SpaceX se prepara para lançar primeira tripulação inteiramente civil à órbita da Terra

Voo transportará o fundador da Shift4 Payments, Jared Isaacman, e três companheiros de viagem.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Joe Skipper/Reuters
Joe Skipper/Reuters

Voo transportará o fundador da Shift4 Payments, Jared Isaacman, e três companheiros de viagem

Acessibilidade


Mais um empresário bilionário deve viajar ao espaço esta semana, a bordo da cápsula de um foguete da SpaceX e como parte de uma equipe de turismo espacial pronta para fazer história como a primeira tripulação totalmente civil lançada à órbita da Terra.

Jared Isaacman, o norte-americano fundador e executivo-chefe da empresa de comércio eletrônico Shift4 Payments, vai liderar outros três companheiros novatos em voos espaciais em uma viagem que deverá durar três dias, desde a decolagem em Cabo Canaveral, na Flórida, até o desembarque no Atlântico.

LEIA MAIS: Lançamento de primeira missão “operacional” da Space X é adiada por causa do clima

O magnata da tecnologia de 38 anos de idade investiu uma soma não divulgada, mas presumivelmente exorbitante, para que o colega bilionário e proprietário da SpaceX, Elon Musk, viabilizasse levar ele e mais três companheiros de viagem especialmente selecionados a bordo de uma cápsula do foguete Dragon da SpaceX.

O veículo está pronto para decolar do Kennedy Space Center da NASA no topo de um dos foguetes reutilizáveis Falcon 9 de Elon Musk, com um lançamento com prazo de 24 horas que se inicia às 20h no horário local do dia 15 de setembro. 

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Apelidado de Inspiration4, o passeio especial foi concebido por Isaacman principalmente para aumentar a conscientização e o apoio em prol de uma de suas causas favoritas, o St. Jude Children’s Research Hospital, importante centro de tratamento de câncer pediátrico. Ele prometeu US$ 100 milhões ao instituto.

Mas uma missão bem-sucedida também ajudaria a inaugurar uma nova era de turismo espacial comercial, com várias empresas competindo por clientes ricos e dispostos a pagar uma pequena fortuna para experimentar a alegria do voo supersônico, a ausência de gravidade e o espetáculo visual do espaço.

Definir níveis aceitáveis de risco para o consumidor neste empreendimento perigoso de viagem espacial também é fundamental e levanta questões importantes.

“Você precisa ser tanto rico como corajoso para embarcar nesses voos agora?” disse Sridhar Tayur, professor de gestão de operações e novos modelos de negócios da Carnegie Mellon University em Pittsburgh, em entrevista à Reuters na última sexta-feira (10).

VEJA TAMBÉM: Jeff Bezos processa Nasa por contrato com SpaceX, de Elon Musk

ALÉM DA CORRIDA ESPACIAL BILIONÁRIA

A SpaceX é facilmente o player mais bem estabelecido na crescente constelação de empreendimentos de viagens espaciais comerciais, tendo já lançado vários carregamentos e astronautas para a Estação Espacial Internacional para a NASA.

As empresas rivais Virgin Galactic e Blue Origin celebraram recentemente suas primeiras missões de turismo espacial com seus respectivos executivos fundadores – os bilionários Richard Branson e Jeff Bezos -, cada um participando do próprio passeio inaugural.

Mas esses dois voos tinham escala suborbital, enviando suas tripulações de astronautas ao espaço e de volta em questão de minutos.

O voo da SpaceX é projetado para transportar seus quatro passageiros onde nenhuma tripulação civil jamais esteve – para a órbita da Terra.

Lá, eles darão a volta ao globo uma vez a cada 90 minutos e a mais de 27.358 quilômetros por hora, ou aproximadamente 22 vezes a velocidade do som. A altitude alvo é de 575 quilômetros, além das órbitas da Estação Espacial Internacional ou mesmo do Telescópio Espacial Hubble.(Com Reuters)


Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: