Da privacidade ao metaverso, as possibilidades sobre a volta do Orkut

Orkut Büyükkökten, fundador da rede, deixou algumas dicas sobre os novos projetos em torno da plataforma cuja possibilidade de retomada vem gerando várias teorias.

Luiz Gustavo Pacete
Compartilhe esta publicação:
Getty Images

Desativado em 2014, o Orkut chegou a ter mais de 300 milhões de seguidores

Acessibilidade


Na mesma semana em que o bilionário Elon Musk seguia monopolizando a atenção com a compra do Twitter por aproximadamente US$ 44 bilhões, um dos personagens mais conhecidos do Vale do Silício, e em especial dos brasileiros, Orkut Büyükkökten, fundador da plataforma que leva seu primeiro nome, publicou um comunicado informando que o domínio do site foi reativado e, ainda que não tenha emitido detalhes do que ele pretende com o movimento, deixou algumas dicas sobre o atual contexto das redes sociais.

Diante da repercussão relacionada à volta de uma rede social que conquistou não só o coração, mas a audiência dos brasileiros, várias teorias e questionamentos começaram a ser criadas em torno do fato. O Orkut chegou a ter mais de 300 milhões de usuários e o Brasil era o país com um dos maiores números de comunidades e pessoas na plataforma que foi criada em 2004 quando Orkut estudava em Stanford e também no Google. Em 2014, a rede foi desativada.

LEIA TAMBÉM: Orkut é reativado, e fundador da rede social avisa: ‘Construindo algo novo’

“Olá! Sou o Orkut. 17 anos atrás eu criei uma pequena rede social enquanto eu trabalhava no Google como engenheiro de software. Em apenas alguns anos, ela se tornou o orkut.com com mais de 300 milhões de usuários”, começa a mensagem. “Acredito que o orkut.com encontrou sua comunidade porque reuniu tantas vozes diversas de todo o mundo em um só lugar. E é por isso que estou construindo algo novo. Vejo você em breve!“, escreveu o empresário que criou uma nova rede social em 2018, a Hello que se vende como uma plataforma para “amar e não para curtir”.

A carta de Orkut deixa algumas possibilidades sobre o que poderia ser o “algo novo” que ele vem construindo:

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Combate ao discurso de ódio e fake News

À época que criou a Hello, em 2018, Orkut Büyükkökten já se posicionava como um grande crítico dos monopólios de grandes empresas de tecnologia. Na ocasião, reforçou que sua nova rede social era “sobre amor e não sobre curtidas”. Na carta desta semana, ele foi taxativo: “o mundo precisa de gentileza agora mais do que nunca. Há tanto ódio online nos dias de hoje, e nossas opções para encontrar e construir conexões reais são poucas e bem escassas. Nossas ferramentas online devem nos servir, não nos dividir. Elas devem proteger nossos dados, não vendê-los.”

Reprodução

Orkut Büyükkökten

Contraponto aos algoritmos e robôs

O comunicado ocorre na mesma semana em que Elon Musk seguiu chamando a atenção e gerando dúvidas sobre o futuro do Twitter. O grande ponto é a incerteza de uma plataforma que ainda lida com o combate a robôs e fake news. “Nossas ferramentas online devem nos servir, não nos dividir. Elas devem proteger nossos dados, não vendê-los. Elas devem nos dar esperança, não medo e ansiedade. A melhor rede social é aquela que enriquece sua vida, mas não a manipula. Eu quero que você seja capaz de ser o seu verdadeiro eu, online e offline. Eu quero que você seja capaz de fazer conexões duradouras”, escreveu Orkut.

LEIA TAMBÉM: Mais de 25% da população passará 1 hora no metaverso até 2026

E o tal de metaverso?

Algum tipo de plataforma que tenha conexão com o que pode ser o metaverso? Essa foi uma teoria levantada em muitas comunidades. Assim como o Facebook, no ano passado, mudou seu nome para Meta e vem investindo no metaverso. E da mesma maneira que a ByteDance, dona do TikTok, também está de olho nesta indústria, por que não resgatar uma marca tão forte como o Orkut para esse novo contexto? Para Orkut, no entanto, uma rede social deve ser sobre conectar pessoas reais. “Nos dedicamos muito para tornar o orkut.com uma comunidade onde você pudesse conhecer pessoas reais que compartilhavam seus mesmos interesses, não apenas pessoas que curtiram e comentaram em suas fotos.”

Apenas uma ação de marketing

Para outros, o movimento de Orkut é apenas marketing. Diante da possibilidade de que, eventualmente a Hello possa não ter emplacado, agora o empresário aproveita o momento para resgatar uma marca forte e tentar uma nova empreitada. “É por isso que criei a primeira rede social do mundo quando era estudante de pós-graduação em Stanford. É por isso que eu trouxe o orkut.com para tantos de vocês ao redor do mundo. E é por isso que estou construindo algo novo. Vejo você em breve!”

Compartilhe esta publicação: