Conheça a cama de US$ 400 mil que já tem lista de espera de compradores

ReproduçãoForbes
ReproduçãoForbes

Na suíte master de sua casa em Toronto, a cama Grand Vividus do rapper Drake

É a Birkin das camas. Em colaboração com o designer de interiores de luxo Ferris Rafauli, a renomada empresa sueca de colchões Hästens acaba de lançar seu modelo “pièce de résistance”. A Grand Vividus (US$ 390 mil) é uma verdadeira obra de arte. A cama é inteiramente feita à mão e são necessárias 600 horas de trabalho de mestres artesãos para montar e costurar cada produto na fábrica de Köping, na Suécia, onde as camas Hästens são feitas desde 1852. 

Em termos de valores da empresa e dedicação ao artesanato do velho mundo, não se pode deixar de notar a estranha semelhança com Hermès, por isso, faz sentido que eles compartilhem uma base de clientes semelhante: indivíduos obcecados com qualidade e discernimento, que estão sempre um passo à frente na curva do estilo de vida. O rapper Drake, por exemplo, comprou a primeira Grand Vividus e recentemente disse à “Architectural Digest” que ela “o faz flutuar”). Não é de se admirar que já exista uma lista de espera nas lojas de Nova York e Los Angeles (embora os clientes em potencial possam conversar internamente com o mentor da Hästens, Linus Adolfsson, que é o contato norte-americano exclusivo do Grand Vividus durante a pandemia de Covid-19).

LEIA TAMBÉM: Indústria do sono movimenta bilhões para resolver um dos maiores males do século 21

Até agora, a joia da coleção da Hästens era a Vividus original (de US$ 195 mil), um colchão impressionante e totalmente artesanal, que leva 240 horas para ser produzido. Em 2006, o mestre artesão principal foi incumbido –sem restrições– de construir o que considerava a melhor cama do mundo, sem prestar atenção aos custos de material ou de produção. Ele reformulou as bobinas e adicionou molas mais altas, assim como camadas adicionais e diferenciadas de crina de cavalo, lã, algodão e linho, que permitem que a cama se adapte ao corpo de uma pessoa ainda mais do que os modelos originais e proporciona uma maior sensação de leveza. O projeto levou dois anos para ser concluído.

Não é exagerado dizer que o valor de qualquer modelo da Hästens é demais para alguns suportarem, já que as camas variam de US$ 10.000 a US$ 390 mil. Mas aqueles que apreciam seriamente esse nível de arte sabem que a Hästens –como a Hermès– não comercializa produção em massa, portanto, compreensivelmente, não liberam os preços em massa. Eles são comercializados em qualidade –intransigente e pura– e você paga pelo que recebe (pergunte a David Geffen, Cristiano Ronaldo, Maria Sharapova, Will Ferrell ou o compositor vencedor de Oscar Ludwig Göransson, que supostamente dormem em colchões Hästens –embora o empresa não comente oficialmente sobre sua clientela).

“Ninguém entra em uma de nossas lojas querendo gastar US$ 30 mil, US$ 45 mil, US$ 195 mil ou US$ 390 mil em uma cama”, explica Adolfsson, fundador do The Sleep Spa da Hästens, que administra os três estabelecimentos em Los Angeles e outro em Nova York com o parceiro sueco Carl Larsson. “Todo mundo anda muito cético, esperando não se apaixonar por nossos colchões”, continua ele. 

Mas o fato de o telefone celular de Adolfsson estar tocando constantemente com pedidos durante esse período de inatividade econômica extremo me deixa desconcertado. O que há de tão especial nessas camas? Para obter respostas, recorro ao especialista do sono Michael Breus, um treinador de sono de alto desempenho para políticos, atletas e CEOs. Ele ajuda os clientes a reduzirem a produtividade de 3% a 5% na hora de dormir, fazendo com que descansem melhor. O fato surpreendente é a revelação de que essas camas são uma das ferramentas cruciais que ele usa para ajudar as pessoas. “Lido com a elite da elite”, ele aponta. “Pessoas que querem ir do bronze ao ouro na Olimpíada e precisam dormir para chegar lá porque isso é uma arma secreta e CEOs que já atuam com sucesso, mas desejam tomar decisões mais rápidas, ser mais produtivos e ficar mais relaxados –o que se traduz em ganhos de vários milhões de dólares.”

Continuo a bancar o advogado do diabo e pergunto como ele responde às pessoas (como eu) que ainda contestam, incrédulas, como alguém gastaria tanto em uma cama. Ele fala sério: “Quanto vale o sono para você? Meus clientes realmente me dizem que o sono vale milhões e milhões de dólares porque, se eles conseguem dormir com alta qualidade, podem transformar isso em muito dinheiro.” Ele leva para casa o conceito de que é um investimento e pede a seus clientes que concedam 30 dias. “Várias pessoas voltaram e me disseram que é um dos investimentos mais importantes de suas vidas”, diz ele, observando ainda a correlação direta entre sono, saúde mental e saúde física. “Eu argumentaria que, quando você compra um desses colchões, está comprando uma parte da assistência médica –na verdade, é uma iniciativa de saúde para você”.

Quero ouvir mais sobre essa cama icônica, então volto-me para o designer de interiores canadense Ferris Rafauli, que adquiriu camas Hästens para seus projetos residenciais de vários milhões de dólares por muitos anos antes que surgissem conversas sobre uma colaboração com a marca. “A colaboração nasceu porque eu sempre achei que as camas eram bonitas em termos de qualidade e legado por trás delas, mas não fui capaz de exibi-las em meus interiores sofisticados. Sou especialista em design de móveis e pensei: o que poderia ser melhor do que ter o melhor colchão do mundo e uma obra de arte ao mesmo tempo. Você não está apenas comprando uma cama com o melhor desempenho, ela torna o ponto focal do cômodo em que está”, ele explica de um ponto de vista artístico. “Você está basicamente comprando móveis, arte e o melhor sono do mundo, tudo em um.” Concordo que está na hora de uma cama desse calibre receber os holofotes.

Da mesma forma que a Vividus original, Rafauli passou dois anos projetando a Grand Vividus e expõe com tanto entusiasmo a conexão artesanal do projeto que me lembra o quão preciosos e raros os produtos artesanais são hoje em dia. “Quando fui à fábrica, havia um artesão que trabalhava no tecido de um dos meus colchões”, diz Rafauli. “Ele tinha uma lupa no olho e estava testando todos os pontos com uma pinça para garantir que tudo estivesse quadrado e alinhado –e ele estava realmente retirando quaisquer fibras minúsculas que não pertencessem ao conjunto”, exclama com espanto. “Esse nível de trabalho manual é algo que simplesmente não existe mais, e é esse compromisso com a qualidade e a atenção aos detalhes que me deixa orgulhoso. É sobre a profundidade da paixão por trás disso, tanto do meu lado como do deles”, diz Rafauli. O fato de nunca se tornar um produto comercial aumenta ainda mais o apelo.

ReproduçãoForbes
ReproduçãoForbes

A conexão artesanal do projeto que me lembra o quão preciosos e raros os produtos artesanais são hoje em dia

Uma coisa que aprendi rapidamente conversando com vários proprietários é que possuir uma Hästens pode parecer fazer parte de um clube secreto para quem sofre de dores nas costas. Falei com uma amiga que admitiu que ela e o marido se admiraram porque nada funcionou para aliviar seus problemas crônicos nas costas –e após a cama, sua dor desapareceu após um mês. Breus compartilhou uma experiência semelhante: “Eu tinha dores nas costas antes de dormir nesta cama e não tenho nenhuma agora. Sou médico e fiquei chocado”, ele ri. “Você precisa entender. As pessoas constantemente tentam me fazer endossar as coisas. Sendo quem eu sou, você pode imaginar quantas camas eu recebo pelo correio –as coisas que aparecem na minha caixa postal são uma loucura! Eu era um cético imenso, mas tenho de dizer: 30 dias depois que a recebi, minhas costas pararam de doer. Isso foi impressionante para mim.”  

Breus possuía sua própria linha de colchões e, portanto, conhece os negócios. “Eu tenho de ser científico sobre a maneira como vejo as coisas. A Hästens é fascinante: eles fazem o oposto completo do que qualquer outra empresa de colchões faz. Estávamos sempre preocupados com essas coisas chamadas ‘impressões corporais’. Se você está deitado em uma cama com memória ou em uma cama de molas tradicional e se afunda em um determinado local, todo consumidor diz: ‘Isso é ruim”. Então, as empresas de colchões tentam fazer com que seus produtos pareçam planos toda vez que você deita nele –e eles usam muitos truques e tecnologias diferentes para fazer isso. Na verdade, a Hästens faz algo muito diferente –eles criam um ambiente de apoio no qual você se aninha, criando um espaço perfeitamente adequado para você.” 

Para comparação, ele cita um exemplo de um ambiente de sono abaixo do ideal: “Quando você dorme em espuma de memória, é uma cama diferente toda vez que você se deita, porque precisa se ajustar, mover e mudar a noite toda. O que uma empresa [bem conhecida, de capital aberto] lhe dirá sobre seus materiais de marketing é: “Bem, dessa forma, temos um suporte fantástico e podemos continuar a fornecê-lo durante todo o período de sono”. Mas aqui está o que eles não estão levando em consideração –e é aí que a ciência entra: seu corpo não precisa de suporte. O suporte, por sua própria definição, é estático. Se um colchão estiver realmente apoiando seu corpo, o forçará ao que eu chamo de ‘postura do sono’”, diz ele, explicando o termo que ele cunhou pessoalmente. “Quando você se mantém ereto e sua postura é ótima durante o dia, você se sente enérgico e pronto. Se você está caído, não respira bem. Da mesma forma, eu argumentaria que o mesmo vale para o sono –mas enquanto você dorme, ninguém está dizendo para você se endireitar! É realmente importante que sua cama o apoiee existe uma maneira muito particular para isso. A mágica é que a cama Hästens faz isso por você. Com o tempo, sua posição acaba naturalmente mudando para uma posição mais neutra.”

VEJA MAIS: Bentley apresenta virtualmente o conversível Bacalar

O serviço mais descolado que as lojas de Adolfsson oferecem é surpreendentemente gratuito. A pedido do cliente, ele envia uma equipe de especialistas até três vezes por ano durante 30 (sim, trinta!) anos para virar e massagear sua cama sem nenhum custo. A equipe está disponível para ajustar a firmeza –seja abrindo-o massageando o pelo do cavalo, para que fique menos denso (permitindo que você durma mais perto das fontes para obter mais apoio) ou comprimindo o material para uma sensação mais densa. Assim, se você ganhar ou perder um pouco de peso ou o suporte não for exatamente do seu agrado, eles poderão ajustá-lo. Para os amantes de bolsas, podemos dizer que esse colchão é uma Birkin, mas para aqueles que não compreendem a analogia, talvez a carne wagyu possa representar bem. 

Falo com Breus uma última vez sobre as camas, porque percebo –depois de conversar com Adolfsson sobre famílias suecas que passam as camas de uma geração para a próxima e a popularidade comprá-las como presentes de casamento– que nossa percepção dos preços de colchões é muito cultural. Os americanos ricos podem facilmente racionalizar o gasto de US$ 10.000 em uma bolsa ou US$ 100 mil em um carro, mas têm problemas em investir em um local onde passam mais de um terço de nossas vidas. “As pessoas criam sistemas para dormir de luxo e de alta qualidade há mais de cem anos, mas nos Estados Unidos nunca vimos isso para ter uma apreciação maior”, confirma Breus. “Certamente aprecio pessoas ricas que não conseguem imaginar gastar mais de US$ 5.000 em um colchão –mas então por que você tem um Lamborghini estacionado em sua garagem? Aqui está o desafio que eu apresentaria para eles: você nunca dormiu em uma cama de US$ 10.000 ou US$ 15.000? De uma chance.”

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).