Por dentro dos últimos dias do reinado de Abramovich no Chelsea

Bruce Buck, presidente do clube inglês, já recebe ofertas de compra por grupos de bilionários e líderes empresariais.

David Dawkins
Compartilhe esta publicação:
Foto: AFP VIA GETTY IMAGES
Foto: AFP VIA GETTY IMAGES

Os últimos dias do russo Roman Abramovich no Chelsea

Acessibilidade


Dentro da sede bastante modesta da Premier League no hotel Gloucester Place, em Londres, os funcionários da liga obcecados por futebol estão ocupados se preparando para a venda forçada do Chelsea FC, um processo que deve começar hoje (15), apesar do fim de semana com feriado bancário no Reino Unido. Nas próximas semanas, um exército de ternos passará pelos escritórios da liga mais rica do futebol para impulsionar a venda de um dos clubes mais famosos da Inglaterra, uma consequência das sanções impostas ao dono do clube, Roman Abramovich, após a invasão do presidente russo, Vladimir Putin, à Ucrânia em fevereiro.

Na noite de ontem (14), chegaram à mesa de Bruce Buck, presidente do Chelsea, as ofertas de compra do clube por grupos de bilionários e líderes empresariais que incluem um cofundador do Facebook, um ex-CEO da Disney, um magnata da cerveja e nomes famosos da NBA e da NFL. Faltando na lista: a família Ricketts, dona do Chicago Cubs, time da Major League Baseball, que muitos julgavam ser o lance mais promissor, mas também o menos amado pelos torcedores do Chelsea. A família disse que decidiu não fazer a oferta por causa de “certos problemas” e de uma “dinâmica incomum em torno do processo de vendas”, enquanto uma fonte próxima à oferta disse à Forbes que não foi possível chegar a um acordo dentro do próprio grupo, que incluía os bilionários Ken Griffin, fundador e CEO da Citadel, e o proprietário e magnata das hipotecas do Cleveland Cavaliers, Dan Gilbert.

LEIA MAIS: Abramovich tem US$ 7 bilhões em ativos suspeitos congelados por Ilha de Jersey

Para os três grupos que restam no jogo, a parte difícil acabou. Um deles está indo para Londres, mas dois estão calados e seus telefones estão silenciados, enquanto a Premier League e funcionários do governo correm para finalizar a venda antes do final do mês, quando o clube fica sem dinheiro. O que estamos esperando agora é a conclusão de um processo de diligência prévia (investigação de uma oportunidade de negócio para avaliar os riscos da transação), que envolve sanções, bilionários, departamentos governamentais e um clube de futebol apoiado por milhões em todo o mundo. É um processo fraco e inadequado para 2022, mesmo em circunstâncias normais.

As circunstâncias em torno da venda do Chelsea são tudo menos normais. O preço de cerca de US $ 4 bilhões (R$ 18,8 bilhões) será a maior aquisição de um time esportivo de todos os tempos, e o atual proprietário, Abramovich, se despedirá do clube após 19 anos. Por causa das sanções, o Chelsea ficou na mira do governo do Reino Unido, e seu futuro como uma força esportiva competitiva está em perigo. A corrida está agora para vender o clube, um processo que o governo britânico projetou para impedir que Abramovich embolse um centavo do dinheiro pago ou receba qualquer um dos US $ 2 bilhões (R$ 9,4 bilhões) que o clube deve a ele.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O próximo passo é a diligência prévia. O trabalho da liga no processo de venda é examinar os compradores, todos de estabelecimentos comerciais dos EUA ou do Reino Unido. Isso deve aliviar o fardo dos executivos da Premier League, que não têm a experiência de auditoria de empresas como a Ernst & Young ou a PWC, que normalmente seriam usadas em uma transação desse tamanho. O teste de proprietários e diretores da liga é um processo notoriamente relaxado que normalmente envolve perguntar a possíveis proprietários se eles são ricos o suficiente para possuir um clube da Premier League e se têm um passado criminoso, uma qualificação facilmente encontrada pela maioria dos compradores, como aqueles com conexões a um regime financiado pelo petróleo ou com um histórico questionável em direitos humanos.

