hole de um encontro num resort nas montanhas do Wyoming para um evento virtual, medida que vem pelo segundo ano consecutivo.

As expectativas de crescimento contínuo do emprego baseiam-se, em parte, na reabertura de escolas, na redução das restrições de creches e na retomada constante dos gastos do consumidor com atividades de contato próximo — progressos que podem ser comprometidos pelo agravamento do surto de coronavírus.

As autoridades do Fed “esperam ver uma forte criação contínua de empregos. E estaremos aprendendo mais sobre os efeitos da variante Delta”, disse Powell em seus comentários preparados. “Por enquanto, acredito que a política monetária está bem posicionada; como sempre, estamos preparados para ajustar.”

Grande parte do discurso de Powell foi dedicada a explicar o porquê de ele sentir que a aceleração atual da inflação provavelmente será transitória, citando uma lista de fatores, desde gargalos na oferta, que provavelmente diminuirão, até a globalização, que atuaria como uma âncora para os preços.

VEJA TAMBÉM: Quem são os 42 novos bilionários brasileiros no ranking 2021

Embora o atual ritmo acelerado da alta dos preços seja “um motivo de preocupação”, também seria prejudicial, disse ele, se o Fed se precipitasse com qualquer mudança de política monetária. Particularmente, disse ele, caso houvesse decisão prematura de aumentar a taxa básica de juros do banco central ante seu nível atual próximo de zero.

“Temos muito terreno a recuperar para alcançar o pleno emprego, e o tempo dirá se atingimos a inflação de 2% em uma base sustentável”, disse Powell. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: