Três dos mais ricos da China perdem mais de R$ 80 bilhões em um dia

Eles se juntaram a Jeff Bezos, da Amazon, e Elon Musk, da Tesla, como os cinco bilionários com pior desempenho na lista da Forbes.

Yue Wang
Compartilhe esta publicação:
Getty Images
Getty Images

O cofundador da Tencent, Pony Ma Huateng, foi o bilionário chinês que mais perdeu hoje, com uma queda de US$ 6,1 bilhões (R$ 31,5 bilhões)

Acessibilidade


A forte liquidação nos mercados de ações de Hong Kong eliminou US$ 16,4 bilhões (R$ 84,69 bilhões) da riqueza de três bilionários chineses em apenas um dia, colocando-os ao lado de Jeff Bezos, da Amazon, e Elon Musk, da Tesla, como os cinco magnatas com pior desempenho na lista de bilionários em tempo real da Forbes hoje.

Os bilionários chineses que enfrentaram perdas hoje são o cofundador da Tencent, Ma Huateng (também conhecido como Pony Ma), que liderou o mergulho com uma queda de US$ 6,1 bilhões (R$ 31,5 bilhões), seguido pelo presidente da Nongfu Spring, Zhong Shanshan, que perdeu US$ 5,6 bilhões (R$ 28,9 bilhões), e o copresidente da Country Garden, Yang Huiyan, com um prejuízo de US$ 4,7 bilhões (R$ 24,2 bilhões). Seus patrimônios líquidos estão caindo em meio a uma queda histórica em Hong Kong, onde o índice Hang Seng de referência caiu para uma baixa de pelo menos seis anos de menos de 20 mil pontos hoje.

Acompanhe em primeira mão os conteúdos do Forbes Money no Telegram

Uma miríade de fatores está prejudicando as empresas dos bilionários chineses e outras listadas no centro financeiro asiático. A indicação do Federal Reserve dos EUA de vários aumentos nas taxas de juros este ano levou a um aumento nas saídas de capital, enquanto as perspectivas econômicas mais fracas da China em meio a restrições mais rigorosas contra a Covid-19 estão exercendo um forte impacto na receita e no crescimento.

Somando-se a esses ventos contrários macro estão os problemas regulatórios e as preocupações crescentes sobre a situação na Ucrânia. Os investidores estão preocupados que os laços mais estreitos da China com a Rússia possam levar a sanções econômicas do Ocidente, com vários relatórios apontando para a possível disposição do país de fornecer assistência militar – incluindo drones e mísseis terra-ar – à Rússia.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Embora Pequim as tenha desconsiderado como desinformação e o ministro das Relações Exteriores Wang Yi agora tenha dito explicitamente que a China não quer que as sanções relacionadas à Rússia afetem a si mesma, o agravamento do relacionamento do país com os EUA ainda está lançando uma sombra profunda sobre as empresas presas no meio disso tudo.

A Comissão de Valores Mobiliários dos EUA notificou cinco empresas chinesas listadas nos EUA que correm o risco de serem deslistadas devido à falta de envio de documentos de auditoria detalhados que comprovem suas demonstrações financeiras.

À medida que a relação entre as duas maiores economias do mundo se deteriora, o pessimismo sobre a resolução da questão da auditoria por meio de negociações bilaterais levou os investidores a abandonarem as ações chinesas listadas nos EUA. A venda se estendeu a Hong Kong porque muitas dessas empresas – por exemplo, a gigante do comércio eletrônico Alibaba e a desenvolvedora de jogos NetEase – são listadas duplamente. O Hang Seng Tech Index, que compreende 30 empresas de tecnologia, incluindo Alibaba, NetEase e Tencent, caiu 11% na ontem e outros 5,2% hoje, estendendo a perda deste ano para mais de 30%.

“No curto prazo, há muitos fatores negativos”, diz Kenny Ng, estrategista de valores mobiliários da Everbright Securities International em Hong Kong. “E não parece haver uma única solução clara para eles.”

Ke Yan, chefe de pesquisa da DZT Research, com sede em Cingapura, concorda. Ele também aponta para ventos contrários domésticos, como a repressão regulatória às empresas de tecnologia, que ele diz que não parece estar chegando ao fim tão cedo.

A Tencent, por exemplo, está sofrendo com a restrição prolongada da China aos jogos online, com os reguladores de Pequim não distribuindo novas licenças de jogos desde o final do ano passado. Além disso, um relatório do Wall Street Journal publicado na segunda-feira diz que a empresa está enfrentando uma multa recorde por violar as regras do Banco Popular da China (banco central da China) sobre lavagem de dinheiro, sugerindo mais problemas regulatórios pela frente.

Mais sobre a China:

Ações europeias recuam com temores sobre avanço da Covid-19 na China

China começa a liberar mais de 3 milhões de toneladas de fertilizantes das reservas

Grupo ligado à China hackeia aplicativo de monitoramento de vacas para espionar os EUA

China aumenta importações de soja no 1º bimestre

Compartilhe esta publicação: