Não haverá perda de vacinas da AstraZeneca após incêndio, diz chefe do Instituto Serum

PUNE CITY NEWS/Divulgação via REUTERS
PUNE CITY NEWS/Divulgação via REUTERS

Fumaça negra emanando de um edifício cinza do complexo gigantesco que sedia o Instituto Serum da Índia (SII)

Um incêndio grande atingiu hoje (21) o do complexo amplo do Instituto Serum da Índia (SII), o maior fabricante mundial de vacinas, mas o chefe do instituto disse que a produção de imunizantes contra a Covid-19 não foi atingida e que não haverá perda de doses da vacina da AstraZeneca por causa do incidente.

Vídeos e fotos da ANI, uma parceira da Reuters, mostraram fumaça negra emanando de um edifício cinza do complexo gigantesco que sedia o SII em dezenas de hectares na cidade de Pune, no oeste indiano.

LEIA MAIS: Fiocruz adia entrega de doses de vacina da AstraZeneca para março após atraso de insumos

“Obrigado a todos por sua preocupação e suas orações”, disse o presidente-executivo do SII, Adar Poonawalla, no Twitter.

“Até agora, o mais importante é que não houve perda de vidas ou grandes ferimentos devido ao incêndio, apesar de alguns andares terem sido destruídos.”

Ele também afirmou que o instituto tem vários prédios que abrigam a produção de vacinas para lidar com contingências.

O SII está produzindo cerca de 50 milhões de doses de uma vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford e a AstraZeneca por mês em outras instalações do complexo.

O corpo de bombeiros disse que ao menos cinco caminhões foram enviados para combater as chamas no edifício, que uma fonte descreveu como uma “planta de vacina em construção”.

Ainda não se emitiu nenhum comunicado sobre a causa do incêndio.

Muitos países de renda baixa e média dependem da entrega das vacinas do SII para enfrentarem a epidemia.

VEJA TAMBÉM: Anvisa aprova por maioria uso emergencial de vacinas CoronaVac e da AstraZeneca

A vacina da AstraZeneca já está sendo usada na Índia, e também foi enviada a países como Bangladesh, Nepal, Maldivas e Butão.

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) busca importar 2 milhões de doses da vacina de Oxford para a vacinação no Brasil, mas a carga ainda não foi liberada pelo governo indiano e é alvo de tratativas entre o Brasil e a Índia. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).