Ações da Tiffany caem 9% após notícia de que acordo com a LVMH pode fracassar

Images Light Rocket/GettyImages
Ações da Tiffany ainda contam com a valorização de 30% nos últimos 12 meses

As ações da Tiffany & Co. caíram ontem (2) após notícias de que sua aquisição de US$ 16,2 bilhões pela gigante LVMH, que teria sido o maior negócio de marcas de luxo de todos os tempos, agora parece menos provável de ser aprovada.

O conselho da LVMH convocou uma reunião em Paris especificamente para discutir a transação. Segundo a publicação de negócios da moda “WWD”, a gerência tem expressado preocupações sobre a situação em deterioração no mercado dos EUA.

VEJA TAMBÉM: Fortuna de Bernard Arnault sobe quase US$ 3 bilhões desde a compra da Tiffany

A gigante dos bens de luxo aparentemente está na fase de reconsideração da compra da Tiffany por US$ 16,2 bilhões, em meio às consequências econômicas da pandemia de coronavírus e à agitação social causada por protestos generalizados sobre o assassinato de George Floyd.

A LVMH também está preocupada com a capacidade da Tiffany de pagar seus compromissos de dívida após a conclusão da aquisição. O acordo originalmente seria fechado em meados de 2020.

Nenhuma decisão final foi tomada na reunião de terça-feira, mas os membros do conselho deixaram claro que a aquisição deve ser reconsiderada, disseram fontes à “WWD”.

Em determinado momento do dia, com as notícias, as ações da Tiffany despencaram a uma queda de 11%. As negociações foram interrompidas brevemente às 16h22, no horário de Brasília, antes de terminar o dia abaixo de 9%.

Na reunião anual dos acionistas da joalheria de luxo na segunda-feira, a Tiffany não mencionou especificamente nenhum desafio relacionado ao coronavírus, os protestos generalizados em todo o país ou a aquisição da LVMH.

Panorama

A LVMH chegou a um acordo para comprar a Tiffany & Co. em novembro de 2019. O preço da transação pactuado era de US$ 135 por ação (US$ 16,2 bilhões em capital). Naquela época, muitos analistas creditaram o proprietário da bilionária da LVMH, Bernard Arnault, por suas negociações inteligentes: o acordo foi anunciado como um fortalecimento da presença da LVMH na América do Norte e construção de seu nicho de jóias.

E AINDA: LVMH fecha compra da Tiffany por US$ 16,2 bi

Cenário

Como a pandemia de coronavírus causou o fechamento generalizado de negócios, fusões e compras globais foram amplamente interrompidas. Muitas empresas foram forçadas a abandonar completamente os acordos de aquisição, enquanto lutavam para permanecer em atividade e pagar os trabalhadores. A Xerox, por exemplo, declinou sua oferta de US$ 35 bilhões pela empresa de impressão rival HP. O pipeline de fusões e aquisições desacelerou à medida que as empresas tentavam manter os negócios em meio à falta de financiamento da dívida e ao contato pessoal restrito para negócios. Uma boa quantidade de atividades de fusões e aquisições restantes, no entanto, provavelmente será dominada por acordos de resgate e reestruturações, ao tempo em que empresas lutam para lidar com os impactos econômicos negativos do coronavírus.

O que observar

As ações da Tiffany ainda contam com a valorização de 30% nos últimos 12 meses, em grande parte impulsionadas pela perspectiva de aquisição da LVMH. Se o grande negócio fracassar, no entanto, os investidores provavelmente irão reavaliar –especialmente considerando o cenário econômico desafiador para os varejistas hoje.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Inscreva-se no Canal Forbes Pitch, no Telegram, para saber tudo sobre empreendedorismo: .

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).