Entenda por que a Apple está afetando as receitas do Facebook

Os recursos de privacidade do iPhone reduzem o rastreamento e a possibilidade de obter dados dos usuários.

Kate O'Flaherty
Compartilhe esta publicação:
Getty Images

Nova regra de privacidade da Apple está mudando a dinâmica das big techs

Acessibilidade


O Facebook está zangado com a Apple, e isso não é surpreendente. A fabricante do iPhone vai custar à rede social mais de US$10 bilhões devido aos recursos de privacidade do iOS 14 chamados App Tracking Transparency, disse o Facebook, recentemente, após anunciar seus resultados financeiros. Isso porque os recursos de privacidade do iPhone reduzem o rastreamento ao revogar o acesso ao identificador para anunciantes (IDFA), um código exclusivo que mostra quando as pessoas estão vendo um anúncio no Facebook, pesquisando no Google e comprando algo pelo site, por exemplo.

LEIA TAMBÉM: Por que a nova regra de privacidade da Apple fez as big techs perderem bilhões?

A Apple é a vencedora com seus recursos ATT para iPhone, que foram aprimorados ainda mais no iOS 15 com o Relatório de Privacidade do Aplicativo. As pessoas adoram odiar o Facebook, então elas não estão exatamente chorando pela manhã enquanto leem sobre as pesadas perdas da empresa de Mark Zuckerberg. Mas uma das outras reclamações do Facebook é o Google, que tem um acordo de busca com a Apple. Enquanto o Facebook está perdendo cada vez mais no iPhone, o Google não é tão impactado.

Google dá um golpe na Apple com impulso de privacidade do Android

Depois, há os telefones Android do Google. Há algum tempo, as pessoas esperavam recursos de privacidade semelhantes ao da Apple, com permissão explícita sendo solicitada para acesso a IDs de dispositivos Android. E sim, o Google está trazendo algumas mudanças de privacidade, mas isso não acontecerá em menos de dois anos, disse a empresa em um blog. Isso, espera-se, não terá o mesmo impacto na indústria de publicidade que as rigorosas mudanças de privacidade do iPhone da Apple. Ao contrário da Apple, o Google precisa agradar aos anunciantes. 

Getty Images
Getty Images

As ações da Meta chegaram a cair 20% após a apresentação de resultados negativos

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Mas o Google sabe que as pessoas se preocupam com a privacidade. Em seu blog, a empresa diz que está buscando “novas soluções de publicidade mais privadas” que “limitarão o compartilhamento de dados do usuário com terceiros e operarão sem identificadores entre aplicativos, incluindo ID de publicidade”.

LEIA TAMBÉM: Queda no preço das ações da Meta, ex-Facebook, abala tecnologia mundial

“Também estamos explorando tecnologias que reduzem o potencial de coleta secreta de dados, incluindo maneiras mais seguras de integração de aplicativos com SDKs de publicidade”, diz o blog. O Google também criticou a Apple dizendo: “Percebemos que outras plataformas adotaram uma abordagem diferente à privacidade dos anúncios, restringindo sem rodeios as tecnologias existentes usadas por desenvolvedores e anunciantes. Acreditamos que – sem primeiro fornecer um caminho alternativo de preservação da privacidade – essas abordagens podem ser ineficazes e levar a resultados piores para a privacidade do usuário e empresas de desenvolvedores.” 

O Google não pode agradar a todos

O Google pretende agradar a todos – anunciantes e usuários do Android – introduzindo mudanças, mas não imediatamente. Parece muito com os objetivos da big tech de se afastar dos cookies de terceiros. As mudanças de privacidade do Android, que farão com que o sistema operacional obtenha sua própria versão do Privacy Sandbox do Google, baseiam-se na mesma ideia – criar privacidade e permitir publicidade direcionada. Mas a Apple não é como o Google – ou o Facebook – por que seu modelo de negócios não é financiado por publicidade. A Apple pode se dar ao luxo de fazer alterações de privacidade.

Chesnot/Getty Images
Chesnot/Getty Images

Zuckerberg perdeu R$ 157,3 bi no início de fevereiro com os resultados negativos da Meta

Mudanças no Google e na Apple: uma perda para o Facebook

As mudanças de privacidade da Apple atingem o Facebook, e as do Google também podem, potencialmente. O verdadeiro problema é o modelo de negócios do Facebook, que simplesmente não se encaixa no mundo atual, preocupado com a privacidade. O problema não é a Apple ou o Google, é o modelo de negócios do Facebook. Ele rastreia as pessoas e vende publicidade direcionada. As pessoas estão cansadas disso e o Facebook não tem nada para se apoiar além de seu Metaverso.

Encontrar um meio termo entre rastreamento e privacidade do usuário é uma das linhas mais difíceis de trilhar nos modelos de negócios de tecnologia modernos, diz Jake Moore, consultor global de segurança cibernética da ESET. “A publicidade direcionada ao micro teve seu dia e os desenvolvedores devem olhar para frente, em vez de relembrar ‘os bons velhos tempos’. O Google entende que as pessoas exigem privacidade e não pode ficar parado e evitar o requisito.”

LEIA TAMBÉM: Zuckerberg perde R$ 157,3 bi de sua fortuna e deixa o top 10 do ranking da Forbes

No entanto, com dois anos até que as mudanças do Android sejam introduzidas, é plausível que elas nunca aconteçam em sua forma atual, diz Moore. “O modelo de negócios do Google é focar mais nos anúncios como um negócio de publicidade. Enquanto esse for o caso, há pouco que sugira que eles farão qualquer coisa para ameaçar isso e seus lucros”.

Não há dúvida sobre isso – o campo de batalha está definido este ano e além, é cada vez mais sobre privacidade. As pessoas querem mais proteção contra rastreamento por empresas como Facebook e Google. Claro que não é perfeito, mas atualmente, a melhor maneira de conseguir isso é usando um iPhone.

Compartilhe esta publicação: