Musk perde quase US$ 17 bi após comentário sobre cortes na Tesla

Ações da Tesla caíram 9% hoje, quando a pessoa mais rica do mundo sugeriu demitir 10% dos funcionários de sua fabricante de veículos elétricos

Matt Durot
Compartilhe esta publicação:
Win McNamee/Getty Images
Win McNamee/Getty Images

A fortuna de Musk caiu US$ 16,9 bilhões hoje

Acessibilidade


Pela quarta semana consecutiva, as ações da Tesla variaram mais de 5% em uma sexta-feira, caindo 9,2% depois que Elon Musk supostamente enviou e-mails a executivos dizendo que sua fabricante de veículos elétricos deveria congelar as contratações e cortar sua força de trabalho em 10%, citando sua “sensação super ruim” sobre a economia.

A fortuna da pessoa mais rica do mundo – ele vale cerca de US$ 216,8 bilhões (R$ 1,03 trilhão) – encolheu em US$ 16,9 bilhões (R$ 80,76 bilhões) com a notícia, que veio poucos dias depois que Musk foi amplamente criticado por ordenar que seus funcionários voltassem ao escritório por 40 horas por semana ou “fingissem trabalhar em outro lugar”.

Leia mais: Veja quem são as 10 pessoas mais ricas do mundo em 2022

“A maior coisa que os investidores provavelmente estão pensando é que querem que Musk cale a boca”, diz Matt Maley, estrategista-chefe de mercado da Miller Tabak. “Ele estava estranhamente quieto na semana passada e as ações finalmente tiveram uma boa alta.” Apesar de se recuperar 14% na semana passada e outros 2% até ontem (2), as ações da Tesla terminaram esta semana em queda de 33% no ano, com a maioria de suas perdas após Musk anunciar sua aquisição de US$ 44 bilhões do Twitter em 14 de abril. Musk não respondeu aos pedidos de comentário da Forbes.

Os tuítes de Musk fizeram com que o preço das ações da Tesla oscilasse muito nas últimas semanas – por exemplo, quando ele tuitou que o acordo do Twitter estava suspenso em 13 de maio, as ações da Tesla subiram 5,7% naquele dia. E embora seus últimos comentários tenham sido feitos em um e-mail vazado para a Reuters, os investidores podem já estar no limite. No mês passado, no All-In Summit em Miami, Musk disse que os EUA “provavelmente” já estavam em recessão devido à inflação alimentada por estímulos do governo.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

A perspectiva de Musk está em desacordo com as opiniões de alguns economistas, incluindo Jan Hatzius, do Goldman Sachs, que escreveu em uma nota na semana passada que os temores de recessão “se mostrarão exagerados, a menos que novos choques negativos se materializem”. Mas a voz alta do CEO da Tesla parece estar apitando nos ouvidos dos investidores.

“É ótimo que as pessoas queiram comprar veículos elétricos para ajudar o meio ambiente, mas a maioria dos carros da Tesla são caros”, diz Maley, da Miller Tabak. “Se ele está preocupado com a economia o suficiente para demitir 10% de sua força de trabalho, o que isso lhe diz sobre sua visão do lado da demanda por seus carros? Uma recessão não será favorável à Tesla.”

Somando-se aos problemas de Musk e Tesla, o analista da Cowen, Jeffrey Osborne, reduziu sua meta de preço para as ações da Tesla de US$ 790 (R$ 3.775) para US$ 700 (R$ 3.345,09) por ação hoje (fechou em US$ 703,55, R$ 3.362,05, hoje), citando preocupações persistentes sobre os níveis de produção na China devido à última rodada de lockdowns no país por causa da Covid-19, que já haviam pesado nas ações da empresa nas últimas semanas.

De acordo com Garrett Nelson, analista da CFRA, os comentários de Musk provavelmente exacerbaram os temores dos investidores nessa frente. “A Tesla é uma empresa de alto crescimento que está aumentando a produção em duas novas fábricas, então o congelamento de contratações levanta muitas questões”, diz ele. “A julgar pela reação do preço das ações hoje, o mercado está assumindo o pior.”

Apesar do choque das notícias de hoje, a Tesla dificilmente é uma exceção quando se trata de seus planos de pessoal. “Muitas outras empresas de tecnologia estão seguindo um caminho semelhante”, diz Robert Schein, diretor de investimentos da Blanke Schein Wealth Management. “O Facebook, por exemplo, anunciou recentemente seus planos de pausar as contratações, e a Coinbase está chegando ao ponto de rescindir ofertas de emprego anteriormente assinadas. O anúncio da Tesla é o próximo dominó a cair, e os investidores estão começando a perceber os problemas financeiros que atingem as empresas em crescimento.” O índice Nasdaq, de alta tecnologia, caiu quase 2,5% hoje, apagando seus ganhos do início da semana e elevando suas perdas no ano para 23%.

O impacto de US$ 16,9 bilhões na fortuna de Musk hoje deve prejudicar pelo menos um pouco, elevando a contração de sua fortuna no ano para US$ 55 bilhões (R$ 262,83 bilhões). Mas ele continua sendo a pessoa mais rica do mundo de longe, valendo US$ 58,9 bilhões (R$ 281,47 bilhões) a mais que o vice-campeão Bernard Arnault, do império francês de artigos de luxo LVMH. Ontem, Musk estava olhando pelo lado positivo, tuitando que uma recessão “é realmente uma coisa boa”.

De acordo com Musk, a economia “está jogando dinheiro em tolos há muito tempo”. É preciso se perguntar: isso inclui compradores de veículos Tesla?

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação: