5 lições brilhantes de Elon Musk sobre lançamento de produtos

Reprodução Forbes
Nos dias que se seguiram ao lançamento do Cybertruck, a imprensa de tecnologia e negócios esteve submersa nas histórias do caminhão

No início deste mês, Elon Musk lançou o mais novo integrante do portfólio da Tesla: o Cybertruck, um caminhão elétrico desenvolvido para estrear nas linhas de montagem em 2021. Tal como aconteceu com a maioria dos eventos da Tesla, esse foi igualmente esmagador (literalmente, a demonstração de Musk do “vidro-armadura” do caminhão acabou com várias janelas do veículo quebradas). Nos dias que se seguiram ao lançamento, a imprensa de tecnologia e negócios esteve submersa nas histórias do Cybertruck, e mais de 250 mil pessoas se inscreveram para adquirir o modelo. Para Musk, foi sinônimo de missão cumprida.

Como ele faz isso? Ele não é um orador público engajado e não tem uma grande presença de palco. A Tesla tem uma linha incrível de produtos. Mas, fora isso, como o Musk consegue cativar o mundo a todo momento? É mais do que apenas uma curiosidade.

VEJA TAMBÉM: Elon Musk lança nova caminhonete futurista da Tesla

Quando trabalhava para o Hootsuite, plataforma que tem a ambição de se a maior plataforma de gestão de mídias sociais do mundo –atualmente com mais de 18 milhões de usuários–, eu mesmo tive que fazer algumas demos e lançamento. O fato que se repete é: sempre há espaço para fazer melhor em uma futura oportunidade.

Veja, na galeria de imagens a seguir, cinco táticas essenciais para um lançamento de sucesso da última apresentação de Elon Musk:

  • Erros são oportunidades. Trabalhe ao lado eles

    O TED criou uma falsa ideia de que apresentações ao vivo são sempre performances impecáveis: cabelo, iluminação e entrega perfeitas. Na realidade, as coisas raramente saem exatamente como o planejado. O microfone sempre causa ruídos. Você pode perder sua linha de raciocínio e a demonstração não cumprir o esperado. O importante é a capacidade de simplesmente tirar esses desafios de letra e mas abraçá-los como publicidade oportuna. Musk levou isso a um nível totalmente novo quando sua demonstração do vidro-armadura do Cybertruck deu errado e uma esfera de metal pesado quebrou não uma, mas duas janelas. “Ah, nada mal, temos uma brecha para melhorias”, ele murmurou e continuou como se nada tivesse acontecido. A realidade, no entanto, é que a pequena janela quebrada multiplicou exponencialmente a repercussão do Cybertruck na imprensa e nas mídias sociais. Musk planejou isso desde o início? Eu não me surpreenderia.

  • Ser um apresentador “ruim” pode ajudá-lo a se destacar

    Assistir a Elon Musk dar fazer uma apresentação pública é doloroso. Ele joga ideias pela metade, fala frases curtas, como se estivesse lendo direto de uma ficha de apresentação. Musk é duro como uma porta no palco e parece tão confortável quanto um adolescente em sua primeira dança no baile da escola. Ele engole suas falas, caminha desajeitadamente e cruza os braços de forma defensiva. Basicamente, ele faz tudo o que você aprendeu a não fazer em qualquer aula de liderança e comunicação. Apesar de tudo, ele parece autêntico e se destaca totalmente das apresentações corporativas padrão. A verdade mais simples é que ser diferente –mesmo que isso signifique quebrar todos os paradigmas– é uma enorme vantagem competitiva, quando o assunto é falar em público ou do design de um caminhão.

  • Feito é melhor do que perfeito

    Nesta fase, tenho quase certeza que o Cybertruck da Tesla está isolado com fita adesiva cercado por uma cerca de arame farpado. Alguns dos bugs do produto e limitações foram escancarados para todos verem (as janelas quebradas e a ausência de espelhos laterais). Mas há um grandioso e vencedor histórico de produtos lançados prematuramente. Parte da tradição do Vale do Silício, a primeira demonstração do iPhone foi uma bagunça total. Na verdade, o aparelho ficava sem memória tão rápido que Steve Jobs tinha vários telefones guardados no palco que eram substituídos discretamente. Mas tudo isso agora são águas passadas. Ao lançar uma tecnologia revolucionária lá atrás, Steve Jobs conseguiu gerar tanta repercussão e market share que os concorrentes ainda hoje tentam recuperar o atraso. Eu imagino que o mesmo padrão pode se repetir com o Cybertruck e o mercado de caminhões-elétricos.

  • O verdadeiro objetivo é checar o pulso do mercado

    Para esse fim, um lançamento eficaz tem menos a ver com oferecer um produto perfeito e mais com mensurar a demanda por ele. Essa abordagem está no centro da filosofia da “startup enxuta”. Construir algo “perfeito” –a portas fechadas e sem testes de mercado– geralmente é a receita para a fracasso dramático. O método mais eficaz é lançar um produto minimamente viável e, essencialmente, observar a aderência do mercado. Então, e só então, é hora de realmente arregaçar as mangas, investir tempo, recursos e descobrir como entregar um produto final impecável. Para a equipe da Tesla, um quarto de milhão de pré-encomendas é prova de que a demanda existe e a equipe tem algo grande para trabalhar pela frente. (Observação: o único requisito para a pré-compra é um depósito reembolsável de US$ 100. Ponto para Musk.)

  • Fale diretamente para o seu público-alvo

    Não vejo o proprietário de um Ford F-150 ou Dodge Ram optando por um Cybertruck tão cedo. Para começar, o caminhão da Tesla parece uma combinação de triângulos isósceles sobre rodas. Mas a verdade é que o Cybertruck não pretende conquistar o público consumidor das tradicionais caminhonetes. Seu design extremo e os recursos off-road são voltados mais para a geração millennial, que passa dias conectada a um teclado e fins de semana ao ar livre, do que ao público de colarinho. Assim como os carros da Tesla, inicialmente, o Cybertruck é desenhado quem deseja fazer uma declaração –seja por razões ambientais, gostos pessoais ou apenas para se sentir especial. A julgar pelas vaias e aplausos da apresentação, Musk conquistou sua tribo, e é isso que mais importa. Se os carros da Tesla são tendência, no espaço onde influenciadores e formadores de opinião lideram, o resto de nós acaba seguindo.

Erros são oportunidades. Trabalhe ao lado eles

O TED criou uma falsa ideia de que apresentações ao vivo são sempre performances impecáveis: cabelo, iluminação e entrega perfeitas. Na realidade, as coisas raramente saem exatamente como o planejado. O microfone sempre causa ruídos. Você pode perder sua linha de raciocínio e a demonstração não cumprir o esperado. O importante é a capacidade de simplesmente tirar esses desafios de letra e mas abraçá-los como publicidade oportuna. Musk levou isso a um nível totalmente novo quando sua demonstração do vidro-armadura do Cybertruck deu errado e uma esfera de metal pesado quebrou não uma, mas duas janelas. “Ah, nada mal, temos uma brecha para melhorias”, ele murmurou e continuou como se nada tivesse acontecido. A realidade, no entanto, é que a pequena janela quebrada multiplicou exponencialmente a repercussão do Cybertruck na imprensa e nas mídias sociais. Musk planejou isso desde o início? Eu não me surpreenderia.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).