Governo dispensa licitação para compra de vacinas da Rússia e Índia contra Covid-19

Divulgação via Reuters
Divulgação via Reuters

As vacinas Sputnik V e Covaxin ainda não tiveram autorização para uso emergencial pela Anvisa

O Ministério da Saúde publicou em edição extra do Diário Oficial da União, hoje (20), a dispensa de licitação para compra das vacinas contra a Covid-19 Sputnik V, da Rússia, e Covaxin, da Índia.

Os textos divulgados pelo governo informam que as aquisições terão o custo de R$ 693,6 milhões para o imunizante da Rússia e de R$ 1,614 bilhão para a vacina indiana.

LEIA MAIS: Ministério decide usar todo novo lote de vacinas da Covid como 1ª dose

Segundo o ministério, serão 10 milhões de doses da Sputnik, com o seguinte cronograma de entrega: 400 mil em março, 2 milhões em abril e 7,6 milhões em maio.

O Ministério da Saúde lembra ainda que “com a incorporação da tecnologia da produção do IFA, com a aprovação da Anvisa, a União Química deverá produzir, no Brasil, 8 milhões de doses por mês”.

Já a compra da Covaxin envolverá 20 milhões de doses, com entregas de 8 milhões em março, outros 8 milhões em abril e 4 milhões em maio.

Apesar do anúncio da compra, as vacinas Sputnik V e Covaxin ainda não tiveram autorização para uso emergencial pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Dessa forma, o ministério ressaltou que a “compra só será realizada após autorização para uso emergencial pela Anvisa”.

No país, até o momento, a Anvisa autorizou somente o uso emergencial de duas vacinas contra a Covid-19, a CoronaVac, desenvolvida pela chinesa Sinovac, que tem como parceiro no Brasil o Instituto Butantan, e a da AztraZeneca-Universidade de Oxford, cuja parceria brasileira é com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

VEJA TAMBÉM: Infecções por Covid recuam no mundo, mas OMS alerta para apatia

O Brasil se tornou na quinta-feira (18) o terceiro país no mundo a superar a marca de 10 milhões de infectados pelo vírus, juntando-se aos Estados Unidos e à Índia. Já em termos de mortes pela Covid-19, fica abaixo somente dos EUA.

Segundo dados do Ministério da Saúde até ontem (19), o país contabilizava o total de 244.765 vítimas fatais da doença e 10.081.676 casos. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).