Ranking revela que EUA é o 2º pior país do mundo para criar uma família entre membros da OCDE

Alexander Spatari/GettyImages
Alexander Spatari/GettyImages

A segurança impactou drasticamente a classificação dos Estados Unidos no ranking

Um estudo da plataforma de viagens “Asher & Lyric” revelou que os Estados Unidos são o segundo pior lugar do mundo para criar uma família. O país aparece em 34º lugar de uma lista de 35, na frente apenas do México, país dominado pelo crime. No topo do ranking, entre os melhores países, estão locais como Islândia, Noruega, Suécia e Finlândia (recentemente nomeado o país mais feliz do mundo pelo terceiro ano consecutivo).

“Este estudo me abriu os olhos”, diz a jornalista Lyric Fergusson, de Los Angeles, que administra o site com seu marido Asher e é mãe de dois filhos. “Mesmo sendo uma pessoa instruída e atenta, fiquei tão insensível os pontos negativos do país que devo ter simplesmente desconsiderado minha experiência pessoal com a retórica da nação”.

VEJA TAMBÉM: Os países mais caros para se viver em 2020: europeus dominam a lista

O casal de jornalistas – conhecido por fazer listas sobre viagens baseadas em dados, como os lugares mais perigosos para mulheres viajarem sozinhas e os lugares mais perigosos para mulheres homoafetivas – criou o Índice de Criação da Família para classificar os 35 países que fazem parte da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). “Nós usamos apenas esses lugares porque eles têm dados confiáveis ​​em uma ampla gama de tópicos importantes e úteis para este estudo”, explica Lyric.

Para classificar os países mais e menos amigáveis para se criar uma família, a dupla analisou 30 estatísticas críticas de fontes internacionais confiáveis, divididas em seis categorias que identificam condições favoráveis ​​para a formação de um núcleo familiar, incluindo segurança, felicidade, custo, saúde, educação e tempo.

O país melhor ranqueado no índice é a Islândia, que também é o mais seguro do mundo e o quarto no que diz respeito ao custo de vida. “A Islândia alcançou o top 10 em todas as categorias e foi a número um em segurança”, diz Lyric, que destaca que o país também é líder mundial em direitos humanos. “Independentemente da origem de uma criança ou de quem ela é, a constituição da Islândia garante que elas sejam tratadas todas iguais.”

O México entrou no final da lista como o pior país para a criação de uma família. O país foi mal classificado em categorias como segurança (foi considerado o mais perigoso do mundo), saúde (a pior), educação (também a pior) e felicidade (o quinto país menos feliz).

Os Estados Unidos também não se saíram bem. Lyric diz que ficou surpresa com os resultados e não podia acreditar no que viu quando analisou os dados. “Eu esmiucei cada uma das seis categorias”, diz. “O que pude verificar, em diversos pontos, foi bastante chocante.”

A segurança impactou drasticamente a classificação dos Estados Unidos. Segundo os dados, o país é o segundo pior depois do México. “Os EUA relataram 6,12 homicídios por 100.000 (superados apenas pelo México), enquanto a maioria dos países da nossa lista tem cerca de um ou menos”, diz a jornalista.

E AINDA: 7 países com potencial para se tornarem destinos turísticos incríveis no pós-pandemia

Os EUA também tiveram uma pontuação baixa na categoria de direitos humanos – foi considerado o quarto pior. “Nosso racismo sistêmico é apenas um exemplo, que foi exposto recentemente durante os protestos do movimento Black Lives Matter”, diz Lyric. “Tornou-se surpreendentemente claro que as pessoas de raízes étnicas não se sentem seguras na América.”

O custo foi outro fator que pesou. “Os EUA receberam um F no indicativo de custo de vida”, diz ela. No índice de custo geral, o país ficou na última colocação, com desempenho duas vezes pior do que a Nova Zelândia, que ficou logo à frente dos EUA. “Os pais com renda familiar média precisam gastar 31,79% de seus rendimentos apenas em cuidados com as crianças”, explica. “Nos países escandinavos, as famílias só precisam gastar entre 4% e 10% da renda familiar para dar boa educação aos filhos.”

Um fato relevante levantado pelos jornalistas é que “as mães norte-americanas têm duas vezes mais chances de morrer nos EUA do que no Canadá – mesmo que um parto comum hospitalar custe três vezes mais por aqui”, diz Lyric.

A América também foi a pior colocada em termos de tempo. “Os norte-americanos trabalham muitas horas por ano com zero auxílio maternidade, paternidade, licença médica ou férias”, diz a jornalista. “Nenhum outro país em nosso estudo apresentou tamanha falta de beneficios.”

Os EUA tiveram, ainda, uma classificação ruim em termos de felicidade: os jornalistas apontam que um em cada cinco cidadãos sofre de problemas de saúde mental e a taxa de suicídios aumentou 33% entre 1999 e 2017. O país também teve uma classificação ruim em termos de educação (é o 12º pior) e saúde (é o oitavo pior).

LEIA AQUI: Forbes promove webinar sobre saúde mental nas empresas. Participe

Lyric diz que o levantamento a levou à conclusão de que os Estados Unidos são um país profundamente desafiador e problemático – mas ela não perde a esperança. “Minha aspiração é que algo mude substancialmente na vida de meus filhos.”

Veja, na galeria de imagens a seguir, os 35 melhores e piores países do mundo para criar uma família. A classificação considera 30 fatores para avaliar as categoria saúde, segurança, felicidade, custo, educação e tempo em pontos.

  • 35º. México
    Pontuação total: -279,56

    iStock
  • 34º. Estados Unidos
    Pontuação total: 132,40

    Alexander Spatari/GettyImages
  • 33º. Chile
    Pontuação total: 222,99

    iStock
  • 32º. Turquia
    Pontuação total: 255,88

    iStock
  • 31º. Bulgária
    Pontuação total: 301,62

    Flaminia Pelazzi/GettyImages
  • 30º. Romênia
    Pontuação total: 376,28

    iStock
  • 29º. Grécia
    Pontuação total: 481,71

    iStock
  • 28º. Coreia do Sul
    Pontuação total: 481,97

    iStock
  • 27º. Eslováquia
    Pontuação total: 597,52

    Silvan Bachmann/EyeEm/GettyImages
  • 26º. Israel
    Pontuação total: 516,51

    iStock
  • 25º. Japão
    Pontuação total: 567,78

    iStock
  • 24º. Itália
    Pontuação total: 574,02

    iStock
  • 23º. Reino Unido
    Pontuação total: 576,94

    iStock
  • 22º. Suíça
    Pontuação total: 596,07

    iStock
  • 21º. Hungria
    Pontuação total: 611,57

    iStock
  • 20º. Polônia
    Pontuação total: 626,96

    Alexander Spatari/GettyImages
  • 19º. Canadá
    Pontuação total: 637,54

    iStock
  • 18º. Nova Zelândia
    Pontuação total: 688,86

    iStock
  • 17º. Espanha
    Pontuação total: 707,91

    iStock
  • 16º. Irlanda
    Pontuação total: 716,49

    iStock
  • 15º. Eslovênia
    Pontuação total: 717,02

    iStock
  • 14º. Austrália
    Pontuação total: 742,54

    Reprodução
  • 13º. França
    Pontuação total: 743,81

    iStock
  • 12º. Portugal
    Pontuação total: 760,81

    iStock
  • 11º. Países Baixos
    Pontuação total: 772,18

    Greg Gibb Photography/GettyImages
  • 10º. República Checa
    Pontuação total: 794,57

    Miguel Sanz/GettyImages
  • 9º. Bélgica
    Pontuação total: 842,33

    GettyImages
  • 8º. Áustria
    Pontuação total: 896,63

    Reprodução
  • 7º. Alemanha
    Pontuação total: 914,62

    iStock
  • 6º. Dinamarca
    Pontuação total: 949,91

    iStock
  • 5º. Luxemburgo
    Pontuação total: 1.022,66

    iStock
  • 4º. Finlândia
    Pontuação total: 1.043,08

    iStock
  • 3º. Suécia
    Pontuação total: 1.051,69

    iStock
  • 2º. Noruega
    Pontuação total: 1.090,50

    iStock
  • 1º. Islândia
    Pontuação total: 1.093,07

    iStock

35º. México
Pontuação total: -279,56

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Participe do canal Forbes Saúde Mental, no Telegram, e tire suas dúvidas.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).