Foto: GETTY IMAGES PARA VIRGIN VOYAGES
Foto: GETTY IMAGES PARA VIRGIN VOYAGES

Steve Pagliuca (dir.) com Sir Richard Branson

O teste mais difícil será passar pelo processo do DCMS (sigla em inglês para o Departamento de Cultura, Mídia e Esporte do governo), que emitirá uma nova licença que aliviará as sanções e permitirá que a venda avance, um processo que deve ser retardado pela cautela dos funcionários públicos em uma burocracia governamental desconhecida do Reino Unido. O desafio final é com o Tesouro, especificamente o Escritório de Implementação de Sanções Financeiras, que lidará com os bilhões de dólares pagos e garantirá que, quando o clube mudar de mãos, o dinheiro caia em uma conta de sua escolha sem nenhum pagamento para Abramovich ou qualquer outro indivíduo sancionado. Dos três atores – a Premier League, o DCMS e o Tesouro – apenas o Tesouro tem um histórico de operação nessas circunstâncias.

Embora talvez não seja o ideal, isso ajuda o governo, a liga e o clube a acabar com a ansiedade em torno da venda. Uma folha salarial com vencimento no final de abril significa que o Chelsea precisará de uma injeção de dinheiro de cerca de US$ 39 milhões (R$ 183 milhões) apenas para ‘manter os lobos longe da porta’, de acordo com Kieran Maguire, professor de finanças de futebol da Universidade de Liverpool. “Roman Abramovich poderia em algum momento ao longo dos próximos meses dizer: ‘Já estou cansado de tudo isso’ e decidir parar de financiar o clube? Sim.” Maguire acrescenta que, com o passar dos meses, o pagamento da massa salarial de abril, maio, junho e julho é um verdadeiro “motivo de preocupação”.

Nenhum dos licitantes do Chelsea ofereceu comentários sobre a possibilidade de assumirem ou não a responsabilidade de pagar os salários do clube antes de tomar formalmente a propriedade, mesmo que fossem os licitantes preferidos. Isso pode mudar. Mas o risco para o Chelsea continua real, tornando a velocidade com que a Premier League pode fazer a devida diligência uma preocupação primordial.

O objetivo de todos é colocar um fim decisivo na era Abramovich e dar ao Chelsea um novo começo.

“Os proprietários americanos viram o que o FSG [Fenway Sports Group] fez no Liverpool com um orçamento de transferência significativamente menor do que do Chelsea, Manchester United e Manchester City, e eles tentarão replicar isso”, diz Maguire sobre o grupo dono do Boston Red Sox e Pittsburgh Penguins, conhecido por colocar o Liverpool de volta ao topo do futebol inglês. Mas haverá dinheiro para gastar, incluindo a tão necessária reforma – ou substituição – do estádio Stamford Bridge do clube, tipo de investimento com o qual os donos de equipes dos EUA estão familiarizados, mas um projeto que pode custar mais de US$ 1 bilhão (R$ 4,7 bilhões).

Então, qual é a atração? Os licitantes dos EUA estão interessados porque, de acordo com Maguire, “se você der uma olhada no preço pedido pelo Chelsea – algo na região de 2,5 bilhões a 3 bilhões de libras (entre R$ 15,3 bilhões e R$ 18,4 bilhões) – e comparar isso com as franquias esportivas dos EUA, o Chelsea realmente parece muito barato. Isso encorajou os investidores americanos. Eles sentem que a comercialização do futebol é desvalorizada no que diz respeito ao Reino Unido”.

