Novos bilionários 2022: brasileiros da Brex, Rihanna e outros 233 entram na lista

Brasileiros Pedro Franceschi, de 25 anos, e Henrique Dubugras, de 26 anos, são os mais novos bilionários da lista, com US$ 1,5 bilhão cada um.

Matt Durot
Compartilhe esta publicação:
Brex/Divulgação
Brex/Divulgação

Pedro Franceschi, de 25 anos, e Henrique Dubugras, de 26 anos (US$ 1,5 bilhão cada), são os dois novos bilionários mais jovens da lista

Acessibilidade


Foi um ano ruim para os bilionários. Há 87 deles a menos e uma queda de US$ 400 bilhões (R$ 1,84 trilhão, na cotação atual) em relação a 2021, de acordo com a lista anual de bilionários do mundo da Forbes. Mesmo assim, em meio a guerra, pandemia e mercados lentos, um total de 236 indivíduos (abaixo do recorde de 493 em 2021) se tornaram bilionários no ano passado.

Esses recém-chegados vêm de 34 países diferentes. Apesar de uma repressão tecnológica por seu governo, a China gerou 62 novos bilionários (incluindo dois de Hong Kong), mais do que qualquer outro país. Isso inclui Chris Xu, de 52 anos (valor estimado em US$ 5,4 bilhões – aproximadamente R$ 25 bilhões), o misterioso fundador da Shein, a favorita da moda rápida da Geração Z, e o professor de engenharia Tang Xiao’ou, de 54 anos (US$ 5,7 bilhões – R$ 26,3 bilhões), cuja empresa de IA SenseTime obtém cerca de metade de sua receita do Partido Comunista Chinês (os investidores dos EUA foram impedidos de comprar ações em seu IPO de Hong Hong em dezembro devido a sanções).

VEJA TAMBÉM: 10 maiores bilionários brasileiros em 2021

O recém-chegado mais rico é da vizinha Taiwan: Zhang Congyuan, de 74 anos (US$ 11,7 bilhões – R$ 54 bilhões), fundador da fabricante de calçados Huali Industrial, que fabrica calçados para dezenas de marcas, incluindo Nike, Puma, UGG e Vans. Ele é a pessoa mais rica de seu país.

Os Estados Unidos têm o segundo maior número de recém-chegados (50), incluindo Gary Wang, de 28 anos (US$ 5,9 bilhões – R$ 27,2 bilhões), cofundador e diretor de tecnologia da exchange de criptomoedas FTX, com sede nas Bahamas, e Scott Shleifer, de 44 anos (U$ 5 bilhões – R$ 23 bilhões), que cofundou o braço de private equity do fundo de hedge Tiger Global Management.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A Índia completa os três primeiros, com 29 novos bilionários, incluindo Karthik Sarma, gerente de fundos de hedge de 47 anos (US$ 3,1 bilhões – R$ 14,3 bilhões), cuja empresa viu sua participação de 43% no Avis Budget Group mais que quintuplicar em 2021, quando a locadora anunciou estar adicionando veículos elétricos, e o bilionário farmacêutico de 95 anos Subba Rao Jasti (US$ 1,1 bilhão – R$ 5 bilhões), o estreante mais velho na lista deste ano. A mulher mais rica da Índia, Falguni Nayar (US$ 4,5 bilhões – R$ 20,7 bilhões), deixou o banco de investimentos há uma década, aos 49 anos, para lançar a varejista de moda e beleza Nykaa, abrindo seu capital em novembro.

Apenas 33 dos 236 recém-chegados à lista de bilionários deste ano são mulheres, e apenas 11 delas são self-made.

Renata Kellnerova herdou uma fortuna estimada em US$ 16,6 bilhões (R$ 76,6 bilhões)
ao lado de seus quatro filhos depois que seu marido Petr Kellner, investidor e a pessoa mais rica da República Tcheca, morreu em um acidente de helicóptero em março de 2021. Ela é a nova bilionária mais rica do mundo este ano. As americanas mais ricos a entrar na lista são Edythe Broad (US$ 6,9 bilhões – R$ 31,8 bilhões), viúva do falecido magnata e filantropo Eli Broad, e Melinda French Gates (US$ 6,2 bilhões – R$ 28,6 bilhões), ex-mulher de Bill Gates, da Microsoft.

Em termos de mulheres self-made que entraram na lista em 2022, ninguém é mais rica do que Melanie Perkins, de 34 anos, cofundadora e CEO do aplicativo de design gráfico Canva, que foi avaliado por investidores em US$ 40 bilhões (R$ 184,6 bilhões) em setembro passado. Perkins e seu cofundador de 36 anos Cliff Obrecht (US$ 6,5 bilhões cada – R$ 30 bilhões) se comprometeram a doar 30% do Canva – a “grande maioria” de suas participações – para a Fundação Canva para ser usado em causas de caridade.

