Biotech AbCellera levanta US$ 105 milhões para descobrir cura para a Covid-19

GettyImages/ NurPhoto
GettyImages/ NurPhoto

Os cientistas da AbCellera usam uma variedade de técnicas de ponta para descobrir anticorpos terapêuticos potencialmente úteis

Uma biotech em parceria com grandes empresas farmacêuticas, como a Lilly, no desenvolvimento de medicamentos para Covid-19 está levantando US$ 105 milhões em financiamento para acelerar as operações.

A AbCellera anunciou na quarta-feira (27) que levantou essa soma em uma rodada de financiamento da Série B liderada por OrbiMed e DCVC Bio. O investimento leva o financiamento total da empresa para cerca de US$ 115 milhões em seu oitavo ano de operação.

LEIA MAIS: Carrefour Brasil é investigado por suposto esquema de corrupção no Atacadão em SP

“Agora que estamos construindo a reputação de estar no topo da descoberta de anticorpos, esta é uma oportunidade para expandir nossa capacidade, mudar nossa postura e seguir uma estratégia de crescimento mais agressiva”, diz o CEO e cofundador, Carl Hansen.

Sediada em Vancouver, a AbCellera se concentra na descoberta eficiente de anticorpos que têm o potencial de serem usados ​​como tratamento para uma variedade de doenças, incluindo câncer, neurodegeneração e infecções, como influenza e Covid-19. Usando a tecnologia microfluídica, que permite a automação de algumas funções básicas de pesquisa, a empresa é capaz de processar rapidamente amostras contendo anticorpos potencialmente úteis, executando milhares de varreduras de cada vez e analisando-as com aprendizado de máquina para identificar rapidamente os melhores candidatos para desenvolver novas formas de terapia.

“Nós analisamos milhões de células imunológicas e retiramos as que possuem propriedades boas para os medicamentos”, diz Hansen. “Então quebramos essas células e sequenciamos seu DNA”.

As sequências genômicas desses anticorpos são analisadas quanto à facilidade de fabricação. As promissoras podem então ser ampliadas e fabricadas usando diferentes tipos de células. É um processo semelhante, diz Hansen, à fermentação usada para fazer cerveja.

A AbCellera tem suas raízes nas pesquisas que Hansen iniciou na Universidade de British Columbia, em 2005, onde se concentrou na combinação genômica, microfluídica e outros métodos para classificar rapidamente milhares de amostras e descobrir alvos para a descoberta de medicamentos. Em 2012, ele e outras quatro pessoas fundaram a AbCellera (“Em um pequeno laboratório na universidade”, lembra Hansen), com cerca de US$ 725 mil em fundos arrecadados com amigos e familiares.

Três anos depois, a empresa iniciou suas primeiras parcerias com empresas farmacêuticas e começou a crescer aos trancos e barrancos, segundo Hansen. “Temos basicamente dobrado a receita e o número de funcionários a cada ano”, diz ele. Os parceiros agora incluem potências farmacêuticas como Lilly, Pfizer, Gilead e Novartis.

LEIA TAMBÉM: Proposta de regras para aplicativos na pandemia pode matar startups, dizem especialistas

Em 2020, a empresa agiu rapidamente para desenvolver um tratamento com potencial uso contra a Covid-19. Depois de receber amostras de pacientes que se recuperaram da doença em fevereiro, levou menos de dez dias para encontrar anticorpos promissores, que foram apresentados à Lilly para consideração. As empresas anunciaram uma parceria de desenvolvimento e fabricação em 12 de março, e a Lilly declarou em abril que espera registrar um pedido de novo medicamento em investigação junto ao FDA (agência federal do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos) até o final de maio, com os ensaios clínicos iniciando logo em seguida.

A AbCellera havia levantado apenas US$ 10 milhões vindos de investidores antes de quarta-feira, em uma rodada da Série A liderada pela Data Collective em 2018. Com essa nova rodada de US$ 105 milhões, Hansen diz que a empresa está buscando ampliar suas operações contratando até 100 pessoas (para adicionar à sua força de trabalho atual de cerca de 140). A empresa também procura construir uma nova instalação de pesquisa e desenvolvimento em Vancouver e aumentar os recursos de fabricação lá, acrescenta Hansen. Muita gente acredita na AbCellera: o grupo dos investidores nesta rodada da Série B inclui nomes como Presight Capital, Funders Fund, Viking Global Investors, Universidade de Minnesota, Eli Lilly and Co. e Peter Thiel.

E TAMBÉM: Turismo internacional deve enfrentar maior queda desde 1950, aponta OMT

As terapias com anticorpos são um segmento de rápido crescimento da indústria farmacêutica, com várias empresas buscando desenvolver maneiras de melhorar os tratamentos para câncer e outras doenças. A AbCellera está longe de ser a única participante privada a trabalhar no desenvolvimento de terapias com anticorpos contra a Covid-19, com vários ensaios clínicos em andamento. A vantagem da biotech, segundo seu CEO, é sua combinação de métodos que identificam de maneira rápida e eficiente alvos eficazes de medicamentos para comprimir a linha do tempo da descoberta.

“Nossa filosofia aqui é que todos nos beneficiamos quando a melhor ciência tem acesso à melhor tecnologia”, diz Hansen. “Acho que podemos elevar todo o setor se fizermos esses investimentos em nossas capacidades e os mantermos abertos ao mundo”.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Inscreva-se no Canal Forbes Pitch, no Telegram, para saber tudo sobre empreendedorismo: .

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).