Mas o futebol inglês está em toda parte, então onde há dinheiro para ganhar? Os licitantes dos EUA são “muito otimistas” quando se trata de gerar fluxos de renda alternativos por meio do futebol. O mundo surpreendente dos NFTs e a adoção da tecnologia Web3 parecem dinheiro por nada, com os fãs pagando por um ativo sem valor. Mas no futebol você entende o apelo. O Manchester United no ano pré-Covid de 2019 gerou uma receita de US$ 820 milhões (R$ 3,8 bilhões) com uma base de fãs de cerca de 1,1 bilhão de pessoas. “Você só precisa criar um produto de sucesso baseado na web ou uma maneira de se envolver com os fãs e pode dobrar esse dinheiro”, diz Maguire. “E agora você está falando de um negócio completamente renovado”.

Não importa como a venda do Chelsea se desenrole, é provável que coloque uma pressão extra na Premier League para descobrir uma maneira de conduzir uma análise mais rigorosa de potenciais proprietários. Por enquanto, a tarefa recaiu sobre os ombros magros daqueles menos capazes de fazê-lo – e a própria Premier League já disse isso. Falando a políticos em março, Helen MacNamara, diretora de políticas da Premier League, disse aos parlamentares que a liga “reconhece a necessidade de mudança” quando se trata de como os clubes são vendidos e comprados na primeira divisão da Inglaterra. Seus comentários só apoiaram o fogo das críticas de que o teste de Proprietários e Diretores, introduzido entre 2005 e 2006, simplesmente não é mais adequado ao propósito e não foi forte o suficiente para, por exemplo, fazer perguntas a oligarcas com vínculos com Putin e fundos ligados a autocracias com registros chocantes contra os direitos humanos.

Foto: CORBIS/ICON SPORTSWIRE VIA GETTY IMAGES
Foto: CORBIS/ICON SPORTSWIRE VIA GETTY IMAGES

Donos do Dodgers, da esquerda para a direita: Stan Kasten, Mark Walter, Earvin Magic Johnson, Peter Guber e Todd Boehly

O maior crítico do teste é uma das organizações não governamentais mais visíveis do mundo, a Anistia Internacional, que chamou a Premier League em agosto de 2020, alegando que “cumplicidade em crimes de guerra, tortura, escravidão ou tráfico de seres humanos” não é barreira para donos de clubes da liga. Kate Allen, diretora da Anistia, disse que a Premier League “precisa urgentemente colocar sua casa em ordem”. Avaliar rostos americanos conhecidos (licitantes como Stephen Pagliuca e Todd Boehly) e os gentis membros da elite britânica (Sir Martin Broughton e Lord Sebastian Coe) é uma tarefa muito mais fácil, especialmente quando analisamos compradores que já foram vetados pela NBA, NFL ou Série A, por exemplo. No entanto, uma reforma abrangente do teste de propriedade não deve chegar a tempo para a venda do Chelsea, se é que chegará. Como Maguire, o professor de finanças de futebol da Universidade de Liverpool explica: “Há uma relutância entre os proprietários da Premier League em ter um teste mais oneroso para proprietários e diretores, porque a qualquer momento geralmente há dois ou três deles procurando a saída. A última coisa que eles querem fazer é reduzir o grupo de respectivos proprietários porque [assim] você reduz o preço potencial da venda do clube”. A Premier League, sem surpresa, estará trabalhando mais de perto com a Anistia quando as regras do teste forem eventualmente reescritas.

Quanto aos torcedores, eles certamente sentirão falta de um dono preparado para perder US $ 1,1 milhão (R$ 5,1 milhões) por semana no clube, embora sua conexão com o Chelsea FC tenha começado a desaparecer anos antes das sanções serem impostas. Hoje, o Chelsea é apenas mais um problema que Abramovich quer resolver após as apreensões de seus ativos em todo o mundo, diz Maguire. Certamente, “haverá mais perda emocional [em comparação] com alguns de seus outros ativos”. Mas ele também não assiste a uma partida em Stamford Bridge há alguns anos.

“Abramovich poderia ter assistido a algumas partidas se realmente quisesse durante esse período e optou por não fazê-lo”, diz Maguire. “Claramente, havia coisas mais importantes, em última análise, do que o que o Chelsea significava para ele.”

Um porta-voz do Chelsea não respondeu à reportagem.

Compartilhe esta publicação: