Ibovespa sobe com apoio de bancos, mas recua mais de 8% na semana

ReutersConnect/Aly Song
ReutersConnect/Aly Song

A Organização Mundial da Saúde elevou o alerta de risco de disseminação e impacto global do Covid-19 para “muito alto”

O principal índice da B3 fechou hoje (28) no azul, apoiado nas ações de bancos, ainda assim com forte perda semanal, diante da forte aversão a risco que tomou conta dos mercados com a rápida propagação global do coronavírus.

O Ibovespa subiu 1,15%, a 104.171,57 pontos, após ter chegado a perder o patamar dos 100 mil pontos pela primeira vez desde outubro de 2019.

LEIA MAIS: Coronavírus suga US$ 5 trilhões da economia global

O volume financeiro da sessão foi de R$ 40 bilhões.

Na semana mais curta em razão do Carnaval no Brasil, o Ibovespa caiu 8,36%. Em fevereiro, o declínio foi de 8,4%, resultando em perda de 9,9% em 2020.

Só na quarta-feira de Cinzas (26), quando a bolsa reabriu após fim de semana prolongado pelo Carnaval, o Ibovespa desabou 7%, sessão na qual as saídas de estrangeiros no mercado à vista superaram as entradas em mais de R$ 3 bilhões.

“O impacto econômico do surto de Covid-19 parece mais grave do que o inicialmente esperado”, disseram em relatório estrategistas do Goldman Sachs na Ásia.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) elevou o alerta de risco de disseminação e impacto global para “muito alto”, enquanto o estrago com o surto já alcançou US$ 6 trilhões. Nos últimos dias, multiplicaram-se as revisões em projeções econômicas e para resultados de empresas.

“É difícil vislumbrar o que poderia fornecer certeza suficiente para impedir o medo antes do fim de semana”, destacou Jasper Lawler, chefe de pesquisa no London Capital Group, chamando a atenção para dados de atividade de serviços e setor manufatureiro na China no sábado (29).

LEIA TAMBÉM: Grupo de moda Soma inicia caminho para IPO

À tarde, contudo, o chairman do Federal Reserve (Fed, banco central dos Estados Unidos), Jerome Powell, trouxe algum alento ao afirmar que a autoridade monetária está monitorando de perto os avanços do surto e que “usaria suas ferramentas e atuaria conforme apropriado para apoiar a economia”.

Os principais índices de Wall Street reduziram perdas, com o Dow Jones fechando em baixa de 1,39%. O S&P 500 perdeu 0,82% e o Nasdaq fechou estável. No acumulado da semana a queda dos três foi maior que o do Ibovespa.

No Brasil, onde até o momento apenas um caso foi confirmado, economistas do Bradesco liderados por Fernando Honorato avaliam que os efeitos, por ora, devem ser pontuais e acontecer por causa da desaceleração do crescimento mundial, mas não descartam efeitos em estoques ou reflexos do aumento da aversão a risco.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).