Por que o iPad não é hoje o que Steve Jobs sonhou que fosse

GettyImages/Justin Sullivan
A evolução dos smartphones roubou um espaço que Steve Jobs imaginou ser do iPad

Dez anos atrás, nesta época, Steve Jobs subiu ao palco para lançar o iPad. Na época, Jobs considerava o novo hardware da Apple um “dispositivo mágico e revolucionário” que “definiria uma categoria totalmente nova”. Nos últimos dez anos, o iPad certamente foi um dos principais dispositivos da Apple e está possivelmente posicionado por Tim Cook e sua equipe à frente da família MacBook da qual foi projetado.

Mas isso gerou o entusiasmo e excitação que Steve Jobs incorporou ao tablet? Muitos, inclusive eu, argumentariam que não. “Se houver uma terceira categoria de dispositivo, terá de ser melhor nesses tipos de tarefas do que um laptop ou smartphone, caso contrário, não há razão para existir”, disse Steve Jobs na época.

LEIA MAIS: Apple tem resultado acima do esperado com vendas fortes de iPhone

Isso foi verdade em 2010 e levou ao sucesso do iPad. É notável que o Google nunca conseguiu deixar o Android completamente confortável com uma interface do usuário do tablet, como havia na interface do telefone. Até hoje, o Android é muito parecido com um dispositivo que rola longas e finas fitas de informação, em vez de um ambiente parecido com uma janela que se adapta a um tablet.

Mas então, se essa era uma nova categoria de dispositivos, onde estão os outros dispositivos? Embora os tablets Android tenham sido lançados, a resposta real do Android para o iPad foi simplesmente fabricar telefones maiores. O sucesso da série Samsung Galaxy Note e a ascensão dos smartphones ‘phablet’ ofereceram uma alternativa melhor em ser um smartphone do que a maioria dos smartphones. A Apple entraria no mercado de phablet em 2014 com o iPhone 6 Plus.

No outro extremo da escala, os fabricantes de laptops conseguiram o objetivo de Jobs e começaram a trabalhar em suas próprias soluções. Isso provocaria o nascimento do Windows 8 com uma interface fortemente focada no toque, antes do Windows 10 retirar essa tecnologia do computador. Os laptops ganharam telas sensíveis ao toque e stylus para acomodar novos métodos de entrada, e uma variedade de tablets e conversíveis começou a aparecer alguns anos depois.

Sem dúvida, o principal dispositivo aqui seria o Surface Pro 3 da Microsoft, também lançado em 2014.

E vale notar que as vendas do iPad atingiram o pico no ano anterior, em 2013. Sim, continua a ser uma presença significativa no mix de hardware da Apple, e sim o dispositivo ainda vende nos números que a concorrência gostaria claramente de ter. Existe sucesso financeiro. Mas o iPad cumpriu suas promessas? Não.

LEIA TAMBÉM: CEO da Apple diz que sistema tributário corporativo precisa ser reformulado

Em 2020, o iPad não é significativamente melhor que o iPhone. À medida que as telas de smartphones cresceram, o tamanho “regular” do iPad não é mais um grande avanço. O iPhone em si aumentou em flexibilidade e potência e, com telas muito maiores que a tela de 3,5 polegadas disponível em 2010, o smartphone alcançou mais do seu potencial e está muito mais próximo do iPad do que nunca. Dependendo das circunstâncias, o iPhone pode ser a melhor escolha como computador principal do que um iPad.

O iPad é melhor que um laptop? Depende muito do modelo. Certamente, há mais potência e flexibilidade nos laptops com Windows 10 e, mesmo com a inclusão da capa do teclado inteligente e do Apple Pencil, o iPad no formato “quase um laptop” é exatamente isso. Quase um laptop, não significativamente melhor que um.

Se você decidir compará-lo ao MacBook Air ou MacBook Pro, a comparação começará a favorecer o iPad, mas a questão maior é por que a Apple permitiu que a linha MacBook fique atrás da concorrência do Windows 10 dessa maneira.

A ramificação do iOS no iPadOS deu à Apple a oportunidade de fazer algo diferente com o iPad. Acho que a resposta é voltar à visão de Jobs. Não ajuste o iPadOS para que o dispositivo continue existindo, descarte a interface do usuário, o pensamento semelhante ao telefone e os anos de “sempre foi feito dessa maneira” e construa-o novamente do zero, justificando cada decisão como se fosse nova.

E TAMBÉM: Apple News atinge 100 milhões de usuários

Isso oferecerá aos usuários um dispositivo mágico e revolucionário. Assim como Steve Jobs prometeu.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).