BC deve piorar projeção para PIB em 2022, mas não na intensidade vista pelo mercado, diz Campos Neto

Presidente da instituição também afirmou que pico da inflação está próximo.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Ueslei Marcelino/Reuters
Ueslei Marcelino/Reuters

Durante evento, o presidente do BC, Roberto Campo Neto, comentou sobre temas como inflação e projeção para o PIB em 2022

Acessibilidade


O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou hoje (26) que o pico da inflação está próximo, após o BC ter errado em seus prognósticos de que isso aconteceria em setembro, pontuando que haverá melhora a partir do ano que vem.

Ao participar de evento virtual com empresas do mercado imobiliário promovido pelo Secovi-SP, ele afirmou que o BC imaginava “em algum momento” que o auge da inflação ocorreria em setembro, mas isso não ocorreu em função dos “choques de energia (que) vieram de forma consecutiva, surpreendendo a todos” e do aumento da gasolina subindo na bomba puxado pelo etanol.

LEIA TAMBÉM: Ações de companhias aéreas e turismo caem com temor sobre nova variante da Covid

“A gente acabou tendo elemento de energia … surpreendendo mais e espalhando mais nas cadeias”, disse.

“A gente acha que a gente está perto, olhando 12 meses, de ver o topo (da inflação) e a gente entende que a partir do ano que vem a gente vai ver uma melhora”, complementou.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Ontem (26), o IBGE divulgou que o IPCA-15, prévia da inflação oficial, subiu 1,17% em novembro, acumulando alta de 10,73% em 12 meses, bem acima do teto da meta oficial –3,75%, com margem de 1,5 ponto percentual para mais ou menos, medida pelo IPCA.

Em 12 meses, o IPCA acelerou a 10,67% em outubro, resultado mais forte desde janeiro de 2016 (+10,71%).

Durante sua participação, Campos Neto também indicou que o BC deve piorar sua projeção para o crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) em 2022, mas não na magnitude apontada pelo mercado em suas últimas estimativas.

A última conta do BC, de alta de 2,1%, será provavelmente revista para baixo, disse, “mas não tão baixo” como a mediana em expectativas de agentes do mercado.

No último boletim Focus, a perspectiva do mercado era de crescimento de apenas 0,7% para a economia brasileira no ano que vem.

REANCORAGEM

Campos Neto voltou a ponderar que os banqueiros centrais podem cometer dois erros: subir excessivamente os juros básicos, com efeito negativo para a atividade, ou fazer isso de forma lenta demais, o que acarreta desancoragem da inflação e processo de indexação mais rápido.

“E depois, o processo de reancoragem, nós vivemos isso algumas vezes, é um processo muito mais duro porque é uma taxa de juros muito mais alta, por um período muito mais longo, e provavelmente não será feita sem colocar o país numa recessão maior”, disse ele.

VEJA MAIS: Ibovespa abre em queda com indefinição em Brasília sobre PEC dos Precatórios

O presidente do BC defendeu que a resposta de política monetária no caso brasileiro precisa ser diferente da de outros países pela existência de memória de inflação “logo ali”, em referência aos anos de 2015 e 2016, quando houve percepção de descontrole sobre o avanço de preços na economia.

O BC já elevou os juros básicos em 5,75 pontos este ano, tirando a Selic da mínima histórica de 2% ao ano que vigorou até março para o patamar atual de 7,75% ao ano.

A perspectiva é de novo ajuste para cima na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) em 7 e 8 de dezembro, sendo que BC sinalizou em outubro que antevia nova alta de 1,5 ponto na taxa básica.

“A gente entende que a gente tem o instrumento que dá para fazer o trabalho num horizonte relativamente não muito longo e depois a gente consegue voltar a uma normalidade com credibilidade”, disse Campos Neto.

POUPANÇA

Questionado sobre o tema da poupança, o presidente do BC afirmou que a autarquia tem estudado o tema e tem “obviamente” vontade de fazer mudanças, mas pontuou que isso tem que acontecer de forma faseada e bastante lenta para não criar ruptura no financiamento.

Campos Neto disse concordar que em algum momento seria preciso pensar em fórmula de poupança que fosse mais “hedgeável” e casada com destinação dos recursos.

CONFIRA TAMBÉM: Ministério da Economia divulga indicador próprio de atividade mensal 

“É coisa que a gente tem olhado”, afirmou ele, ressalvando que o tema provavelmente demandará a realização de consulta pública.

Ainda sobre o assunto, Campos Neto esclareceu que quando o BC comunicou preocupação com o “lower bound” –em referência à existência de um limite mínimo para os juros– se referia à fuga de recursos para a poupança com a Selic em patamares baixos.

“Nosso debate sobre o lower bound não era sobre política monetária, a gente estava preocupado com migração muito excessiva para poupança e engarrafamento que isso podia causar”, disse ele.

Agora, num quadro de subida dos juros básicos, a preocupação é com a migração contrária, destacou ele, acrescentando que o BC irá discutir o impacto dos juros altos para o crédito imobiliário em reunião com CEOs de bancos nesta sexta.

De qualquer forma, Campos Neto afirmou acreditar que, para esse setor, o efeito “não será tão grande”, apesar de algum impacto na margem. (Com Reuters)

Compartilhe esta publicação: