Único hotel 5 estrelas das ilhas Cayman é reaberto após grande reforma

Com 58 hectares, o The Ritz-Carlton, Grand Cayman é uma das propriedades mais importantes do grupo hoteleiro

Jennifer Kester
Compartilhe esta publicação:
Divulgação

Visão geral do The Ritz-Carlton, Grand Cayman, nas Ilhas Cayman

Acessibilidade


Enquanto as Ilhas Cayman fecharam para turistas internacionais durante grande parte da pandemia, o The Ritz-Carlton, Grand Cayman aproveitou a oportunidade para passar esses dois anos reformando seus extensos 58 hectares.

Isso marca uma renovação significativa para o resort e a marca – o único hotel vencedor de 5 estrelas nas Ilhas Cayman no Forbes Travel Guide e uma das propriedades de destaque no portfólio do The Ritz-Carlton.

Leia mais: Forbes Travel Guide: os melhores hotéis, restaurantes e spas de alto luxo de 2022

“Nos últimos 17 anos desde que foi inaugurado, ele se tornou um dos icônicos Ritz-Carltons”, diz Chris Gabaldon, vice-presidente sênior de marcas de luxo da matriz Marriott International, sobre o resort Grand Cayman. “Dos 112 belos hotéis, há alguns que se destacam.” O executivo conta que esse está entre os Ritz-Carltons de elite, junto aos de Nápoles, Laguna Niguel e Tóquio. “É maravilhoso ver a evolução.”

Projetado por Champalimaud, com sede em Nova York (que fez os interiores de grandes hotéis como Raffles Hotel Singapore e The Pierre, A Taj Hotel, New York), o novo visual do Ritz-Carlton, Grand Cayman se inspira na paisagem tropical e na rica herança da ilha. Os hóspedes geralmente se encantam pelas águas cristalinas de Seven Mile Beach durante o dia, mas, quando o sol se põe, o renovado Silver Palm Lounge se torna o grande ponto de encontro.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.
Divulgação
Divulgação

Lounge Silver Palm

O salão do lobby está saturado de um verde claro brilhante, mesma cor que está na parte inferior da palmeira de prata. Exclusiva das Ilhas Cayman, essa é a árvore nacional e foi a espinha dorsal da economia do país até a década de 1960. No centro do salão, acima dos assentos circulares brancos, um conjunto de luminárias redondas lembra os padrões de palha das cestas tecidas localmente.

O verde all-over não apenas torna o Silver Palm eminentemente instagramável, mas dá vitalidade ao espaço e ao arejado lounge branco adjacente. Somando-se à sua atmosfera de convivência, o Silver Palm mantém uma coleção de rum raros (experimente o Seven Fathoms, que é envelhecido de dois a quatro anos em barris de bourbon de carvalho branco ancorados a 13 metros debaixo d’água) escondido em um armário de madeira feito sob medida. O lounge combina rum com chocolate feito de cacau regional, distribui charutos caribenhos enrolados à mão e serve um convidativo chá da tarde (incluindo uma versão especial para crianças).

O padrão de palha prateada pode ser encontrado em todo o hotel Grand Cayman. Folhas de palha de tons marinhos cobrem os tapetes cinzas do corredor que levam às portas azul-escuras dos quartos. Dentro do saguão da acomodação, palmeiras cinzentas sobrepostas cobrem o papel de parede e uma grande cesta de corda espera para segurar suas toalhas e itens de praia molhados – a corda de palha era uma das principais exportações do país.

Divulgação
Divulgação

Os quartos do hotel foram todos reformados

O quarto puxa as cores do céu azul profundo da noite de Grand Cayman e o creme suave de sua areia enquanto mistura o litoral contemporâneo (como o tapete listrado nas cores marinho e marfim) com toques do Caribe britânico de meados do século (a cama de dossel em alguns quartos era considerada um luxo durante o período). O padrão de palmeiras de palha aparece novamente nas telas pretas emoldurando as portas de vidro da sua varanda. Para torná-lo mais acolhedor, a mesa anteriormente no quarto foi substituída por uma mesa de jantar redonda, banqueta e cadeira de tira de couro marrom.

Leia mais: Por dentro do mais novo e paradisíaco resort de ultraluxo do mundo

A decoração neutra recebe um toque de cor da arte vívida de Jan Barwick, retratando ching chings, um termo local para iraúnas das Grandes Antilhas, um pássaro com duas subespécies endêmicas conhecidas por sua música distinta e palhaçadas astutas.

Divulgação
Divulgação

Saguão do hotel

A arte é uma marca registrada do hotel – ele tem a maior e mais antiga galeria da ilha. Ela se une estrategicamente às duas torres do resort para que você possa navegar pelas peças de vários artistas locais enquanto caminha de um lado para o outro. As obras de arte também estão espalhadas por toda a propriedade – nos elevadores, admire as obras abstratas do artista cayman John Reno Jackson. Enquanto você mantém os olhos abertos para a arte, certifique-se de olhar para baixo – o carpete apresenta palmeiras prateadas, orquídeas de banana e outras plantas nativas.

Embora muita coisa tenha mudado no resort de 369 quartos, muitas de suas comodidades premiadas permanecem. O Ritz-Carlton mantém sua posição como destino culinário com seu restaurante Blue by Eric Ripert. O hotel também hospeda o “Genial Chef’s Cayman Cookout Cayman”, um festival anual de comida. A programação de 2023, marcada para 12 a 16 de janeiro, inclui estrelas do mundo da comida e bebida como José Andrés, Antonio Bachour, Daniel Boulud, Jennifer Carroll, Adrienne Cheatham, Tom Colicchio, Dominique Crenn, Kristen Kish, Emeril Lagasse, Aldo Sohm e André Zimmern.

Divulgação
Divulgação

Até o carpete tem um toque local, com as palmeiras

Blue recebe o maior faturamento, mas o restaurante de sushi Taikun do hotel é imperdível e continua a ser o favorito dos frequentadores regulares. Peça um pouco de saquê e omakase para saborear mordidas indulgentes, como vieiras assadas na manteiga de missô, nigiri de wagyu com maionese de wasabi e chip de alho e um nigiri de foie e salmão coberto com tobiko.

Outra atração do The Ritz-Carlton é o Four-Star La Prairie Spa, um santuário futurista onde você pode ser mimado com excelentes tratamentos da famosa marca suíça de cuidados com a pele. Ao sair, você pode dar uma tacada no campo de golfe de nove buracos projetado por Greg Norman ou participar de atividades como caiaque no mangue ou mergulho com snorkel nos recifes através do Ambassadors of the Environment de Jean-Michel Cousteau, um programa imersivo que ensina a ter um maior respeito pela natureza. Ele foi lançado pela primeira vez na propriedade e desde então se expandiu para vários outros Ritz-Carltons.

A nova reforma dá um upgrade a favoritos de longa data para reviver este destino icônico. Marc Langevin, gerente geral do hotel, afirma: “Estamos de volta ao jogo”.

Compartilhe esta publicação: