O que é uma startup unicórnio?

As startups avaliadas em mais de US$ 1 bilhão já passam de 20 no Brasil. E, neste contexto, o país vem ganhando protagonismo regional.

Luiz Gustavo Pacete
Compartilhe esta publicação:
Getty Images

O termo foi cunhado por Aileen Lee, fundadora da Cowboy Ventures em 2013

Acessibilidade


Celeiro de unicórnios. Essa pode ser uma expressão muito bem aplicada ao Brasil. As startups avaliadas em mais de US$ 1 bilhão já passam de 20 no Brasil. E, neste contexto, o país vem ganhando protagonismo regional, sendo, atualmente, a nação com maior número de unicórnios da América Latina. Segundo relatório elaborado pela plataforma brasileira Sling Hub, a América Latina tem mais de 40 empresas com esse perfil e o Brasil lidera. Mas afinal, o que define uma startup unicórnio? Reynaldo Naves, sócio da consultoria Olivia Brasil explica.

O que é uma startup unicórnio?

“São novos empreendimentos ou empresas da nova economia, geralmente de base tecnológica, que atingem uma avaliação de mercado de US$ 1 bilhão antes de serem cotadas em bolsa. São empresas de crescimento exponencial e aceleram rapidamente a partir de rodadas de investimento antes da abrir capital. O termo foi cunhado por Aileen Lee, fundadora da Cowboy Ventures em 2013”

LEIA MAIS: Afinal, o que é investimento anjo?

O que muda em uma startup ao tornar-se unicórnio?

“Com o crescimento exponencial desde sua origem a empresa unicórnio tem que rapidamente instalar estruturas, conhecimentos e processos que no início não pareciam necessários no estágio inicial. Do ponto de vista de cultura e estrutura, a grande mudança é a ampliação da percepção dos fundadores de que para manter o crescimento acelerado, o processo de execução da estratégia e operação não pode estar mais nas suas mãos. Do ponto de vista de processos, a empresa necessita rapidamente criar artefatos organizacionais que escalem com clareza seus processos core e criem regras claras para a eficiência de execução. Muitas vezes isso se chama, colocar ordem na casa, que prevaleça sobre as regras informais anteriores. Por fim, a empresa unicórnio deve estar atenta ao mundo exterior para estar conectada à melhorias que superem seus próprios sucessos anteriores e isso muitas vezes se faz com novos talentos ou novas aquisições. Isso mantém o inconformismo da inovação dos tempos de fundação.”

LEIA MAIS: O que é MVP e qual o papel da prototipagem para as startups?

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Por que o Brasil é celeiro de unicórnios?

“O ambiente de negócio brasileiro é complexo no bom sentido pois possui todos seus setores com dinamismo, mesmo tendo a indústria passado por um recrudescimento. Existe um mercado de consumo que permite o nascimento e existência de uma diversidade de negócios de porte para criar mercados expressivos e interessantes para investimento. Em paralelo a isso, é um país com facilidade em incorporação de inovações tecnológicas que permitem criar novos soluções, ecossistemas e plataformas que atendam consumidores, cadeias de fornecimento e serviços. Sendo assim, quando você concilia um mercado sedento por inovações com um ambiente aberto a isso, vários empreendimentos inovadores, ou seja, as startups proliferam, tem crescimento exponencial e se tornam unicórnios. São exemplos clássicos o Nubank, Quinto Andar ou mais recentes, Daki, Frete.com ou Mercado Bitcoin. Os mercados que tem atraído mais atenção para startups de rápido crescimento no Brasil são: tecnologia, serviços financeiros, saúde e energias renováveis. Nestes mercados o Brasil tem se posicionado de forma bastante inovadora para geração deste tipo de empreendimento (unicórnio).”

Compartilhe esta publicação: