Seguro rural tem potencial para crescer nos próximos anos

Utilizada majoritariamente para cobrir riscos climáticos, proteção das lavouras ganha cada vez mais aderência na gestão das fazendas.

Vera Ondei
Compartilhe esta publicação:
Rogério Maroja
Rogério Maroja

O anúncio, feito no final de junho com o PAP (Plano Agrícola e Pecuário 2021/22), indicou os valores do plano trienal do seguro rural projetados até 2024

Acessibilidade


Para as próximas três safras, os agricultores terão à disposição um montante de quase R$ 4 bilhões para o PSR (Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural), na qual o governo federal cobre uma parte dos sinistros pagos, tornando a ferramenta mais atrativa para o produtor. O valor não deve ser tomado como um tipo de esmola ou, pior, de subsídio. A subvenção tem como foco, justamente, os eventos climáticos, um imponderável fora das mãos de quem vive dos serviços da natureza.

O anúncio foi feito no final de junho, com o PAP (Plano Agrícola e Pecuário 2021/22), chamado de Plano Safra, e os valores do plano trienal do seguro rural estão projetados até 2024. Será R$ 1 bilhão em 2022, mais R$ 1,22 bilhão em 2023 e R$ 1,66 bilhão em 2024. Os recursos para a subvenção têm previsão anual e não por safra. “É um instrumento indispensável, porque o valor segurado é a produção do agricultor. Com um sinistro, ele pode demorar até três safras para se recompor”, diz Joaquim Francisco Rodrigues Cesar Neto, superintendente de produtos agro da Tokio Marine Seguradora e presidente da comissão de seguro rural da FenSeg (Federação Nacional de Seguros Gerais).

LEIA TAMBÉM: Cresce procura por seguro de responsabilidade civil para executivos

Para 2021, primeiramente estava previsto R$ 1,3 bilhão, mas com o rearranjo orçamentário dos últimos meses o governo baixou para R$ 948,1 milhões. A ministra Tereza Cristina, do Ministério da Agricultura, disse, no lançamento do Plano Safra, que não está satisfeita. “Vamos trabalhar para conseguir mais um dinheirinho para esse seguro rural.” A Forbes apurou que pode, sim, estar a caminho algo próximo de R$ 80 milhões nos próximos meses para serem incorporados ao PSR ainda neste ano.

Mas o Brasil é um país que ainda utiliza pouco essa ferramenta, embora ela venha crescendo nos últimos anos. Majoritariamente para grãos, o seguro agrícola cobriu no ano passado cerca de 10 milhões de hectares, quase todos para sinistros climáticos, enquanto a área de fato cultivada ultrapassa 65 milhões de hectares. São cultivos como soja, milho, trigo – os que mais utilizam o seguro –, além de feijão, arroz, entre outros. Dessa conta estão fora culturas perenes, como café, além de cana-de-açúcar e eucalipto, por exemplo. “O seguro rural no país ainda é muito pequeno, mas há cinco anos ele não era nada”, diz Fernanda Schwantes, assessora técnica de Política Agrícola da CNA, entidade que representa as 27 federações da agricultura e pecuária.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Reportagem publicada na edição 88, lançada em junho de 2021.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: