Os 9 melhores destinos e dicas para mulheres viajarem sozinhas

Do Brasil à Índia, a viajante e autora best-seller Marcia DeSanctis indica seus lugares favoritos para uma aventura solo

Laura Begley Bloom
Compartilhe esta publicação:
Marcia DeSanctis
Marcia DeSanctis

Marcia DeSanctis é expert e tem livros com dicas para mulheres viajarem sozinhas pelo mundo

Acessibilidade


“Às vezes, a melhor maneira de experimentar completamente um lugar é sozinho”, diz a autora best-seller Marcia DeSanctis, cujo novo livro “A Hard Place to Leave: Stories from a Restless Life (Travelers’ Tales)” [“Um lugar difícil de deixar: histórias de uma vida agitada (contos de viagem)”, em tradução livre] celebra as alegrias de viajar – especialmente viagens solo de mulheres. “Existe um poder restaurador desses períodos passados ​​sozinha, imersa em alguma outra paisagem, perdida em outro idioma, absorvida em uma nova cultura. A solidão me leva a uma versão melhor de mim mesma.” 

É exatamente esse sentimento que está alimentando o crescimento das viagens solo para as mulheres. De acordo com especialistas, nos últimos três anos houve um aumento de 230% nas empresas de viagens dedicadas exclusivamente a mulheres e uma alta de 62% no volume do termo de pesquisa “viagem solo feminina”.

Leia mais: Os 15 bairros mais legais do planeta

O livro é uma coleção de ensaios que documenta viagens incríveis em 18 países diferentes. Mas DeSanctis ressalta que uma viagem não precisa significar atravessar sete fusos horários: “Um dos ensaios se passa na cidade pós-industrial de Waterbury, Connecticut, a cerca de 24 quilômetros de onde moro. Há maravilhas em todos os lugares, e é muito importante manter os olhos abertos para elas, mesmo perto de casa.”

Inspirador e lindamente escrito, “A Hard Place to Leave” é uma leitura obrigatória para qualquer mulher viajante – e para as mulheres em geral. Isso lhe fará apreciar ainda mais como as viagens a transformam e a inspiram a viajar. “Nenhuma viagem é apenas uma viagem – é uma maneira de se desapegar do que é familiar (e às vezes, o que é difícil) e encontrar clareza e significado”, diz DeSanctis.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O livro também mostra como viajar pode ajudá-la a se tornar a melhor versão de si mesma. “As mulheres tendem a gastar seu tempo cuidando de outras pessoas, construindo um lar, sendo filha, amiga ou namorada, estando incrivelmente presentes em todos os aspectos de nossas vidas e na vida das pessoas que amamos”, diz a autora. “Viajar sozinha é um gesto muito proativo que declara: estou cuidando de mim agora. Muitas vezes, somos tão necessárias e nosso tempo é tão requisitado, que acho libertador estar em um lugar onde ninguém precisa de mim – e eu, por vezes, preciso apenas de mim.”

DeSanctis, que também é autora do best-seller do The New York Times “100 Places in France Every Woman Should Go” (“100 lugares na França que toda mulher deveria ir”, sem edição em português), trabalhou como produtora de telejornal por duas décadas e começou a escrever sobre viagens relativamente tarde na vida. “A escrita de viagens me encontrou por acidente”, diz ela. “Escrevi um ensaio sobre uma mulher que conheci há 30 anos em Moscou e que me assombrava, e o submeti à antologia Best Women’s Travel Writing. Foi aceito e depois ganhou um prêmio, e de repente eu era uma escritora de viagens.” 

Leia mais: Forbes Travel Guide: os melhores hotéis, restaurantes e spas de alto luxo de 2022

No novo livro de DeSanctis, você aprenderá sobre a mulher que mudou a sua vida, assim como outras pessoas notáveis ​​que conheceu em viagens. “Eu estive ao redor do mundo e vi tanto potencial humano e tanta engenhosidade. Nesse sentido, o mundo é bastante unificado”, diz ela. “Do Senegal a Montana, da Dinamarca ao Peru, testemunhei devoção e trabalho árduo, tudo em nome da sustentabilidade e do futuro da humanidade, especialmente de mulheres e crianças, doentes, marginalizados, vitimizados, os mais pobres dos pobres. Todos devemos nos sentir encorajados por esse compromisso mundial de melhorar nossas vidas, um projeto de cada vez”.

A seguir, DeSanctis revela os melhores destinos e dicas essenciais para viagens femininas sozinhas.

Cingapura

Getty Images

Cingapura está repleta de uma história fascinante e do pó mágico da modernidade brilhante. É muito fácil navegar, com segurança, por seus muitos bairros distintos – Orchard Street, Chinatown, Little India. Ache o melhor arroz de frango da cidade no Maxwell Food Center, acompanhado de suco de melancia fresco. Na cidade que parece ter aperfeiçoado os bares nos rooftops, depois de uma caminhada no extraordinário Mount Faber Park suba o Marina Bay Sands até seu lindo CÉ LA VI e brinde ao cenário deslumbrante dos arranha-céus reluzentes, do Estreito de Cingapura e do Mar da China Meridional.

Rishikesh, Índia

Esta cidade ao norte do Ganges se autodenomina a “capital mundial da ioga” e o rio é ladeado por ashrams e todo tipo de retiro espiritual – incluindo o dos Beatles, que a boy band tornou famoso em 1968. Mas você não precisa ser uma praticante de ioga para mergulhar nesta cidade vibrante e eletrizante. É totalmente caminhável: três pontes atravessam o rio e, a cada passo, a vista muda e se torna de alguma forma mais extraordinária. 

Kiran Ugrajiya, da Shri Sai Handicrafts, faz lindas bolsas com tecidos vintage; o curry de lentilha preta com pão de milheto no Jal Jalebi foi o mais saboroso que já comi e, fora da cidade, encontre conforto e descanso em um desses dois resorts deslumbrantes: Ananda no Himalaia e Taj Rishikesh.

Reykjavik, Islândia

Marcia DeSanctis

Uma razão pela qual é tão fácil explorar a Islândia sozinha é que a ilha é tão pequena que tende a atrair multidões em certos destinos também: a solidão nunca é um problema, a menos que você a procure. Reykjavik é uma cidade tão calma e administrável que, no espaço de uma hora, você pode caminhar do imponente Hallgrimskirkja, passando pelo Porto Velho até o vibrante bairro de Grandagardur. 

Pegue os melhores pãezinhos de canela que você já provou no Brauð & Co. e o incrível cordeiro ou salmão no Tides, o restaurante chique no novo hotel cinco estrelas Edition Reykjavik. O Sky Lagoon, bem na cidade, é o mais recente spa geotérmico. Limpo e minimalista, tem vista para o Atlântico gelado, um lembrete do isolamento da ilha e da sua beleza gritante.

Leia mais: As 22 praias mais bonitas da Europa para aproveitar neste verão

Marfa, Texas

Fica a três horas de carro do aeroporto mais próximo em El Paso, mas passa rapidamente pelo deserto. Conhecida pelas instalações de arte concreta de Donald Judd na The Chinati Foundation, fundada pelo famoso escultor, Marfa não é apenas um destino de arte. Há comida, natureza, compras incríveis e aqueles céus que limpam a mente. O Sentinel é perfeito para o café da manhã e compre tudo o que você precisa no The Get Go, de pasta de dente a nozes torradas localmente. Encontre a mais saborosa pizza a lenha e sanduíches no Para Llevar. A caminhada nas montanhas Davis ou em Hancock Hill em Alpine é perfeita para se refrescar no final da tarde (certifique-se de dizer ao guarda florestal que você está indo sozinha – eles realmente agradecerão).

Cracóvia, Polônia

Getty Images

Você já teve aquele sonho de acordar em algum lugar da Europa, em meio a torres medievais e sinos de igreja? Na verdade, pode ser Cracóvia, a cidade de paralelepípedos essencialmente elegante no leste da Polônia. Você pode caminhar para sempre, atravessando o rio Vístula, sempre usando as torres gêmeas da Basílica Mariacki como sua referência para a cidade velha e o Rynek Główny, com um saboroso chocolate quente grosso no Café Noworolski. 

Em Kasimierz, o antigo bairro judeu que foi o local da tragédia humana indescritível durante o Holocausto, experimente o incrível – e incrivelmente barato – restaurante israelense Hamsa. Dois lindos hotéis na cidade, H15 Palace e The Bonerowski Palace, valem a pena, e ambos têm restaurantes e bares extremamente chiques.

Ouro Preto, Brasil

Getty Images

A cerca de duas horas do aeroporto internacional de Belo Horizonte, esta joia imaculada de cidade é incrivelmente bela de todos os ângulos. Localizadas nas colinas do estado de Minas Gerais, suas catedrais perfeitamente preservadas brilham com adornos de 24 quilates e carregam a conturbada história da corrida do ouro no Brasil e o passado colonial. 

A cadência ascendente e descendente das ruas montanhosas torna esta cidade revigorante para explorar. Ela continua sendo um centro mundial do comércio de pedras preciosas, e você pode comprar topázios ou turmalinas imperiais extraídos localmente no mercado central ou em Ita Gemas, uma joalheria familiar. O Solar da Rosário, um hotel bem no centro da cidade, tem janelas que se abrem para vistas infinitas e um café da manhã que inclui cerca de 12 tipos diferentes de bolo.

Leia mais: Os 10 lugares mais lindos do mundo, segundo a ciência

Cassis, França

Nove anos atrás, eu estava escrevendo um livro sobre a França e viajei por todo o país, sozinha. Era estranho fazer uma viagem solo no país mais associado ao romance, mas também, de certa forma, perfeito. Um dos meus lugares favoritos para refrescar meus calcanhares é a dolorosamente bela vila mediterrânea de Cassis, situada em torno de um aglomerado de enseadas de água turquesa e dominada pela poderosa vista de Cap Canaille. 

O mercado provençal que acontece duas vezes por semana na Place Baragnon cheira a figos e frutas maduras e é uma mistura colorida de cortes de presunto espanhol, cerâmica local e toalhas de “foutas” listradas. Faça um passeio de barco pelas calanques calcárias e termine o dia com um copo de rosé da casa no terraço do Hôtel Les Rôches Blanches. A luz, o ar salgado…é realmente um sonho.

Ruanda

Ruanda foi recentemente nomeado o sexto país mais seguro do mundo para viajantes solos e o país mais seguro da África. Há história, vida selvagem e uma atmosfera descontraída e acolhedora que é quase palpável, desde o mercado de Kimironko, na capital de Kigali, até o bar luxuriante e glamoroso do Bisate Lodge, perto do Parque Nacional dos Vulcões. 

Quando você visitar os famosos gorilas da montanha, os guardas florestais a colocarão em um pequeno grupo com um guia (que também terá o prazer de tirar sua foto com os primatas ao fundo). Ruanda também tem a maior porcentagem de mulheres no governo do mundo, e você pode se pegar conversando com uma delas no restaurante Fusion ao ar livre, no The Retreat em Kigali – o hotel e restaurante de Josh e Alissa Ruxin, com o cardápio mais inovador e delicioso da cidade.

Dublin, Irlanda

Getty Images

Esta é a cidade mais fácil e amigável, e é carregada de atmosfera: arquitetura grandiosa, ruas de pedestres cheias de (bons) músicos e dezenas de museus e pontos históricos que deveriam estar na lista de desejos de todos: Trinity College Library, o Museu de Literatura, o Livro de Kells. Há um sentimento muito particular em Dublin, como uma mulher viajando sozinha, e pode ser melhor descrito como uma combinação de glamour, poesia e alegria. 

Se você já pensou em tomar chá da tarde, o Lord Mayor’s Lounge no Shelbourne Hotel é incomparável – mordisque o bolo Victoria com glacê de framboesa e olhe para o St. Stephen’s Green. Na vizinha Grafton St, compre tudo de fabricação irlandesa (cosméticos, roupas de cama, suéteres) na Avoca, o único lugar em Dublin que seria uma pena ignorar.

Leia mais: Inscreva-se para a seleção da lista Under 30 2022

DICAS IMPORTANTES

  • Seja esperta na hora de fazer a mala: “Gosto de reduzir ao básico, e isso não significa apenas escolher três camisetas das 20 que possuo para levar em uma viagem, mas também significa reduzir a vida para mim”, diz DeSanctis. “Às vezes, fico realmente impressionada com o quão autossuficiente posso ser – costumo esquecer. Eu gosto de vagar invisível por um lugar desconhecido e me apeguei à independência e autoconfiança que esse anonimato traz.”
  • Melhor abordagem: “Aprendi a me adaptar como viajante. Na verdade, estou muito mais calma quando viajo, e tenho ficado ainda mais ultimamente. Viajar de avião é um negócio animalesco hoje em dia, na maioria das vezes. Os assentos, quando você finalmente chega até eles depois de horas de segurança, são tão pequenos, a comida tão insignificante, os banheiros tão terríveis”, diz DeSanctis. “E, no entanto, eu faço minhas coisas e levo isso no tranco. Tenho meus óleos essenciais, meu cobertor, meu livro e meu protetor labial, e fecho os olhos e imagino como minha cama de hotel vai ficar boa e o gosto do café. Pode ser horrível, mas você sempre aterrissa.”
  • Como pedir direções: “Nós tendemos a pensar que é assustador estar sozinha. Eu discordo – quando estou sozinha, eu realmente tenho meu juízo sobre mim”, diz DeSanctis. “E quando estou perdida, peço orientação a uma mulher.”
  • Onde ficar: “Prefiro hotéis, em vez de residências particulares – gosto de dizer ‘Boa noite’ para a pessoa atrás do balcão”, diz DeSanctis.
  • Dica de viagem: “Sempre faça anotações quando viajar”, ​​diz DeSanctis. “Guarde guardanapos de restaurantes, observe com o canto do olho e anote, colha uma flor e coloque no seu diário. Algumas das minhas histórias vieram diretamente das páginas do meu diário. Você nunca sabe quando você também pode escrever um livro sobre suas viagens e como elas te mudaram.”
Compartilhe esta publicação: