iFood lança robô entregador de comida

Divulgação
Divulgação

O robô Ada vai transportar até 30 kg e terá autonomia de 12 horas de trabalho

Prepare-se para receber a Ada quando pedir comida em casa. Parece cena de filme de ficção, mas é o futuro batendo à sua porta: estamos falando do robô autônomo do iFood, que fará entregas para a empresa. A alcunha é uma homenagem à matemática britânica Augusta Ada King, a Condessa de Lovelace (1815-1852), reconhecida por ter desenvolvido o primeiro algoritmo a ser processado por uma máquina. Ela terá capacidade para transportar até 30 kg, com autonomia de 12 horas de trabalho.

O anúncio da nova funcionária aconteceu em janeiro, e as expectativas são altas: a máquina está em fase de testes – e ainda neste ano deve integrar o sistema de delivery. O início dos trabalhos de Ada será dentro de um shopping paulistano. Ela irá retirar refeições dos restaurantes na praça de alimentação e levá-las aos entregadores no piso térreo. Espera-se que, em um futuro mais distante, a robô desempenhe um papel na última etapa da entrega, o pedido dentro de um condomínio residencial, da portaria até seu lar.

LEIA MAIS: Rede antecipa R$ 600 milhões a bares e restaurantes junto com iFood

Para desenvolver Ada, o iFood fechou uma parceria com a Synkar, companhia brasileira especializada em inteligência artificial. A empresa vem batendo seus próprios recordes após ter recebido, no fim de 2018, um aporte de US$ 500 milhões do conglomerado sul-africano Naspers e da Innova Capital. Em novembro de 2019, o iFood registrou a marca de 26,6 milhões de pedidos por mês em todo o país, com crescimento de 116% em comparação ao ano anterior. A quantidade de cidades atendidas subiu 98% no mesmo período, de 459 para 912.

Em abril de 2019, a foodtech anunciou o investimento de US$ 20 milhões no setor de IA (inteligência artificial), que já lhe rendeu a criação de outros dois protótipos tecnológicos: um drone-entregador e o iFood Box (armário inteligente com isolamento térmico). Ada é mais uma carta na manga da empresa para tentar preservar sua posição no cenário competitivo do delivery de comida. “Vamos extrair números e dados, com a operação rodando todos os dias, e analisar o potencial dessa tecnologia para nós”, antecipa Fernando Martins, gerente de inovação logística do iFood.

Reportagem publicada na edição 75, lançada em março de 2020

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).