Mulheres enfrentam mais as consequências do que os homens quando tomam risco

Estudo mostra que as executivas são mais penalizadas por assumir riscos que seus colegas, então ajustam seu comportamento.

Kim Elsesser
Compartilhe esta publicação:
Getty Images
Getty Images

Apenas 14% dos paraquedistas são mulheres, mas isso não significa que elas sejam avessas ao risco

Acessibilidade


Há apenas 32 mulheres entre os executivos-chefes das 500 maiores empresas dos Estados Unidos. Como resultado desse número reduzido, as profissionais são frequentemente aconselhadas a assumir mais riscos no trabalho para aumentar suas chances de alcançar cargos de liderança de alto nível. Esse conselho é baseado em alegações generalizadas de que as mulheres são mais contrárias ao risco do que os homens, tanto no trabalho quanto fora dele. Agora, uma nova pesquisa sugere que as mulheres podem não ser mais contrárias ao risco do que os homens, mas na verdade encontram mais reações e consequências negativas do que os homens ao assumir riscos no trabalho.

O novo estudo publicado no Psychology of Women Quarterly não encontrou “nenhuma evidência” para diferenças de gênero na tomada de riscos no trabalho. Essas descobertas contrastam fortemente com estudos anteriores que descobriram que os homens eram mais propensos a assumir riscos. A principal autora do estudo, Thekla Morgenroth, professora de psicologia da Purdue University, explica que muitos estudos anteriores se concentraram demais em comportamentos de risco tipicamente associados a homens. Eles explicam: “Se você perguntar às pessoas ‘qual a probabilidade de você andar de moto sem usar capacete?’ então, surpresa, os homens são mais propensos do que as mulheres a dizer que farão isso. Mas se você perguntar às pessoas qual a probabilidade de elas andarem a cavalo ou serem líderes de torcida, que também são esportes fisicamente perigosos, as diferenças de gênero se invertem”.

Em outras palavras, se você medir riscos estereotipicamente masculinos, não é de surpreender que os homens sejam mais propensos a dizer que participariam. Os comportamentos de risco das mulheres, como passar por cirurgias estéticas, são muitas vezes ignorados pelos pesquisadores que estão medindo a tolerância ao risco.

Outra medida de tolerância ao risco muito usada é a disposição de saltar de paraquedas. Apenas 14% dos paraquedistas são mulheres, mas isso não significa que as mulheres sejam avessas ao risco. Cordelia Fine, professora da Universidade de Melbourne e coautora do estudo, aponta em seu livro Testosterone Rex: “Nos Estados Unidos, estar grávida tem cerca de vinte vezes mais chances de resultar em morte do que um salto de paraquedas”. De fato, se as mulheres realmente evitassem riscos, o destino da humanidade estaria em perigo.

Leia também: Mulheres nos conselhos: como aumentar a diversidade no topo

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Mulheres são penalizadas por assumir riscos, então ajustam seu comportamento

Os pesquisadores descobriram mais uma razão fascinante pela qual as mulheres podem ser percebidas assumindo menos riscos do que os homens. Morgenroth explica: “Homens e mulheres têm a mesma probabilidade de correr riscos, mas esses riscos não compensam da mesma maneira”. Essa diferença de retorno impactou a probabilidade de homens e mulheres assumirem os mesmos riscos no futuro.

As mulheres do estudo relataram mais consequências negativas quando assumiram riscos no trabalho, tornando-as menos propensas a assumir os mesmos riscos no futuro. Os homens, por outro lado, relataram resultados mais positivos ao assumir riscos no trabalho, tornando-os mais propensos a assumir riscos semelhantes no futuro.

Por que as mulheres são mais propensas a encontrar consequências negativas por seu comportamento de risco? Assumir riscos é tipicamente percebido como algo que os homens fazem e, em geral, as mulheres são penalizadas por fazer coisas tipicamente associadas aos homens. Pesquisas anteriores mostraram que as mulheres são penalizadas no trabalho por sua ambição, por se comportarem de forma assertiva ou mesmo por pedirem salários mais altos, tudo porque esses atributos e atividades são percebidos como masculinos.

Como um exemplo de como isso acontece no mundo real, a diretora de comunicação de Hillary Clinton, Jennifer Palmieri, explicou que, embora nenhum candidato presidencial masculino tenha que esconder sua ambição, a ambição de Clinton durante sua candidatura deixou as pessoas “inquietas”.

No estudo, os pesquisadores descobriram que homens e mulheres foram igualmente impactados por suas próprias experiências passadas de risco. Ou seja, tanto para homens quanto para mulheres, se o risco não compensasse, era menos provável que repetissem no futuro.

Para testar isso, os pesquisadores criaram uma situação experimental em que os participantes receberam aleatoriamente aprovação ou desaprovação de um supervisor simulado por seu comportamento de risco. Aqueles que receberam consequências positivas eram mais propensos a assumir riscos semelhantes novamente. Não houve diferença de gênero neste comportamento. Homens e mulheres eram igualmente propensos a participar do comportamento de risco e eram igualmente propensos a serem afetados pelo resultado.

No entanto, quando as mulheres descreveram suas experiências reais de trabalho para os pesquisadores, as mulheres eram mais propensas do que os homens a relatar que sofreram consequências negativas como resultado. Os homens relataram consequências mais positivas de seus riscos na vida real e no trabalho.

Essa reação ao risco pode deixar as mulheres em uma situação sem saída. Se assumirem os riscos necessários para ascender a cargos de liderança, elas podem ser penalizadas por não se comportarem como se espera que se comportem. Se não correrem riscos, podem ser vistas como carentes das habilidades necessárias para o sucesso da liderança.

Os autores concluem que aqueles que tentam ajudar as mulheres profissionais a progredir em suas carreiras não devem concentrar seus esforços em fazer com que as mulheres assumam mais riscos. “Estratégias para combater a desigualdade de gênero que se concentram em aumentar os comportamentos de risco das mulheres e as mensagens para ‘inclinar-se’ provavelmente não terão muito sucesso, desde que haja custos e benefícios desiguais para homens e mulheres”, escrevem eles. Em vez disso, acreditam que devem ser feitos esforços para garantir que homens e mulheres recebam as mesmas recompensas ao assumirem os mesmos riscos.

Forbes abre inscrições para lista Under 30 2022

Compartilhe esta publicação: