5 dicas para fazer da linguagem corporal uma forte aliada na entrevista de emprego

Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

Linguagem corporal pode ajudá-lo a passar confiança e ter mais chances de conseguir a vaga que deseja

Segundo o antropólogo Ray Birdwhistell, pioneiro no estudo original da comunicação não-verbal chamada “cinésica”, menos de 35% do significado de uma conversa cara a cara corresponde às palavras ditas.

As expressões faciais, os movimentos e até aquilo que não dizemos podem transmitir muito mais do que a palavra falada. E esse fato é extremamente importante durante uma entrevista de emprego. Seja pessoalmente ou por vídeo, a linguagem corporal pode aumentar ou diminuir suas chances de conseguir a posição desejada.

LEIA MAIS: 5 dicas para driblar a inteligência artificial nos processos seletivos

Os especialistas costumam dizer que leva apenas sete segundos para causar uma primeira impressão. Pratique o uso de linguagem corporal eficaz para enviar a mensagem certa. Apenas alguns ajustes simples ajudarão muito a aumentar suas chances de conseguir a vaga.

Veja, na galeria de imagens abaixo, algumas técnicas para mostrar confiança no processo seletivo e conseguir o emprego dos sonhos:

  • Preste atenção à postura corporal

    Seja pessoalmente ou por vídeo, desleixo é uma bandeira vermelha. Isso mostra falta de autoconfiança e desrespeito pelos entrevistadores. Sentar na beirada da cadeira e inclinar-se para a frente são gestos que costumam traduzir uma linguagem corporal positiva. Isso mostrará que você está genuinamente interessado no que está sendo dito. Só não se incline muito, pois pode invadir o espaço pessoal do entrevistador.

    Se você estiver conduzindo numa entrevista virtual, coloque a câmera no nível dos olhos e posicione-se de forma que fique visível da cintura para cima. A capacidade de ver suas expressões faciais e gestos com as mãos contribuirá para criar uma conexão humana significativa.

    Virojt Changyencham/Getty Images
  • Não se mostre inquieto

    Movimentos nervosos durante uma entrevista podem ser distrações – até mesmo em chamadas de vídeo. Evite mexer nas mãos, enrolar o cabelo ou balançar a perna. Mesmo que sua perna não esteja visível na câmera, o resto do seu corpo estará se movendo e isso distrairá o entrevistador.

    Evite tocar em seu rosto. Os candidatos que fazem isso com frequência são considerados desonestos e indignos de confiança. Da mesma forma que esfregar a cabeça ou o pescoço faz a outra pessoa pensar que você está entediado ou desinteressado. Outro hábito que deve ser evitado é dar uma espiadinha no telefone. Você não faria isso em uma entrevista pessoalmente, então não faça também nos processos virtuais.

    Sturti/Getty Images
  • Mantenha contato visual

    Um grande erro que as pessoas cometem em relação ao vídeo é olhar para si mesmas durante a entrevista. Em vez disso, faça um esforço para olhar para a câmera. Isso fará uma grande diferença em como você estabelece uma conexão com o entrevistador. Se você estiver cara a cara, a mesma regra se aplica. Uma quantidade adequada de contato visual mostra boas maneiras e faz os candidatos parecerem agradáveis ​​e atraentes. De acordo com a especialista em linguagem corporal Susan Constantine, um bom contato visual significa que você está interessado e aprecia o tempo do empregador. “Atos contrários são considerados desrespeitosos e são interpretados como se o candidato parecesse desinteressado em relação ao trabalho, à pessoa que conduz a entrevista ou o salário oferecido.”

    Arielfev Skelley/Getty Images
  • Sorria, mas não muito

    Um estudo conduzido pelo departamento de psicologia da Universidade de Northeastern descobriu que sorrir pode ter um efeito negativo para os candidatos durante as entrevistas de emprego. É particularmente prejudicial para aqueles em áreas percebidas como mais sérias. Sorrir não é algo desvantajoso para candidatos a cargos considerados mais sociais, como vendas. Isso não quer dizer que você não deva sorrir. É apropriado sorrir no início e no final da entrevista. Mas, se fizer isso o tempo todo, você pode parecer menos competente.

    Luis Alvarez/Getty Images
  • Pratique a escuta ativa

    A escuta ativa é um componente crucial para uma entrevista bem-sucedida – seja virtualmente ou pessoalmente. Ouça atentamente o tom de voz do seu entrevistador e fique de olho em suas expressões faciais e linguagem corporal. Durante a conversa, mantenha-se concentrado. Uma importante técnica de escuta ativa é usar dicas não-verbais para mostrar compreensão, como acenar com a cabeça, fazer contato visual e inclinar-se para a frente. Considere injetar afirmações verbais na conversa, como “entendo”, “eu sei” e “eu conheço”. Outro aspecto essencial é ter um senso de empatia pela outra pessoa. Demonstre preocupação com o entrevistador e faça perguntas específicas para esclarecimento.

    Dowell/Getty Images

Preste atenção à postura corporal

Seja pessoalmente ou por vídeo, desleixo é uma bandeira vermelha. Isso mostra falta de autoconfiança e desrespeito pelos entrevistadores. Sentar na beirada da cadeira e inclinar-se para a frente são gestos que costumam traduzir uma linguagem corporal positiva. Isso mostrará que você está genuinamente interessado no que está sendo dito. Só não se incline muito, pois pode invadir o espaço pessoal do entrevistador.

Se você estiver conduzindo numa entrevista virtual, coloque a câmera no nível dos olhos e posicione-se de forma que fique visível da cintura para cima. A capacidade de ver suas expressões faciais e gestos com as mãos contribuirá para criar uma conexão humana significativa.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).