Cadeia do lúpulo ganha reforço para melhorar a produção de cerveja no país

Matéria-prima que imprime aroma e amargor à bebida tem grande potencial de cultivo nas pequenas propriedades rurais.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Ian Laker Photography_Getty
Ian Laker Photography_Getty

É o lúpulo que confere aroma e amargor à cerveja, mas o Brasil ainda é importador do insumo

Acessibilidade


O lúpulo, planta da espécie humulus lupulus, é o tempero da cerveja. É ele que confere à bebida o amargor e aroma, sendo uma de suas principais matérias-primas. Mas o país ainda é um grande importador desse insumo, com volumes acima de 3 mil toneladas por ano, embora seja o terceiro maior produtor de cerveja do mundo.

Para incentivar essa cadeia no Rio de Janeiro, a Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) na unidade Agrobiologia, localizada em Seropédica, município a 70 quilômetros da capital, acertou com o Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária) a execução de um TED (Termo de Execução Descentralizada). Ele vai servir a um projeto de pesquisa e desenvolvimento de tecnologias de fomento à cadeia do lúpulo e incentivo à agricultura familiar nos ambientes de montanha da região serrana do Rio de Janeiro.

LEIA TAMBÉM: A cerveja ideal: especialistas explicam como encontrar o estilo perfeito para o seu paladar

“A cultura do lúpulo está em franca expansão e tem adquirido apoios regionais em políticas públicas municipais e estaduais”, diz Ana Cristina Garofolo, chefe-adjunta de transferência de tecnologia da unidade.“Mas ainda são necessários o desenvolvimento da cadeia produtiva e a agregação de valor a ela. É nessa temática que o TED se insere.”

Liderado pelo pesquisador Gustavo Xavier, o projeto envolve recursos da ordem de R$ 420 mil. Além da unidade Agrobiologia, integram o grupo a Embrapa Agroindústria de Alimentos e a Secretaria de Agricultura Familiar e Cooperativismo, do Mapa. “Espera-se, em parceria com a Embrapa Agroindústria de Alimentos, o desenvolvimento de estudos e transferência de tecnologias que auxiliem os produtores em questões de melhoria de produtividade e qualidade da produção”, afirma Garofolo.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Para o pesquisador Xavier, o recurso fortalece um projeto já em andamento, financiado pela Faperj (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro). “Esse TED visa a desenvolver tecnologias e informações adequadas, especialmente no que se refere às características de aroma, nas condições dos ambientes de montanha”, diz.

O que a pesquisa quer descobrir

Serão estudados aspectos agronômicos da produção do lúpulo, desde a produção de mudas e seleção de variedades de aroma até controle fitossanitário alternativo, manejo da adubação e calagem e alternativas de aporte de matéria orgânica provenientes de plantas de cobertura.

Também será feita pesquisa sobre a qualidade física, química e biológica do solo considerando diferentes manejos, incluindo uso de plantas de cobertura do solo, bokashi e microrganismos na perspectiva de bioinsumos inovadores. Além disso, serão verificados processos de pós-colheita que assegurem que os alfa e beta ácidos, bem como os óleos essenciais – elementos que caracterizam o sabor e o aroma da cerveja – sejam conservados.

Por fim, serão implantadas Unidades de Referência Tecnológica para capacitação e demonstração das melhores práticas agrícolas para o cultivo do lúpulo em áreas de produção de agricultura familiar, além de serem analisados aspectos mercadológicos das flores de lúpulo, com foco na captura de valor na cadeia produtiva.

Compartilhe esta publicação: