Como a Williams pretende levar baterias elétricas de carros de corrida para veículos de passeio

ReproduçãoForbes
A EMK Capital está fornecendo o investimento para a Williams Advanced Engineering expandir

Por trás de toda companhia, há uma empresa especializada que inventa tecnologia de ponta. Uma dessas organizações é a Williams Advanced Engineering, a WAE. Sediado no Reino Unido, o grupo de especialistas nasceu da lendária equipe de Fórmula 1 Williams, um nome clássico do esporte a motor desde os anos 1960. A divisão de engenharia foi fundada inicialmente para construir o Jaguar C-X75, antes de o projeto ser encerrado –embora a equipe tenha criado o modelo para ser carro de acrobacia para aparecer no filme “007 Contra Spectre”, da franquia de James Bond.

A especialidade principal da WAE é fabricar baterias de íon-lítio de alto desempenho, abastecendo a série de corridas elétricas de Fórmula E em suas primeiras quatro temporadas, além de oferecer baterias para carros de turismo elétricos e Extreme-E. A empresa é a parceira técnica do hipercarro elétrico Lotus Evija, de US$ 2 milhões, do Singer DLS e da bicicleta vencedora de medalhas de ouro do Rio 2016 para a paraolímpica Karen Darke.

LEIA MAIS: Toyota Supra 2020 tem ar de desenho animado das manhãs de sábado

O centro WAE em Oxfordshire é um local dinâmico, composto por cerca de 350 especialistas em engenharia, design, aerodinâmica, materiais leves e baterias elétricas. A empresa também aplica seus conhecimentos de engenharia a outros setores, produzindo recentemente frigoríficos energeticamente eficientes para a gigante do varejo Sainsbury, usando asas de carro de F-1 para canalizar o ar frio de volta à unidade. Em outros lugares, a equipe trabalhou no Babypod, uma célula de proteção leve para o transporte de bebês prematuros.

Agora, a EMK Capital está fornecendo o investimento para a WAE expandir e abrir a Hyperbat –uma empresa de joint venture com a Unipart— que fornecerá baterias de alto desempenho para a indústria automotiva em geral. Para entender mais, conversei com o diretor executivo da empresa, Craig Wilson.

FORBES: Um de seus projetos iniciais era ser parceiro técnico da Jaguar no hipercarro C-X75. O que você aprendeu ao trabalhar no projeto?

Craig Wilson: Muita coisa. A Jaguar estabeleceu um conjunto único de metas para seu novo hipercarro: ele precisava atingir o desempenho de um Bugatti Veyron, as emissões de um Toyota Prius e a gama elétrica pura de um Chevrolet Volt. Tivemos que ultrapassar as fronteiras da aerodinâmica, fabricação de compostos de carbono e tecnologias híbridas de trem de força –habilidades que transferimos diretamente da pista. O C-X75 apresentava uma nova estrutura de carbono leve, combinada com aerodinâmica ativa, com potência proveniente de um motor de quatro cilindros turboalimentado e sobrealimentado, combinado com um avançado RESS e dois motores elétricos.

O resultado foi um carro que podia emitir menos de 99 g/km de CO2, atingir uma velocidade máxima superior a 200 km/h, chegar a 60 km/h em menos de três segundos –e tudo com um alcance de condução elétrico puro de 50 km. E levamos o carro da folha de papel em branco para o protótipo totalmente desenvolvido em apenas 18 meses.

F: A tecnologia e a legislação evoluíram muito desde o projeto C-X75. Quais são os desafios em trazer a tecnologia elétrica a bateria para o mercado automotivo?

CW: Há uma demanda enorme da indústria automotiva por tecnologia de bateria. Para nós, isso é proveniente principalmente das marcas de carros de alto desempenho –provavelmente devido à nossa experiência em corridas, que pede extremos de potência e excelente densidade de energia. Os principais desafios, no entanto, são comuns a todos os tipos de veículos: como melhorar a energia que uma bateria pode produzir e aceitar, enquanto maximiza a energia que pode armazenar.

F: Qual você diria que é o seu ponto de vantagem?

CW: Desde o nosso papel fundamental no fornecimento de baterias para toda a grade da série de corridas elétricas de Fórmula E da FIA nos primeiros quatro anos, e agora atuando como parceiro técnico chave da Jaguar em seu programa de corridas de Fórmula E, desenvolvemos conhecimento de liderança no setor e capacidade no projeto, fabricação e gerenciamento de sistemas de bateria de alto desempenho. Damos grande ênfase ao fornecimento de um “cérebro” muito capaz à bateria, que permite extrair o máximo desempenho das células dela, garantindo a segurança total. Pegamos todo esse conhecimento e o aplicamos em carros de passeio para melhorar o desempenho, a longevidade e a segurança da bateria.

Nosso Williams Adaptive Multi-Chem é um novo sistema que integra diferentes tecnologias de células de bateria em uma única peça. Dessa forma, será possível ter o melhor dos dois mundos, com uma bateria que pode fornecer excelente alcance e desempenho ultra-alto.

F: Sua experiência vai além do desenvolvimento de baterias –conhecimento adquirido com o esporte a motor que a maioria das montadoras não possui. Isso fornece uma grande vantagem?

CW: Sim. Graças ao nosso conhecimento de materiais leves, desenvolvemos nossa própria plataforma de veículo elétrico que utiliza compósitos para reduzir o peso do carro. Essa plataforma demonstra excelência na integração de veículos, com foco na redução de massa e volume para aumentar a eficiência e o desempenho.

F: Você tem algum exemplo?

CW: Sim, as estruturas de colisão na frente do canal da plataforma de ar através dos trilhos estruturais do chassi (que também fazem parte integrante da caixa da bateria) e subsequentemente através do difusor na parte traseira do veículo. O sistema utiliza eficientemente o fluxo de ar para o resfriamento da bateria e a geração de força descendente, eliminando a necessidade de radiadores adicionais para o resfriamento da bateria.

F: Seu foco e experiência estão principalmente nos carros de passeio de alto desempenho, mas seu trabalho vai além do segmento de veículos. Como isso se traduz?

CW: Nossa abordagem aos requisitos de engenharia e integração, bem como nosso profundo conhecimento da ciência fundamental por trás da engenharia, nos coloca em uma posição única para ser pioneiros na introdução da eletrificação em muitos novos setores, como aeroespacial e mineração –que agora estamos envolvidos.

F: Você também trabalhou em alguns emocionantes carros esportivos recentes, incluindo o Singer DLS.

CW: O DLS é um exemplo de como podemos aplicar nossas habilidades de automobilismo a um carro de passeio. O DLS –ou estudo de dinâmica e leveza– representa a busca de uma máquina fenomenal, projetada para ser o Porsche 911 mais avançado com refrigeração a ar do mundo. Literalmente, todos os componentes e sistemas do carro foram considerados e otimizados para chegar a uma visão definitiva.

F: Você também está envolvido em um dos meus hipercarros elétricos favoritos, o Lotus Evija. Este deve ter sido um projeto desafiador, dada a ambição de ser o hipercarro elétrico mais rápido e mais poderoso do mundo, com uma velocidade máxima superior a 200 km/h e uma produção combinada de 2000ps?

CW: Nosso trabalho no Evija está se mostrando muito empolgante, para o qual desenvolvemos um trem de força totalmente avançado e totalmente elétrico. Possui uma bateria montada no meio, atrás dos dois assentos, e fornece energia diretamente a quatro motores elétricos potentes. É o pacote de energia elétrica mais leve e mais denso já instalado em um carro de passeio. Além disso, o Evija tem um peso-alvo de apenas 1.680 kg, tornando-o o mais leve hipercarro elétrico a entrar em produção em série.

F: Você poderia me dizer mais sobre a Hyperbat, a instalação de fabricação de baterias de alto desempenho que será inaugurada em breve no Reino Unido?

CW: Hyperbat é um projeto com o qual estamos extremamente empolgados, porque tem um enorme potencial. No momento, se você é um fabricante de automóveis ou deseja fabricar um veículo elétrico, é limitado quando se trata de especificar uma bateria. Se você é uma empresa menor, pode ter que se contentar com a bateria que conseguir adquirir de prateleira. O Hyperbat procura mudar isso. Destila nosso conhecimento adquirido em baterias em um centro de excelência para o desenvolvimento e fabricação de tecnologias desses produtos.

F: Isso significa que as baterias serão adaptadas para cada cliente?

CW: Sim, cada bateria desenvolvida será personalizada, adaptada às necessidades individuais do cliente. Essa é uma vantagem. Os outros são a velocidade da resposta. Forneceremos as melhores baterias de alto desempenho com velocidade produzida no automobilismo, mas faremos isso com a disciplina de produção de nível 1.

Nosso site também é altamente flexível, o que nos permite atender às necessidades de execuções de produção muito pequenas e altos volumes em vários setores, incluindo mobilidade marítima, aeroespacial e pessoal. Graças aos outros parceiros deste projeto, também criaremos uma cadeia de suprimentos com o objetivo de tornar o Reino Unido um dos líderes mundiais em fabricação e desenvolvimento de baterias.

F: Quais são os desafios em torno da infraestrutura para o transporte sustentável?

CW: Como empresa de tecnologia e engenharia, não há muito que possamos fazer para melhorar a infraestrutura, por isso, estamos nos concentrando em maneiras de melhorar a tecnologia de baterias para que os proprietários precisem cobrar com menos frequência. Uma coisa é certa: o íon de lítio é a tecnologia de bateria certa para investir no momento. Sim, haverá outros tipos, mas precisamos lembrar até que ponto o motor a gasolina chegou em 100 anos de desenvolvimento. Estamos apenas no início de nossa jornada com íons de lítio –e o setor já dobrou o alcance do carro elétrico médio em menos de uma década.

F: Estamos claramente no meio de tempos muito desafiadores, com a pandemia de coronavírus afetando todas as nossas vidas. Qual é o seu envolvimento com o Ventilator Challenge UK –o coletivo do setor que trabalha para ajudar a fornecer suprimentos médicos tão necessários para hospitais do Serviço Nacional de Saúde em todo o país?

CW: Existem vários projetos sendo executados como parte disso, desde a engenharia reversa dos dispositivos médicos existentes, até o suporte ao dimensionamento da produção dos projetos de ventiladores, ao design rápido e à fabricação de protótipos de um novo dispositivo para certificação e produção subsequente. O objetivo é reunir recursos em design rápido, fabricação de protótipos, testes e montagem qualificada.

Com nossa capacidade de responder rapidamente aos desafios tecnológicos e de engenharia, este consórcio poderá agregar valor à resposta mais ampla do setor de engenharia. O desafio é talvez o melhor exemplo de como as empresas em movimento rápido podem usar o conhecimento produzido em esportes a motor para realmente fazer a diferença.

VEJA TAMBÉM: Conheça o protótipo do supercarro elétrico GXE da Genovation

F: O que mais o empolga ao navegar para o próximo estágio de mobilidade e transporte sustentáveis?

CW: Nós gostamos do ritmo do desenvolvimento. Trabalhamos em uma ampla variedade de setores, do automotivo ao marítimo e aeroespacial –mas os temas comuns giram em torno de peso leve, aerodinâmica e eletrificação. Nosso foco principal é o desenvolvimento de tecnologia nesses campos. Demos enormes saltos em nosso campo de baterias em um tempo relativamente curto; o que me deixa muito empolgado com o que os próximos anos trarão.

Talvez o que também seja empolgante seja o fato de que não é apenas a bateria que pode fazer a diferença. É preciso olhar para todas as partes do pacote. Você pode fazer o carro mais leve? Pode fazê-lo se mover pelo ar de forma mais eficiente? É nisso que somos bons –e aplicando toda a nossa habilidade e conhecimento, daremos saltos ainda maiores.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).