VEJA TAMBÉM: Aprenda com elas: 3 lições das self-made mais ricas dos Estados Unidos

Outras mulheres que se tornaram bilionárias este ano incluem Miranda Qu, de 37 anos (US$ 1,8 bilhão – R$ 8,3 bilhões), cofundadora e presidente da Xiaohongshu, empresa de mídia social e comércio eletrônico de Xangai, e a pop star Rihanna, de 34 anos (US$ 1,7 bilhão – R$ 7,8 bilhões), cujas participações na linha de cosméticos Fenty Beauty e no negócio de lingerie Savage X Fenty ajudaram a torná-la a primeira pessoa bilionária de Barbados.

HAN MYUNG-GU/GETTY IMAGES, DAVE PEDLEY/GETTY IMAGES, JAMES BRICKWOOD/FAIRFAX MEDIA/GETTY IMAGES
HAN MYUNG-GU/GETTY IMAGES, DAVE PEDLEY/GETTY IMAGES, JAMES BRICKWOOD/FAIRFAX MEDIA/GETTY IMAGES

Rihanna, Melinda Gates e Peter Jackson são alguns dos novos bilionários da lista

Rihanna não é o único grande nome da indústria do entretenimento a se juntar à lista pela primeira vez. O diretor de “O Senhor dos Anéis”, Peter Jackson (US$ 1,5 bilhão – R$ 6,9 bilhões), tornou-se bilionário em novembro, quando vendeu uma participação em sua empresa de efeitos de filmes digitais Weta para a Unity Software por cerca de US$ 975 milhões. E embora o nome Leonid Radvinsky (US$ 1,2 bilhão – R$ 5,5 bilhões) possa não soar conhecido, você provavelmente conhece o OnlyFans, o melhor investimento do veterano de pornografia online de 40 anos até agora.

Mesmo com os mercados globais tropeçando, o setor financeiro e de investimentos produziu mais bilionários (45) do que qualquer outro este ano. Eles incluem investidores tradicionais como Josh Kushner, de 36 anos (US$ 2 bilhões – R$ 9,2 bilhões), cuja empresa de capital de risco Thrive Capital foi avaliada em US$ 3,6 bilhões pelo investidor Goldman Sachs em maio passado, e Ramzi Musallam, de 53 anos (US$ 4 bilhões – R$ 18,4 bilhões), que cresceu os ativos da empresa de private equity Veritas Capital para US$ 39,5 bilhões, de US$ 2 bilhões em 2012, quando o fundador Robert McKeon morreu por suicídio.

Os recém-chegados do setor financeiro também incluem fundadores de fintech que buscam romper o status quo, incluindo os dois novos bilionários mais jovens da lista: Pedro Franceschi, de 25 anos, e Henrique Dubugras, de 26 anos (US$ 1,5 bilhão cada – R$ 6,9 bilhões), os cofundadores brasileiros da startup de cartões de crédito corporativo Brex, que foi avaliada em US$ 12,3 bilhões por investidores em janeiro.

Brex não foi o único decacórnio cujos fundadores se tornaram bilionários este ano. Em todo o mundo, 30 startups ultrapassaram as avaliações de US$ 10 bilhões (R$ 46 milhões) no ano passado, o dobro do número de 2020. Muitas são empresas de tecnologia, ajudando o setor a adicionar 38 nomes à lista deste ano, incluindo Alex Shevchenko e Max Lytvyn (US$ 4 bilhões cada – R$ 18,4 bilhões), os cofundadores ucranianos de 42 anos da ferramenta de verificação gramatical Grammarly, que foi avaliada em US$ 13 bilhões por investidores em novembro.

Os cofundadores do mercado NFT OpenSea, Devin Finzer, de 31 anos, e Alex Atallah, de 30 anos (US$ 2,2 bilhões cada – R$ 10,1 bilhões), tornaram-se bilionários quando o negócio foi avaliado em US$ 13,3 bilhões em uma rodada de financiamento em janeiro. Um mês depois, Nikil Viswanathan, de 34 anos, e Joe Lau, de 32 anos (US$ 2,4 bilhões cada – R$ 11 bilhões), fecharam uma rodada de financiamento para sua startup, Alchemy, cujo software alimenta milhares de empresas de computação baseadas em blockchain, que avaliaram a empresa. em US$ 10,2 bilhões. Nada mal, considerando que a dupla começou a empresa há menos de dois anos.

VEJA TAMBÉM: Mercado de NFTs cria seus primeiros bilionários

O setor manufatureiro também produziu 36 novos bilionários este ano, incluindo Susan Carol Holland, de 65 anos (US$ 3,8 bilhões – R$ 17,5 bilhões), que preside a Amplifon, com sede em Milão, a maior varejista de aparelhos auditivos do mundo, fundada por seu falecido pai Algernon Charles Holland em 1955. Outro italiano, Giuseppe Crippa, de 86 anos (US$ 3,2 bilhões – R$ 14,7 bilhões), também estreou na lista deste ano, três décadas depois de fundar a Technoprobe em sua garagem e sótão. O fabricante de dispositivos de teste de microchip, com sede em Cernusco Lombardone, abriu seu capital na Euronext Milan em fevereiro.

Veja quem são os 10 primeiros da lista de bilionários:

 

Compartilhe esta publicação: