3 atitudes para ser promovida

Conheça os comportamentos verbais e não-verbais que mais impactam a maneira como você é percebida.

Carol Kinsey Goman
Compartilhe esta publicação:
Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

É preciso se certificar de que os outros saibam quem você é, o que você fez e o que você é capaz de fazer: há mudanças simples que podem ajudar-

Acessibilidade


Em um artigo do New York Times, Isabelle Kocher, então CEO da empresa francesa de energia Engie, falou sobre como o sexismo no setor de energia, área dominada por homens, era muitas vezes sutil: “Percebo que toda vez que discutimos uma vaga de emprego e olhamos para uma lista de candidatos masculinos e femininos, há uma pergunta que surge quase sempre para as mulheres: ‘Será que ela saberá se afirmar?‘ Não é algo malicioso, é mais como ‘Será que ela vai conseguir assumir a liderança da equipe que você quer dar a ela?’”

Gestores – homens e mulheres – continuam a tirar candidatas viáveis ​​da disputa, muitas vezes supondo que a mulher não pode lidar com certos empregos. Não é à toa que, quando pesquisadores pedem a homens e mulheres para desenhar a figura de um líder, eles quase sempre desenham uma figura masculina.

As mulheres também entram no “paradoxo do vínculo duplo”, em que os homens podem ser poderosos e simpáticos ao mesmo tempo, enquanto elas devem projetar autoridade para avançar no mundo dos negócios, e são menos apreciadas quanto mais poderosas parecem.

Um estudo frequentemente citado, o caso Heidi/Howard, mostra que quando o mesmo líder assertivo e bem-sucedido é descrito para estudantes de pós-graduação de ambos os sexos, ele é visto como muito mais interessante quando identificado como homem do que como mulher.

Culpe o estereótipo de mulheres carinhosas, sensíveis e colaborativas (todos atributos de liderança altamente eficazes e subvalorizados). Quando seu comportamento é congruente com esses traços, as mulheres são apreciadas, mas não vistas como poderosas. Quando contrariam esse estereótipo, são percebidas de forma negativa.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

As mulheres estão constantemente navegando nessas mudanças de expectativas de gênero, papéis sociais e requisitos de liderança. As mulheres mais bem-sucedidas com quem trabalhei estão profundamente conscientes de seus valores e limites pessoais, ao mesmo tempo em que mantêm um senso aguçado de como os outros as percebem. Por entenderem que a presença de liderança depende totalmente da impressão que causam, essas mulheres experientes podem adaptar e ajustar suas interações para alcançar os melhores resultados em uma situação específica.

Essa consciência e flexibilidade compensa. Uma pesquisa da Stanford University Graduate School of Business mostra que as mulheres que são assertivas e confiantes, e que podem ativar e desativar essas características dependendo com as circunstâncias sociais, obtêm mais promoções do que outras mulheres, ou mesmo do que os homens.

As mulheres que se destacam como as líderes talentosas que realmente são compreendem os comportamentos verbais e não-verbais que mais impactam a maneira como os outros as percebem.

Fique atenta à sua postura corporal

Tente isto agora: sente-se em uma cadeira com as pernas bem cruzadas, leve os cotovelos à cintura, junte as mãos e coloque-as no colo enquanto arredonda ligeiramente os ombros. Não é de se surpreender que a maioria das pessoas avalie essa postura como impotente – mas pode surpreendê-la saber que uma versão dessa mesma postura é a maneira como a maioria das mulheres se senta. Tendemos a condensar nossos corpos, mantendo nossos cotovelos ao lado do corpo, cruzando bem as pernas e contraindo nossos corpos para ocupar o mínimo de espaço possível. E, quando fazemos isso, não parecemos líderes. Parecemos fisicamente menores, mais fracas e mais frágeis do que somos.

Enquanto a cordialidade e a simpatia são mostradas por sorrisos, contato visual e inclinação de cabeça (todos ótimos para construir relacionamentos), poder e autoridade são expressos não-verbalmente com a expansão em altura e espaço, e as pessoas avaliarão como sua linguagem corporal fortalece ou enfraquece sua presença de liderança.

VEJA TAMBÉM: Aprenda a usar a linguagem corporal para ter mais sucesso na carreira

Continue sendo calorosa, mas não deixe que esse seja seu único conjunto de sinais não-verbais. Lembre-se de que você se mostra com mais autoridade quando fica em pé, puxa os ombros para trás, alarga a postura e mantém a cabeça erguida. Você pode mostrar presença quando sentada, descruzando as pernas e colocando os dois pés no chão, ocupando mais espaço colocando os braços nos braços da cadeira e endireitando sua postura. Você instantaneamente parecerá (e se sentirá) mais segura de si mesma.

Não se diminua

É uma situação semelhante verbalmente; como você se expressa aumenta ou diminui a percepção de outras pessoas sobre sua presença de liderança. Independentemente de quão confiável você possa ser, você parece menos segura quando divaga em vez de ir direto ao ponto, usa qualificadores que te desvalorizam (“Eu posso estar errado, mas… Esta pode ser uma ideia estúpida, mas…”) ou adiciona minimizadores (talvez, mais ou menos). E você mina a sua contribuição e da sua equipe se começar as frases dizendo “Somos apenas…” em vez de dizer diretamente o que quer.

Escolha as melhores palavras

Você também parece mais confiante quando assume propriedade, fazendo declarações começando com “eu”. Cada vez que você estiver dando uma opinião na forma de uma pergunta (“Você não acha que seria uma boa ideia fazer nossa reunião na próxima terça?”), pare e transforme-a em uma declaração com “eu” (“Eu propomos que tenhamos nossa reunião na próxima terça-feira”).

É claro que uma boa postura e mensagens verbais assertivas por si só não lhe darão automaticamente uma presença de liderança. Nem seus excelentes resultados de negócios – a menos que outras pessoas – e você – saibam sobre eles.

Um dos comentários mais tristes que já ouvi foi do diretor de recursos humanos de uma empresa da Fortune 500, que me disse que havia proposto uma candidata para promoção a um grupo de executivos – e ninguém na sala sabia quem ela era.

Não deixe que isso aconteça com você! Por mais talentosa que seja, você não pode ser a única que sabe disso. Você precisa chegar lá e se tornar visível em sua organização. Esse tipo de autopromoção é sobre se preparar para a próxima promoção, certificando-se de que os outros saibam quem você é, o que você fez e o que você é capaz de fazer.

LEIA TAMBÉM: Como usar novas habilidades de comunicação para se autopromover

Compartilhe esta publicação: