Alta nas ações da DraftKings cria novo bilionário israelita

GettyImages/ Mark Cunningham
O mundo dos esportes esteve paralisado nos últimos dois meses, mas as ações da empresa de fantasy e apostas esportivas Draft Kings saltaram

Na última sexta-feira (22), a DraftKings (site de apostas norte-americano) divulgou seus primeiros ganhos trimestrais desde a fusão reversa no mês passado, que tornou pública a empresa e deu aos fãs a chance de investir na gigante de fantasy (modalidade de jogo na qual você cria, virtualmente, um time com jogadores das principais ligas esportivas norte-americanas), que encontrou nova vida como empresa de apostas esportivas. A empresa registrou perda de US$ 0,18 por ação e receita de US$ 113 milhões, o que superou as expectativas dos analistas para o trimestre que terminou em março. As ações dispararam 15%, pois a empresa disse que não esperava nenhum impacto em seus negócios decorrente da pandemia de coronavírus no longo prazo.

O ganho em ações criou um novo bilionário, o empresário israelense Shalom Meckenzie, que possui 34,6 milhões de ações, de acordo com o arquivo 13D da empresa na Comissão de Títulos e Câmbio dos Estados Unidos (SEC, na sigla em inglês). Essas ações valem exatamente US$ 1 bilhão com base no fechamento de sexta-feira.

LEIA MAIS: Como Mark Dixon construiu uma empresa de coworking para sobreviver ao coronavírus

Meckenzie, de 43 anos, fundou a SBTech, fornecedora de tecnologia de jogos de azar em 2007 e atuou como diretor dela até maio de 2014. A empresa possui 1.200 funcionários em dez escritórios em todo o mundo e licencia sua plataforma de apostas e cassinos online para loterias, empresas de corrida de cavalos, cassinos e startups da iGaming.

A DraftKings chegou aos mercados públicos por meio de uma fusão com a SBTech, bem como com a Diamond Eagle Acquisition Corp., uma empresa de “cheque em branco”, criada para encontrar outra empresa a ser adquirida. As empresas incorporadas adotaram o nome DraftKings. Meckenzie é o maior acionista e tem assento no conselho, com uma dúzia de outros, incluindo os cofundadores da DraftKings, Matthew Kalish, Paul Lieberman e Jason Robins, que atua como CEO.

As ações estão encontrando grande sucesso desde que a companhia estreou na Nasdaq em 24 de abril. Os papéis subiram 67%, adicionando US$ 400 milhões ao valor da participação de 11% de Meckenzie. A Walt Disney Company é a terceira maior investidora, com uma participação de 6%, que a gigante do entretenimento adquiriu com a aquisição de US$ 71 bilhões da 21st Century Fox, um dos primeiros investidores da DraftKings.

As ações subiram 7,5% na terça-feira (19), quando foi revelado que o famoso magnata dos fundos de hedge George Soros detém 2,7 milhões de ações através de seu veículo de investimento Quantum Partners. Soros vale US$ 8,3 bilhões depois de transferir US$ 18 bilhões de seu escritório de família para a Open Society Foundation em 2018.

Outros investidores da DraftKings do mundo dos esportes incluem a família Kraft, dona do New England Patriots e que detém 3,5 milhões de ações, no valor de aproximadamente US$ 100 milhões. A MSG Entertainment, a divisão de locações que foi criada no mês passado pela proprietária do Madison Square Garden Co. (do New York Knicks and Rangers) possui uma participação de US$ 43 milhões.

A DraftKings é o parceiro oficial do fantasy diário da NFL e da PGA Tour, bem como a operadora autorizada de jogos da NBA e da MLB.

A empresa se recuperou depois de um tombo em 2017, quando a Federal Trade Commission (agência reguladora de proteção ao consumidor nos EUA) bloqueou sua fusão com a rival FanDuel. Ambas companhias estavam gastando muito dinheiro e pensaram que uma fusão poderia eliminar custos significativos e colocá-las no caminho da lucratividade. A DraftKings ganhou uma nova vida em 2018, porém, quando a Suprema Corte dos EUA decidiu que os estados poderiam legalizar as apostas esportivas, encerrando o monopólio que Nevada tinha no campo legal do negócio.

LEIA TAMBÉM: Redução de valor do Alibaba Group custa US$ 1,5 bilhão a Jack Ma

No mês passado, a Virgínia se tornou o 22º estado a legalizar as apostas esportivas. Outros 14 estados têm projetos de lei ou plebiscitos sobre o assunto. O mundo dos esportes está em stand-by por conta do novo coronavírus, mas os apostadores retornarão quando os jogos voltarem.

“Apostas esportivas sempre foram algo que sabíamos que cruzaria bem com nosso banco de dados (de usuários diários de fantasy)”, disse Robins no palco do Forbes Under 30 Summit 2019 em Detroit, com sua empresa posicionada para capitalizar a decisão da Suprema Corte. “Está tudo apenas começando.”

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).