Ana Fontes: "O Brasil precisa de políticas de inovação que incluam mulheres"

Especialista espera que os programas de empreendedorismo da organização cheguem em 2 milhões de mulheres.

Angelica Mari
Compartilhe esta publicação:
Luciana Prézia
Luciana Prézia

A presidente da RME: planos de captar R$ 100 milhões para treinar 2 milhões de mulheres para a economia digital em 2021

Acessibilidade


Os meses desde o início da pandemia tem sido intensos para Ana Fontes. A presidente da Rede Mulher Empreendedora (RME), que realiza hoje (6) o segundo dia do fórum anual da organização, aumentou a abrangência de sua atuação com um modelo que inclui capacitação, conteúdo, aceleração, mentoria e capital para mulheres à frente de seus negócios.

Desde a emergência do novo coronavírus, a RME arrecadou mais de R$ 40 milhões de parceiros como Itaú, Bradesco e Santander para alavancar suas diversas iniciativas, que já atingem 750 mil mulheres em território nacional. Movimentos recentes incluem a expansão de um modelo de capacitação que vai treinar mais de 50 mil mulheres para a economia digital nos próximos 24 meses e o Potência Feminina, que tem o apoio do Google e escolherá 180 negócios liderados por mulheres a cada três meses para receber uma doação de R$ 10 mil cada.

LEIA MAIS: América Latina tem mais mulheres na liderança em tecnologia – mas ainda é pouco

A intenção da RME é que a captação ultrapasse os R$ 100 milhões em 2021, segundo Ana, para fazer com que os programas de empreendedorismo da organização cheguem em 2 milhões de mulheres: “Somos a única entidade que faz esse trabalho focado em mulheres no mundo, e queremos atrair mais empresas com a visão de que é possível causar um impacto gigantesco através da responsabilidade social e da inovação”, ressalta.

Ana faz parte da W20, plataforma da Organização das Nações Unidas cujo foco é tratar questões de igualdade de gênero e empoderamento feminino nas 20 maiores economias do mundo. Segundo ela, empresas tem um papel crítico na promoção da diversidade e no apoio da inovação, através de programas que apoiam mulheres a participarem de uma economia hiper-digital. Por outro lado, a especialista acredita que o governo também precisa agir, em áreas como políticas de acesso a crédito, de inclusão de meninas e mulheres em carreiras relacionadas à tecnologia.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Apesar de seu trânsito entre tomadores de decisão no universo corporativo e sua voz no debate de políticas públicas, Ana diz que o diálogo com o governo não tem sido fácil: “A gente não consegue falar na palavra gênero, ou de políticas afirmativas para incluir mais mulheres na economia e promover o desenvolvimento delas, porque esse governo não acredita nisso”, aponta.

“Temos um canal aberto com o G20 no Brasil e temos colocado essas questões em pauta, mas não temos políticas efetivas e nem vontade para isso. Mas é impossível pensar em uma estratégia de inovação para o país e não incluir mulheres neste desenho”, acrescenta, referindo-se ao plano a ser criado por um comitê interministerial como parte da Política Nacional de Inovação, publicada através de decreto presidencial no mês passado.

Outros pontos nevrálgicos apontados por Ana e que precisam ser endereçados incluem a falta de um ambiente nacional integrado de educação empreendedora e um espaço de geração de negócios entre grandes corporações e empreendedores: “A Fundação Getulio Vargas, o Insper, a Fundação Dom Cabral estão entre as instituições que atuam neste sentido mas ainda não vemos um ambiente conectado no Brasil em educação. O mesmo pode ser dito sobre a conexão de empreendedores com as grandes empresas”, ressalta.

Siga todas as novidades da Forbes Insider no Telegram

“Nós conseguimos, como Rede Mulher Empreendedora, atender uma parcela das mulheres que querem tocar seus negócios, mas não com tudo o que elas precisam. É necessário que o acesso a crédito para mulheres seja melhorado, bem como a conexão ao mercado e a capital de inovação. O governo tem condições para isso”, ressalta.

Apesar destas limitações, a presidente da RME aposta no crescente foco das empresas em melhores práticas ambientais, sociais e de governança (ESG, na sigla em inglês, como são conhecidas internacionalmente): “Não podemos mais, como instituições, esperar que só o governo faça seu papel, estabelecendo políticas de inovação, inclusão e diversidade. As grandes empresas têm um papel e responsabilidade de apoiar o avanço destes temas, não só para a sociedade, mas para impulsionar sua própria mudança.”

Segundo uma pesquisa do Sebrae com a Fundação Getulio Vargas (FGV), empreendedoras foram mais ágeis na hora de implementar inovações a seus negócios e mais de 70% delas utilizam canais digitais para vender. Por outro lado, mostram-se mais pessimistas quanto ao retorno a algum tipo de normalidade para seus negócios. Ana diz não acreditar em um “novo normal”, mas na necessidade da construção de um novo ambiente, pautado em diversidade:

“Daqui a um ano, quero poder constatar que a situação de mulheres Brasil afora está sendo apoiada por mais empresas. Empreender é isso, não é um otimismo bobo de quem fica sentado, esperando as coisas acontecerem. É um otimismo com movimentação.”

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: