Bolsonaro pede inclusão de termo de consentimento para vacinação contra Covid-19

Reuters
Reuters

Especialistas afirmam que termo proposto por Bolsonaro pode desencorajar a vacinação

O presidente Jair Bolsonaro pediu hoje (15) ao relator da chamada MP da vacina, deputado Geninho Zuliani (DEM-SP), que inclua no texto a previsão de um termo de consentimento a ser assinado pelas pessoas que receberem a imunização em caráter emergencial contra a Covid-19.

Após encontro com Bolsonaro no Palácio do Planalto, o relator disse que estuda como incorporar em seu parecer o “termo de consentimento informado”, a ser exigido para as pessoas que receberem doses das vacinas que forem autorizadas em caráter emergencial pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

VEJA TAMBÉM: Bolsonaro recua e revoga decreto sobre parceria privada com unidades de saúde do SUS

“O presidente sugeriu”, disse Zuliani à Reuters. “Estou, como relator, estudando ainda e consultando líderes”, completou.

Segundo o deputado, a União quer se eximir de possível responsabilização por eventuais efeitos colaterais das vacinas, ainda que a Anvisa já tenha a previsão de exigir a assinatura do “Termo de Consentimento Livre e Esclarecido” relacionado às vacinas que recebam autorização para uso emergencial.

Especialistas afirmam que a exigência de assinatura de um termo de consentimento pode desencorajar a vacinação, prejudicando os esforços para conter uma epidemia que já deixou quase 182 mil mortos no Brasil.

Zuliani afirmou que Bolsonaro tem “grande preocupação” quanto à responsabilidade civil do governo federal caso as vacines apresentem efeitos colaterais.

“O laboratório Pfizer, no contrato que ele disponibilizou para o governo federal, ele tem uma cláusula que tira responsabilidade do laboratório para eventuais efeitos colaterais no futuro”, explicou o parlamentar a jornalistas no Palácio do Planalto.

“O presidente quer repassar isso de forma clara, segura, transparente, a todos que receberem a vacina. O termo jurídico é consentimento informado”, afirmou, explicando que, dessa forma, a pessoa ficaria ciente que os estudos “não foram tão aprofundados” como os de desenvolvimento de outras vacinas.

E AINDA: Bolsonaro culpa pandemia por desajuste no mercado e alta dos preços dos alimentos

A vacina da Pfizer, que já recebeu aprovação para uso emergencial em países como Reino Unido e Estados Unidos, pode ser a primeira a solicitar autorização para aplicação de emergência no Brasil. No momento, o governo federal negocia a compra de 70 milhões de doses do imunizante.

Segundo o relator, a Pfizer exige, no contrato que negocia com o Ministério da Saúde, a isenção por responsabilidades futuras. “Então o governo tem que passar essa responsabilidade para quem está sendo vacinado”, argumentou.

De acordo com Zuliani, ficou acertado que a vacinação será voluntária.

A medida provisória 1003, relatada pelo deputado, formaliza a adesão do Brasil ao consórcio Covax Facilities. Ele recomendou em seu parecer que o plano nacional de imunização contra a Covid-19 inclua todas as vacinas autorizadas pela Anvisa e que a população brasileira possa ser vacinada no prazo de um ano.

A proposta está na pauta da Câmara desta terça-feira, mas o pedido de mudança no parecer e a quantidade de itens a serem votados podem atrasar sua análise. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).