Veja o que Ja Rule tem a dizer sobre o Fyre Festival e a importância do marketing

ReproduçãoForbes
Em palestra no evento anual Forbes CMO Summit, Ja Rule contou a experiência que antecedeu o desastroso Fyre Festival

Resumo:

  • Ja Rule é rapper, ator e empresário e teve seu nome fortemente ligado ao evento Fyre Festival, que se provou ser uma fraude; 
  • No último Forbes CMO Summit a celebridade falou sobre a experiência; 
  • Segundo ele, importantes lições de marketing foram tiradas do episódio.

O rapper, ator e empresário Ja Rule não é estranho à importância do branding. No entanto, desde que se associou ao fiasco do Fyre Festival em 2017, ele também começou a pensar em marketing.

Em palestra no evento anual Forbes CMO Summit, que aconteceu recentemente no Ritz Carlton em Dana Point, Califórnia, Ja Rule contou a experiência que antecedeu o desastroso festival em uma ilha nas Bahamas que se tornou objeto de ações judiciais e vários documentários. Embora negasse saber que o evento pudesse levar a práticas fraudulentas, ele disse que o medo de se prejudicar impulsionou a estratégia de marketing. Durante o fim de semana inaugural, que deveria incluir grandes artistas como Blink 182 e Major Lazer, o Fyre Festival enfrentou problemas em torno da escassez de alimentos, segurança, abrigo e outras questões que levaram ao cancelamento e evacuação do local.

“O negócio do marketing”, ele disse. “Qual é a melhor coisa de marketing que está sendo vendida agora aos olhos de todos? Vou dizer que é fé e esperança. E é isso que o pastor diz. Isso não existe. É nisso que você acredita. Essas são as ferramentas de marketing originais. Vou vender para você algo que não existe: esperança. Eu vou te vender fé. E quando isso não acontece, o que o pastor diz? Tenha mais fé.”


Embora o marketing experimental tenha se tornado parte integrante de muitas marcas nos últimos anos, nada se compara às promessas vazias do Fyre Festival. Ja Rule disse que promover o evento por meio de vídeos e influenciadores ajudou a criar “mistério”.

“Queria que a experiência fosse tão incrível que você não se importasse com a atração que vai se apresentar”, disse ele. “Você queria estar naquela praia, naquele festival, independentemente de qualquer coisa, correndo com os porcos, andando de jet skis, conhecendo modelos. Essa foi a coisa toda. Vamos criar a mística.”

VEJA MAIS: 3 lições de marketing que podem ser tiradas do novo vídeo viral de Kylie Jenner

A mística levou alguns frequentadores do festival a pagar mais de US$ 10 mil por algo que nunca aconteceu. Na preparação, celebridades e modelos, incluindo Bella Hadid e Hailey Baldwin, promoveram o evento nas mídias sociais, mas tudo acabou se tornando um desastre que deixou muitas pessoas à ver navios. Em um pedido de desculpas que Ja Rule postou no Twitter quando o evento se desenrolou, ele disse estar “de coração partido” e alegou que não era para ser uma farsa.

Já se passou um ano desde que o organizador do Festival Fyre, Billy McFarland, foi condenado a seis anos de prisão depois de se declarar culpado de fraude. E mesmo o festival tendo acontecido há dois anos, as questões legais ainda permanecem. Na semana passada, a Law360 informou que um juiz federal de Nova York determinou que os detentores de bilhetes que desejam litigar US$ 100 milhões em ações fraudulentas contra Ja Rule e o CMO Grant Margolin do Festival de Fyre Festival podem ser fúteis.

“Ele entendeu que jovens como ele queriam fazer parte dessa ‘multidão'”, disse Ja Rule sobre McFarland. “Ser legal, ser desejado e ser aceito nessa multidão. A coisa toda foi construída nessa base, e essa foi a estratégia de marketing para tudo. Foi construído para jovens que queriam a experiência mais do que qualquer coisa.”

Segundo Ja Rule, McFarland “não era não inteligente quando se tratava de marketing”, acrescentando que as pessoas o descreviam como um “grande empreendedor” e um “jovem prodígio”. “Havia tantas pessoas inteligentes que investiram em Billy”, disse ele. “Quem sou eu para dizer que eles estavam errados? Eu não tinha inclinação de que ele era um cara mau”.

Manipular pessoas que queriam estar próximas da música, dos modelos e da vida luxuosa fazia parte do apelo desde o início. No documentário da Netflix em 2019, “Fyre”, Ja Rule e outros podem ser vistos ao redor de uma fogueira, persuadindo modelos a pular em uma piscina falando sobre o plano para o Fyre Festival. “Estamos vendendo um sonho para o cidadão médio”, diz McFarland. “O cara normal.”

Ja Rule, interrompendo McFarland, repete: “Vender um sonho para os compradores”, ao qual McFarland acrescenta “seu tipo de pessoa comum na América Central”.

O Festival de Fyre ensinou a Ja Rule uma “lição valiosa”, disse ele, explicando que está “morrendo de medo agora” quando se trata de parcerias de marca e “apenas muito, muito cauteloso com o que faço”.

“Isso me machucou mais por que meu nome estava em destaque”, disse. “Eu era o nome que as pessoas sabiam e fui quem mais influenciou as pessoas. Quando tudo aconteceu, eu não fui para cadeia porque não fiz nada ilegal, mas se isso tivesse acontecido sem problemas, todo mundo teria dito: ‘Uau, olhe essa grande coisa que Billy fez’. Mas quando explodiu foi tudo diferente. Falaram: ‘Veja o que Ja Rule fez’. Foi assim que tudo aconteceu.”

Isso não o impede de ficar à margem. Falando no palco com a Forbes no Ritz, Ja Rule também contou sobre o lançamento de seu próprio aplicativo de reserva de talentos chamado Iconn  que é, de certa forma, semelhante ao aplicativo que o Fyre Fest deveria promover em primeira instância. Ele também disse que não descartou seguir com o festival de música de uma forma diferente e mencionou que parceiros respeitáveis ​​ndo segmento já entraram em contato com ele para tornar isso realidade.

LEIA TAMBÉM: 6 regras de ouro para otimizar o marketing pessoal no mundo digital

“Este é o maior festival do mundo.. .que nunca aconteceu”, brinca. “Estamos rindo, mas há tanto valor nisso tudo. É um fenômeno global. “

Ja Rule também falou sobre o papel do marketing de influenciadores na promoção do festival. Por exemplo, ele disse que ter 800 mil seguidores no Instagram nem sempre se traduz em vendas. No entanto, revelou que a parceria com modelos como Kendall Jenner teve impacto imediato.

Esses influenciadores também não foram baratos. Segundo o “The Verge”, os organizadores do festival pagaram à modelo Kendal Jenner US$ 250 mil por um único post no Instagram.

“Não estou brincando, quando esse post saiu, a venda de ingressos aumentou”, disse ele. “Porque essas garotas têm um compromisso diferente quando se trata do Instagram. As pessoas que as seguem estão lá porque estão procurando ouvir o que é novo e interessante, para saber o que está acontecendo, o que é legal. Elas são os únicas que têm essa potência no Instagram.”

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).