Mercado Pago lançará CDB e planeja se transformar em plataforma de investimentos

Fintech do Mercado Livre ofecerá pequena carteira de investimentos com aporte mínimo de R$ 1,00.

Amanda Péchy
Compartilhe esta publicação:
SOPA Images/Getty Images
SOPA Images/Getty Images

Lançamento do CDB do Mercado Pago, previsto para meados abril, complementa o rendimento 100% CDI da sua conta remunerada

Acessibilidade


O Mercado Pago, que já se lançou em serviços que vão desde benefícios corporativos até criptomoedas, se prepara para lançar um CDB para seus clientes. Prevista para meados de abril, a disponibilização do ativo faz parte de uma estratégia da fintech para se consolidar como uma plataforma de investimentos.

“Queremos complementar nossos serviços oferecendo uma plataforma de investimentos acessível para a nossa base, que tem um perfil conservador e exige produtos mais simples”, disse Túlio Oliveira, vice-presidente e country manager do Mercado Pago no Brasil, em coletiva de imprensa na quinta-feira (24).

A fintech já oferece o cardápio básico: conta digital grátis remunerada a 100% CDI, cartão de crédito e algumas opções de empréstimos. A empresa quer aumentar a oferta de produtos de investimentos e escolheu começar a empreitada pelos CDBs.

Em meados de abril, o produto será disponibilizado em fase de testes para uma pequena parcela da base de clientes, cerca de 1%. O acesso será feito pelo próprio aplicativo do Mercado Pago e, dentro de um mês, o serviço será aberto para todos os 34,5 milhões de usuários.

Leia mais: Mercado Pago vai lançar saque e depósito via PIX

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O público alvo são os investidores iniciantes, mantendo o foco da fintech em educação financeira.

“Queremos estimular nossos clientes a guardarem dinheiro com rendimentos maiores que os da poupança”, diz Ignácio Estivariz, head de carteira digital do Mercado Pago, em entrevista à Forbes.

A plataforma vai lançar uma lista enxuta de CDBs de curto a médio prazo (vencimentos menores de 3 anos), com rentabilidade acima do CDI. “Começamos por um ativo mais simples e de baixo risco, característico da renda fixa, para ajudar quem nunca investiu”, explica Estivariz.

Apesar do foco no público iniciante, a empresa espera que investidores mais sofisticados que já usam o Mercado Pago aproveitem a conveniência da plataforma unificada e também a elejam para aplicações em renda fixa.

Além dos CDBs, o Mercado Pago planeja o lançamento de mais ativos a partir do segundo semestre do ano, incluindo produtos de maior risco. A ideia é ter uma oferta enxuta, mas diversificada o suficiente para que os clientes possam se expor a ativos variados.

A fintech já estabeleceu parcerias – com a Órama, por exemplo –, mas não descarta a possibilidade de ter plataforma própria. “O perfil da empresa sempre foi desenvolvedor”, afirma o country manager Túlio Oliveira.

Há um pouco de tudo na base de clientes da fintech: vendedores do Mercado Livre, pessoas que nunca tiveram conta bancária e até um público um pouco mais experiente que chega atraído por recursos inovadores, como a negociação de criptomoedas.

A instituição de pagamentos passou a aceitar compra, venda e custódia de bitcoin, ethereum e pax dólar (uma stablecoin lastreada em dólar) em dezembro do ano passado. Desde então, 1 milhão de usuários já utilizaram os serviços.

Todos os investimentos da plataforma – de cripto a CDBs – têm valor mínimo de apenas R$ 1.

Leia mais: Com a alta da Selic, quais investimentos valem mais a pena?

O Mercado Pago planeja aumentar o escopo de criptomoedas oferecidas, permitir a transferência entre carteiras e colocar as criptomoedas nos “checkouts” de pagamentos.

O Mercado Livre continua sendo, naturalmente, uma porta de entrada para o banco digital. No entanto, o Mercado Pago, atualmente com R$ 4,5 bilhões em carteira, pretende depender cada vez menos da empresa-mãe – o que também explica o esforço para ampliar a oferta de produtos e serviços.

“O bom de ter dois mundos é que um alimenta o outro”, diz Oliveira. “Mas enquanto o e-commerce representa apenas de 10% a 11% do varejo, o mercado financeiro oferece voos mais altos.”

Compartilhe esta publicação: