Por dentro do mais novo e paradisíaco resort de ultraluxo do mundo

Em 250 hectares de terra no México, o One&Only Mandarina tem villas para hóspedes e residências para morar

Peter Lane Taylor
Compartilhe esta publicação:
Divulgação
Divulgação

O resort One&Only Mandarina fica na Riviera Nayarit, no México

Acessibilidade


Kappner Clark não é quem você imaginaria imediatamente quando imaginasse a CMO de uma das principais empresas de desenvolvimento imobiliário de capital aberto do México – ou uma expatriada norte-americana ao sul da fronteira.

Ágil, 32 anos, de fala mansa, com as mãos quase sempre cruzadas à sua frente – como fazem chefes de Estado europeus como Angela Merkel para transmitir equilíbrio e respeito -, seu espanhol já é impecavelmente fluente depois de 10 anos trabalhando no Cabo e na Cidade do México, embora ela tenha sido criada em Denver.

Leia mais: 12 experiências de viagem incríveis para se ter uma vez na vida

Quando você a faz falar sobre a mecânica do mercado imobiliário, ela é calculista e informada de uma forma que desafia sua relativa juventude e esconde sua profunda experiência em uma indústria que é frequentemente dominada por homens mais velhos.

Quando começa a falar sobre One&Only Mandarina, no entanto – que ela está ajudando a desenvolver com a RLH Properties nos últimos cinco anos – seus olhos irradiam um azul mais profundo, a cadência de sua voz aumenta e, de repente, ela está lutando para conter sua personalidade corporativa.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Quando recentemente estive na Riviera Nayarit, no México, ao norte de Puerto Vallarta, com Clark à beira de uma piscina infinita de 137 metros sobre o Oceano Pacífico, com uma dúzia de quilômetros de selva intocada e praias desertas se estreitando ao norte e ao sul, fiquei igualmente incapaz de me conter.

Divulgação
Divulgação

Piscina de borda infinita do resort

Quando comecei a escrever sobre viagens há duas décadas, fui frequentemente criticado pelos editores por dois pecados editoriais: falar demais sobre mim (acabei de fazer isso de novo) e estragar meu texto com superlativos descartáveis.

Eu adoraria dizer que amadureci como escritor desde então. Mesmo agora, quando me faltam as palavras para capturar um lugar na terra que me confunde, me vejo voltando aos mesmos maus hábitos hiperbólicos.

Então, quando Clark estendeu a mão sobre a vista à nossa frente com os dois braços e me encorajou a absorver tudo, eu só tinha uma coisa no meu arsenal narrativo: palavrões.

Leia mais: Por dentro do primeiro resort privado em uma ilha de Dubai

“P*** m*****, Kappner! Este lugar é real?”

Que a paisagem sobre a qual o One&Only Mandarina está exista é um pequeno milagre imobiliário.

Totalizando 257 hectares de montanhas costeiras anteriormente (e ainda quase completamente) subdesenvolvidas, falésias, selva subtropical antiga e terras planas estuarinas ricas em vida selvagem cercadas por dois quilômetros de praia privada do Oceano Pacífico, existem poucas outras paisagens ​​à beira-mar comparáveis entre o Alasca e o Panamá desde a virada do século 20. Para referência, considere que o Club Med médio é de 20 hectares e a maioria dos mega resorts mexicanos em lugares como Cancun ou Cozumel cobrem apenas 10 hectares.

“Mandarina foi descoberta pela primeira vez de helicóptero durante uma viagem de reconhecimento da costa da Riviera Nayarit”, Clark me diz. “As dramáticas montanhas cobertas de selva que demarcam as planícies, o estuário e o longo trecho de praia de areia branca no meio realmente chamaram nossa atenção.”

Divulgação
Divulgação

A primeira viagem de helicóptero da RLH para explorar a linha costeira da Riviera Nayarit anteriormente desconhecida

Que a visão da RLH Properties para a terra que eles descobriram foi finalmente levada para o resort e comunidade residencial que é hoje é um milagre ainda maior.

É também uma prova do que uma empresa de desenvolvimento imobiliário focada pode fazer quando reúne todo o seu talento em busca do que empresas muito menos ágeis nunca teriam a capacidade de ver em primeiro lugar.

É um mito de longa data da hospitalidade que hotéis e resorts de alguma forma surgem do nada da noite para o dia. Qualquer pessoa que esteja no ramo imobiliário comercial há algum tempo, no entanto, dirá que não há nada mais longe da verdade.

Leia mais: As 6 piscinas de hotéis mais luxuosas do mundo

De sua visão original, o One&Only Mandarina levou uma década para ser concretizado – o que é uma grande parte do que impediu qualquer outra empresa imobiliária de aceitar o desafio anteriormente. Apesar da localização privilegiada do Mandarina a uma hora ao norte de Puerto Vallarta e a poucas horas de voo de San Francisco, Los Angeles, Dallas e Houston, a RLH foi a primeira empresa a ver como resolver o problema fundamental que eventualmente tornaria o Mandarina possível no primeiro lugar: juntar tudo.

Divulgação
Divulgação

As vilas e casas na árvore do One&Only Mandarina são todas descentralizadas e ultra-privadas

“Os 257 hectares do que hoje é o Mandarina pertenciam originalmente a 58 famílias locais diferentes que receberam a terra como proprietários gerações atrás”, lembra Clark sobre os primeiros dias do empreendimento. “Tivemos que comprar cada uma dessas famílias originais uma a uma, às vezes tendo que rastrear seus descendentes que estavam morando em outros países para conseguir que cada um deles vendesse. Foram quase dois anos de negociação e paciência de todos os lados antes de sermos capazes de consolidar todos os pacotes em uma área contígua. Os últimos resquícios foram a parte mais difícil, porque não poderíamos ter tornado nossa visão possível sem todas as peças no lugar.”

Do ponto de vista de desenvolvimento e construção, o Mandarina também foi algo maior do que a RLH já havia feito antes, concebido como sendo totalmente de ponta a ponta desde o início. Essa abordagem, diz Clark, foi contrária ao modelo de compra e atualização anteriormente bem-sucedido da empresa com seus outros hotéis e resorts de luxo existentes na Cidade do México, na Riviera Maya e na Espanha. Também significava adotar uma abordagem completamente nova para gerenciamento de tempo, construção e custos – tudo isso assumindo um nível de risco novo.

Divulgação
Divulgação

Cada uma das vilas e casas na árvore particulares do One&Only Mandarina exigia sua própria equipe de construção

Mas depois daquele primeiro passeio de helicóptero, todos na RLH sabiam que haviam descoberto ouro imobiliário em Mandarina.

“A construção do One&Only Mandarina levou cerca de dois anos em um ritmo ininterrupto depois que consolidamos todos os terrenos juntos”, lembra Francis Muuls, COO da RLH Properties. “No auge de tudo, havia mais de 4.000 trabalhadores no local. Devido ao design de baixa densidade e ao tamanho da propriedade, cada uma das 105 vilas e casas de árvore do One&Only Hotel, bem como os edifícios de amenidades, tinham essencialmente sua própria equipe de construção individual.”

Como o RLH também começou a partir de 257 hectares de terra virgem no meio do nada, o desenvolvimento do resort exigiu um equilíbrio cuidadoso entre a instalação imperceptível de infraestrutura crítica, como energia e água, e a abertura de estradas sutis e sinuosas através da floresta sem deslocar a vida selvagem, transformar a paisagem ou remover as velhas figueiras brancas e papelillos que estavam aqui antes da chegada dos conquistadores espanhóis.

Divulgação
Divulgação

O resort é todo integrado com a natureza

Não é nenhum segredo que muitos resorts no México, particularmente em lugares como Cancun e Acapulco das décadas de 1980 e 1990, são mais touro do que borboleta, pisoteando a terra em vez de pousar suavemente sobre ela. A filosofia de design essencial do Mandarina, em contraste, sempre teve a intenção de adotar uma abordagem mais lepidoptera, emprestando dicas da natureza como topografia, luz, orientação e vista para que seu ambiente construído se misturasse com o natural e o respeitasse em vez de remodelá-lo.

“Assim como em todos os projetos no Mandarina, desde o primeiro dia nós extraímos muita inspiração em nossa abordagem de desenvolvimento do próprio terreno”, lembra Clark da visão original da RLH para o projeto da propriedade. “Um dos nossos maiores objetivos era causar o menor impacto possível neste local incrível, com a intenção de que futuros hóspedes e moradores pudessem desfrutar do Mandarina em sua forma mais crua e verdadeira e preservar essa robustez inata da natureza, oferecendo também uma experiência ultraluxuosa de 5 estrelas.”

Para fazer isso, a RLH Properties recrutou um diretor de desenvolvimento que anteriormente era diretor de construção urbana de uma das maiores empresas de empreiteiras gerais do México, que entregou alguns dos edifícios mais famosos e desafiadores do país, como o Centro Internacional de Convenções de Los Cabos – onde foi realizada a Cúpula do G20 em 2012 -, o Aeroporto Internacional de Acapulco e o Estádio de Toluca, que duas vezes sediou a Copa do Mundo.

Divulgação
Divulgação

Restaurante Alma

“A beleza e o potencial deste lugar exigiam algo ousado e único, mas, igualmente importante, pessoas que compartilhavam nossa visão e sabiam o que estava em jogo para acertar e abrir a tempo, especialmente quando a pandemia chegou”, diz Borja Escalada, CEO da RLH Properties. “A construção foi interrompida durante a quarentena, quando o governo mexicano proibiu trabalhos não essenciais. Depois, havia diretrizes rígidas que tínhamos que seguir. Acabou atrasando a abertura do hotel por alguns meses, mas conseguimos abrir no mesmo ano planejado originalmente graças à equipe que construímos.”

Agora, anos após seu momento de gênese original em um helicóptero, o One&Only Mandarina é ao mesmo tempo impecável e luxuoso 5 estrelas, mas de alguma forma sutil e respeitosamente enraizado na paisagem e nas tradições locais Huichol e Cora da maneira que a RLH Properties sempre pretendia.

Divulgação
Divulgação

Cada parte do One&Only Mandarina foi projetada para se adequar ao ambiente natural

Esta não é uma conquista pequena quando se trata de projetos da escala, tamanho, escopo e custo do Mandarina – e cujos gargalos inesperados e eventos imprevistos como pandemias geralmente forçam os desenvolvedores a mudar suas visões originais para tentar recuperar o atraso ou economizar dinheiro, e quase sempre resultam em arrependimentos para futuros proprietários e hóspedes.

“Honrar a terra e sua rica história com as tribos Cora e Huichol foi desde o primeiro dia uma parte fundamental da ideia do Mandarina da qual nunca nos desviaríamos”, continua Escalada, CEO da RLH. “Queríamos que nossos hóspedes e moradores de casas particulares sentissem uma conexão profunda com este lugar. Foi incrivelmente gratificante ver hoje o quanto nossos hóspedes e moradores realmente valorizam essa herança e respeitam, mesmo que não entendam o que foi necessário para que isso acontecesse.”

Leia mais: Por dentro do primeiro cruzeiro de luxo do Ritz-Carlton, o Evrima

A maioria dos construtores também adoraria dizer que não existem momentos acidentais na grande arquitetura – apenas erros. No entanto, no coração do design do Mandarina desde o início estava a premissa essencial de que nada seria perdido. Cada detalhe e toque seriam intuitivos, propositais, contextuais, respeitosos, suaves e leves – uma lição que todas as outras marcas de hotéis de luxo deveriam levar a sério, especialmente ao projetar em habitats e locais sensíveis ao redor do mundo, respeitando a necessidade de honrar a cultura local e tradições nascidas de cowboys ou Coras.

Divulgação
Divulgação

Interior do One&Only Mandarina

“Tudo no Mandarina é intencional por um motivo”, diz Clark, gentilmente amassando os dedos como se estivesse segurando uma pequena e frágil concha, delicadamente o suficiente para mostrá-la, mas não o suficiente para quebrá-la. “Desde as maiores visões até cada detalhe minucioso.”

Fora dessa filosofia, os momentos mais memoráveis ​​do Mandarina não são surpreendentemente selecionados a partir de pontos de contato que são ao mesmo tempo sutis e significativos, de modo que muitas vezes você não sabe que eles estão acontecendo, mas nunca irá esquecê-los quando o fazem.

A barreira do Jetty Beach Club, por exemplo, é formada por uma rocha vulcânica escavada no local durante a construção para imitar o topo do antigo vulcão que ainda existe debaixo d’água – mas você nunca o veria a menos que alguém lhe dissesse. Todas as noites, algo novo de um artesão local que reflete um princípio cultural consciente de Huichol surge como parte do serviço de abertura de cama – com uma descrição detalhada do que é para que você saiba por que é importante.

Divulgação
Divulgação

Barreira do Jetty Beach Club

E nos mais de 250 hectares de Mandarina, os petróglifos indígenas descobertos durante o desenvolvimento foram preservados exatamente onde foram encontrados ao longo das trilhas – então é possível saber quem estava aqui antes de você e no que eles acreditavam.

É também por essa filosofia de intenção e respeito que todos no Mandarina colocam a mão direita sobre o coração ao cumprimentar você, que foi a primeira coisa que me chamou atenção quando cheguei.

Dependendo do seu nível individual de cinismo, seria fácil supor que a saudação nasceu de algum mago de marketing recém-formado que nunca esteve aqui antes. Mas, como se vê, é um dos mais puros e evocativos “momentos” do Mandarina, falando com o sentido fundamental de serviço, conexão e lealdade que One&Only e RLH queriam no coração da experiência de todos os hóspedes e proprietários aqui.

“A origem vem de uma antiga e esquecida tradição da tribo Huichol nas montanhas de Jalisco e Nayarit, que acredita que quando você recebe alguém em sua casa, seu coração deve estar limpo e puro”, explica o gerente geral do hotel One&Only Mandarina, Serge Ditesheim, sobre o gesto de ‘entregar o coração’. “A cerimônia de boas-vindas inclui coletar água do rio e trazê-la ao coração para purificá-la. Então foi assim que se tornou uma tradição não apenas originalmente no Mandarina, mas agora também em todos os resorts One&Only: queremos que nossos corações sejam limpos e puros para todos que vierem se hospedar conosco.”

Divulgação

Todo incorporador que consegue arrebatar um pedaço de propriedade à beira-mar no mercado imobiliário atual, principalmente em climas ensolarados como Flórida, México, Pacífico Sul ou Caribe, tem a opção de fazer parceria com quase qualquer nome de luxo no ramo de hospitalidade para lançar um novo hotel de 4 estrelas ou comunidade residencial de marca. No entanto, quando se trata de se casar com o One&Only, o COO da RLH, Muuls, diz que foi uma das decisões mais rápidas que a empresa tomou para de dar vida ao Mandarina.

Uma grande parte do cálculo, observa Muuls, era simplesmente o cachê global de ultraluxo da marca, tendo sido construído por 20 anos em alguns dos locais mais primitivos, exclusivos e difíceis de desenvolver do mundo, como Maldivas, Ilhas Maurício, África do Sul, Ruanda e Dubai.

Leia mais: Bilionário Richard Branson prepara novo hotel de luxo na Espanha

“No início, exploramos o trabalho com vários operadores de hotéis de luxo diferentes”, explica ele. “Mas eventualmente escolhemos o One&Only por causa de sua reputação de cinco estrelas globalmente, e também sabíamos que ancorar o Mandarina com esse nível de status de ultraluxo colocaria o empreendimento, a Riviera Nayarit e nossas casas particulares no cenário global.”

Muuls também reconhece rapidamente que Mandarina não era um acerto garantido com Sol Kerzner, fundador do One&Only que morreu em 2020, mas continua sendo uma lenda da hospitalidade. Há anos que Kerzner já tinha feito sua escolha da ninhada quando se tratava de definir os melhores lugares do mundo para expandir a marca One&Only. Mas, no final das contas, levou menos de meia hora para fechar o acordo na Mandarina, diz Muuls.

Divulgação
Divulgação

Villas privativas do resort

“Quinze minutos em sua primeira visita aqui, de pé no penhasco onde nosso restaurante Carao agora fica, Sol Kerzner disse calmamente: ‘OK’. Para todos nós do RLH que estávamos lá, houve imediatamente essa preocupação inicial de que seu ‘OK’ deveria ser desdenhoso e ele não desejava mais continuar o tour. O que realmente significava era que depois de apenas 15 minutos, ele já estava convencido de que queria que o One&Only fizesse parte do Mandarina. Mais tarde foi decidido que o One&Only Mandarina se tornaria o primeiro resort da marca com One&Only Private Homes. Estar a apenas duas horas de voo direto dos EUA, mas imerso em uma topografia que faz você se sentir no sudeste da Ásia, juntamente com o calor e a genuinidade do serviço mexicano, foi uma decisão fácil para eles e para nós.”

Quanto à coleção Private Home do One&Only Mandarina, a mesma abordagem de oferta restrita que sustenta a filosofia de resort do One&Only também produziu um dos mais exclusivos e esperados empreendimentos residenciais de marca na América do Norte.

Divulgação
Divulgação

Essa é a primeira comunidade residencial e coleção de casas particulares do One&Only

Cada uma das 55 villas de cinco a oito quartos do One&Only Private Homes foi cirurgicamente planejada e projetada para maximizar a privacidade, a luz natural, a brisa do mar e as linhas de visão aberta, oferecendo aos proprietários a opção de experiências variadas com base em sua localização.

Alguns estão empoleirados ao longo das falésias costeiras, capturando vistas panorâmicas do oceano. Alguns têm vista para o centro equestre e o campo de polo com vista para o leste, pegando o nascer do sol todos os dias. Enquanto outros ainda estão imersos na floresta tropical com vistas que se estendem pelas árvores até o mar.

Como em tudo do Mandarina, essa abordagem de design de respeito pela terra quando se trata do componente residencial do resort também foi intencional, diz Clark. Cada villa é arquitetonicamente única e específica para o local, a fim de se unir à paisagem, em vez de se destacar, com base em um design sensível ao clima e ao ambiente, ao mesmo tempo em que adota uma abordagem humilde de escala e massa para que a natureza de Mandarina sempre seja o centro das atenções.

Divulgação
Divulgação

Coleção Private Home da One&Only Mandarina

“A cada dia, ao acordar, você pode decidir que tipo de experiência deseja ter aqui”, diz Rick Joy, arquiteto mestre da One&Only Mandarina Private Homes. “As villas são simplesmente os instrumentos que enquadram essas experiências.”

Intenção e contexto também definem a forma, cor, textura e materiais do interior das villas do One&Only Mandarina. Paredes de vidro, detalhes em pedra, móveis personalizados e acabamentos terrosos se integram perfeitamente às vistas do oceano e da selva de todas as direções, trazem o exterior para dentro e desfocam sem esforço as linhas entre luxo e paisagem.

Divulgação
Divulgação

Interior das casas

“Quando se trata do espaço onde luxo, experiência e sustentabilidade se unem, sentimos um profundo senso de responsabilidade de elevar o nível de nossa indústria, não apenas no México, mas no mundo”, diz Clark. “E, no final, acreditávamos que se nos mantivéssemos fiéis aos valores se sempre de Mandarina – contexto, propósito, sensibilidade, respeito – isso transpareceria em todas as essências do projeto, desde a arquitetura, design de interiores, até o amenidades e experiências que o One&Only poderia oferecer.”

Se pudesse haver um último, mas não menos importante, elemento para Mandarina, o último lugar que visitei em minha jornada com Clark era o chamado “Flatlands”, na parte de trás do resort, a 800 metros de distância da praia – que inicialmente faria soar como o tipo de lugar em que você estaciona caminhões e equipamentos de construção durante o dia e se esforça para que seus filhos evitem à noite.

Mas aqui – em um estuário fértil e rico em vida selvagem entre duas cadeias de montanhas ladeadas por um dos mais longos trechos de praia privada na costa do Pacífico do México – RLH decidiu construir um centro equestre e de polo de última geração, um dos três únicos na Riviera Nayarit e um dos poucos da América do Norte, onde qualquer outro desenvolvedor teria construído apenas outro campo de golfe.

Divulgação
Divulgação

Campo equestre e de polo do resort

Isso é muito terreno – e um enorme custo de oportunidade – dedicado a um resultado incerto, dado como o polo é nichado como esporte se comparado ao golfe. Mas da mesma forma que o RLH escolheu a desconstrução sobre a densidade e a privacidade sobre a popularidade quando se tratou do design do resort One&Only e de sua coleção Private Home, sua abordagem de uso do solo para Flatlands está provando ser mais uma aposta bem feita: a popularidade das partidas de exibição de polo e as mesas lotadas do Chukker, a churrascaria recém-inaugurada com temática argentina, são uma indicação.

“Queríamos que o Mandarina fosse único e oferecesse uma experiência elevada, difícil de encontrar em qualquer outro lugar do mundo”, diz Clark. “Fomos atraídos pelo polo, pois é um esporte que toda a família pode desfrutar junto, seja assistindo do seu piquenique à margem, bebendo champanhe ou jogando. Os cavalos são animais tão majestosos, e nós realmente gostamos da ideia de os proprietários poderem olhar pela janela e vê-los pastando em um terreno próximo à praia.”

Quanto ao nome ‘Mandarina’, que é baseado na raiz da tangerina, “é um lugar onde todos os elementos da natureza, vida e experiência se encontram de forma dramática”, diz GM Ditesheim do One&Only. “A majestosa Sierra de Vallejo ao fundo, o azul aço do Pacífico contrastando com a exuberância verdejante da floresta tropical, as origens vulcânicas de toda esta área e um clima perfeito durante todo o ano – o nome Mandarina é um reflexo da perfeição.”

Divulgação
Divulgação

O Spa do One&Only Mandarina

Agora também é um símbolo, acrescenta Clark, do que a hospitalidade de luxo hoje significa: desconectar-se do mundo, reconectar-se consigo mesmo, reabastecer seus laços com os entes queridos e familiares e poder fazer isso em um lugar que enriquece seu relacionamento com o mundo natural.

“A felicidade da conectividade no mundo hoje acontece mais facilmente na natureza, então no Mandarina queríamos criar um lugar onde hóspedes e moradores pudessem ter a oportunidade de mergulhar na natureza, onde os sons de trens, aviões e automóveis seriam substituídos pelos sons dos pássaros da selva cantando e das ondas do Pacífico batendo na costa.” Divulgação

Como escritor de viagens que continua viciado em superlativos e hipérboles, ainda estou procurando as palavras para fazer justiça à essência e ao potencial deste lugar. Então vou deixar vocês com os dois únicos que me restam: Meu Deus.

As 55 casas particulares do One&Only Mandarina estão sendo oferecidas atualmente de US$ 4,4 a US$ 16,25 milhões (R$ 22,6 a R$ 83,6 milhões), com vilas de 4 e 5 quartos variando de 415 a 685 metros quadrados, e as vilas de oito quartos começando em 1.030 metros quadrados.

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação: