Campanha contra Amber Heard é um dos "piores casos de cyberbullying", diz relatório

A empresa Bot Sentinel estudou mais de 14 mil tweets usando hashtags como #AmberHeardÉUmaAbusadora e descobriu que havia 627 contas dedicadas a tuitar contra ela e suas apoiadoras

Marisa Dellatto
Compartilhe esta publicação:

Johnny Depp acusou Amber Heard de difamação em um editorial do “Washington Post”, em que ela disse ser vítima de violência doméstica

Acessibilidade


Os tweets ridicularizando Amber Heard e seus apoiadores durante e após o julgamento de difamação contra Johnny Depp resultaram em “um dos piores casos de cyberbullying e cyberstalking por um grupo de contas do Twitter”. Isso de acordo com um relatório divulgado ontem (18) pela Bot Sentinel, uma empresa que estuda campanhas de desinformação e assédio online nas redes sociais.

O grupo apartidário Bot Sentinel estudou mais de 14 mil tweets usando as hashtags #AmberHeardIsAnAbuser (#AmberHeardÉUmaAbusadora, em tradução livre), #AmberHeardIsALiar (#AmberHeardÉUmaMentirosa), #AmberHeardLsAnAbuser e #AmberHeardLsALiar. Eles observaram que “o erro de ortografia intencional demonstra um esforço calculado para manipular tendências de hashtag” e foi feito para “enganar os algoritmos do Twitter”.

Havia 627 contas dedicadas a tuitar “exclusivamente” sobre Heard e suas apoiadoras.

Mais de 24% das contas que tuitam e usam hashtags negativas sobre Heard foram criadas nos últimos sete meses; “a média para outros tópicos é de 8,6%”, informou o Bot Sentinel.

Heard e as mulheres que tuitaram em seu apoio foram “atacadas implacavelmente”, muitas vezes com “linguagem vulgar e ameaçadora”. O Bot Sentinel detalhou um caso em que alguém criou uma conta falsa usando fotos do filho falecido de um apoiador de Heard para atacá-lo e também assediou os membros da família dessa pessoa.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Os “trolls” da internet que atacaram Heard e seus apoiadores recentemente voltaram sua atenção para a atriz Evan Rachel Wood, que acusou o cantor Marilyn Manson de abuso sexual, e Cassidy Hutchinson, uma ex-assessora do político americano Mark Meadows que recentemente testemunhou durante uma audiência pública em 6 de janeiro, disse o Bot Sentinel.

A empresa incluiu em seu relatório um aviso de que a equipe de Heard entrou em contato com o grupo em 2020 para estudar a atividade nas mídias sociais sobre ela – que foi separada do estudo do caso Heard-Depp, que começou em junho.

Leia também: O narcisismo no centro do julgamento de Johnny Depp e Amber Heard

“O que observamos foi um dos piores casos de cyberbullying e cyberstalking por um grupo de contas do Twitter que já vimos”, escreveu o Bot Sentinel em seu relatório. “Na nossa opinião, o Twitter não fez o suficiente para mitigar a manipulação da plataforma e fez muito pouco para impedir o abuso e o assédio direcionado.” O Bot Sentinel disse que deu ao Twitter uma cópia de seu relatório antes de publicá-lo.

Principais antecedentes do caso Amber Heard e Johnny Depp

Depp acusou Heard de difamação em um editorial do “Washington Post”, em que ela se descreveu como uma “vítima pública de violência doméstica”. O júri considerou que Heard difamou Depp e ele recebeu US$ 10,4 milhões (R$ 56 milhões). Também foi decidido que Depp difamou Heard, e ela recebeu US$ 2 milhões (R$ 10,7 milhões).

A atenção nas mídias sociais foi capturada pelo julgamento televisionado de aproximadamente seis semanas. Além do Twitter, o TikTok tornou-se um foco de discussão sobre o caso, que em grande parte parecia ser a favor de Depp.
A revista “Vice” informou em maio que o jornal conservador “The Daily Wire” gastou entre US$ 35 mil (R$ 188 mil) e US$ 47 mil (R$ 253 mil) promovendo artigos sobre o julgamento, com “um claro viés contra Heard”, no Instagram e no Facebook, onde é um dos perfis mais populares.

Em junho, logo após o término do julgamento, a hashtag #JusticeForJohnnyDepp (#JustiçaPorJohnnyDepp) no ​​TikTok teve 20,4 bilhões de visualizações, em comparação com as 88,6 milhões da hashtag #JusticeForAmberHeard (#JustiçaPorAmberHeard).

“Mesmo que você pense que eu estou mentindo, você ainda não pode me olhar nos olhos e dizer que acha que nas redes sociais houve uma representação justa”, disse Heard no programa de televisão americano “Today” após o veredicto.

Os advogados de Depp negaram que a mídia social tenha tido impacto no veredicto e disseram que as alegações de que houve uma campanha coordenada criada em nome de Depp são “categoricamente falsas”.

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação: