O mistério de US$ 2 bilhões por trás da posse da fintech Kaspi, listada em Londres

Kaspi/Divulgação
Kaspi/Divulgação

Mikhail Lomtadze e Vyacheslav Kim

No mês passado, a Kaspi.kv, empresa unicórnio de varejo e fintech do Cazaquistão, ganhou as manchetes em todo o mundo após um IPO bem-sucedido na Bolsa de Valores de Londres em uma avaliação de US$ 6 bilhões. O evento foi celebrado como o maior IPO internacional de tecnologia em Londres em 2020.

Mas a Kaspi não é uma startup de tecnologia tradicional, com fundadores ávidos e disruptivos e investidores empenhados. No coração da Kaspi está um negócio entre três homens e um fundo de private equity envolvendo bilhões de dólares que –apesar da detalhada análise da Bolsa de Valores de Londres, patrocinadores e reguladores– levanta uma série de questões.

LEIA MAIS: BR Distribuidora anuncia compra de fatia na comercializadora de energia Targus

Os dois nomes mais importantes da Kaspi são seu presidente, Vyacheslav Kim, e o CEO, Mikhail Lomtadze, cujas respectivas participações de 25% e 23% valem atualmente cerca de US$ 2 bilhões cada. Mas, trabalhando ao lado da empresa de private equity Baring Vostok, com sede em Moscou, o caminho trilhado pela dupla para se tornar os maiores acionistas individuais da empresa está cheia de buracos no roteiro.

O maior deles apresenta Kairat Satybaldy, um ex-investidor e sobrinho politicamente poderoso do ex-presidente do Cazaquistão Nursultan Nazarbayev. Satybaldy afirma ter se afastado da Kaspi em 2018, vendendo uma participação de tamanho muito semelhante ao que agora pertence a Lomtadze.

A negociação

No que foi descrito por um porta-voz da Kaspi como parte de uma “grande transação”, Kim gastou cerca de US$ 390 milhões comprando ações da Kaspi em 2018. Então, de acordo com o prospecto, ele transferiu ações para Lomtadze que na época valiam cerca de US$ 500 milhões, em troca de uma “determinada contraprestação não monetária” em dezembro de 2018 “segundo um acordo de longa data que abrange seus vários interesses comerciais.”

Essa quantia foi adicionada a uma participação de 9,9% dada à Lomtadze por Kim (como parte do mesmo “acordo”) antes de 2017. Lomtadze recebeu uma participação total de 31% na Kaspi.

Em 2019, a participação de Lomtadze caiu para 29%. Parece que ele vendeu parte dela para a Goldman Sachs, que adquiriu uma fatia de 4% da empresa naquele ano. O CEO agora possui 23% da empresa, de acordo com registros, no valor de US$ 2,2 bilhões.

Em um comunicado à Forbes, um porta-voz da Kaspi confirmou o acordo de 2007, mas disse: “Não é correto dizer que Mikhail apenas recebeu participação”. Lomtadze “construiu” a Kaspi, disse o porta-voz, acrescentando que “é bastante comum que fundadores empreendedores possuam grandes participações em seus negócios”. Mas Lomtadze não é um fundador. Ele chegou ao banco que se tornaria a Kaspi como CEO após um investimento no banco da Baring Vostok, do qual ele era sócio.

O porta-voz da Kaspi não explicou como Kim conseguiu centenas de milhões de dólares para comprar ações da Kaspi, nem sobre os termos exatos do acordo de 2007 que tornou Kim e Lomtadze sócios. A Kaspi disse que não poderia comentar sobre os “acordos financeiros específicos” de Kim, mas acrescentou que “[o] aumento na participação de Mikhail [Lomtadze] se deve à formalização de seu acordo de parceria com Vyacheslav [Kim] e não está relacionado com sua remuneração anual.”

A Kaspi confirma que levou cerca de 13 anos (de 2007 até este ano) para Kim e Lomtadze “formalizarem seu acordo de acionistas”. Também diz que, como a empresa não buscou capital externo ou financiamento pré-IPO, a não ser um investimento da Baring Vostok em 2006, não havia –até agora– nenhuma necessidade de tornar o “acordo” formal ou público.

Abordando a incerteza sobre por que um acordo entre a dupla não foi formalizado até “o último momento”, Lomtadze afirma que o relacionamento dos dois homens era de “total confiança e química”, em uma entrevista conduzida por um parceiro da PWC e publicada na terça-feira (24) na Forbes Cazaquistão, uma licenciada independente da Forbes.

A Kaspi conquista o Cazaquistão

O aplicativo bancário e de pagamentos móveis da Kaspi é usado por cerca de metade dos 18 milhões de habitantes do Cazaquistão e, em menos de uma década, a empresa ajudou o país a reduzir o uso de dinheiro, alegando em setembro que os usuários ativos diários do aplicativo aumentaram 172% em relação ao ano anterior. A Kaspi afirma que agora é responsável por 68% de todas as transações eletrônicas no Cazaquistão, uma pegada de pagamentos de quase o dobro do tamanho de todos os seus concorrentes combinados, incluindo Visa e Mastercard. “As pessoas viram como isso tornava suas vidas mais fáceis”, disse o Dr. Atanu Rakshit, professor assistente de economia na Universidade Nazarbayev do Cazaquistão.

LEIA TAMBÉM: Total Eren obtém R$ 423 mi no BNB para financiar projetos eólicos no Nordeste

Com laços estreitos com o governo do Cazaquistão, a empresa também emergiu como o banco online nacional não oficial do país para pagar impostos e multas, assumindo uma função que de outra forma seria preenchida pelo serviço público ou um departamento governamental, e impulsionando ainda mais o crescimento de novos usuários em todo o país. A Kaspi até ajudou a distribuir benefícios sociais durante a pandemia.

A receita cresceu 32%, para US$ 740 milhões no primeiro semestre de 2020. Os lucros também saltaram, um aumento de 50% para US$ 286 milhões, enquanto as transações de pagamento atingiram US$ 718 milhões no trimestre encerrado em setembro, anunciou a Kaspi, um aumento de 212% ano a ano , já que seu aplicativo rapidamente conquistou o país durante a pandemia.

Embora o sucesso da Kaspi no Cazaquistão seja claro, o que permanece obscuro é como as intrigantes mudanças de propriedade da Kaspi foram aprovadas pelas poderosas instituições que examinam a cotação pública da empresa, ou seja, as corretoras Morgan Stanley, Citigroup e Renaissance Capital, a Financial Conduct Authority do Reino Unido e a Bolsa de Valores de Londres. Todas as partes interessadas encaminharam a Forbes para o mesmo caminho: relações com investidores da Kaspi.

Lomtadze, Kim e Kaspi

Kim, descrito em um comunicado à imprensa da Kaspi como “matemático e físico por formação, mas um empresário por vocação”, obteve sucesso no varejo principalmente por meio do lançamento da rede de eletrônicos domésticos Planet Electronics, da qual saiu em meados dos anos 2000 na época em que a Kaspi “se tornou seu principal investimento”, de acordo com um porta-voz da fintech. A Planet Electronics fechou no final dos anos 2000. Kim também é investidor e presidente do conselho de supervisão do grupo de supermercados Magnum, descrito por uma agência de notícias local em abril como a maior rede do Cazaquistão.

Em 2002, Kim, que tinha 32 anos na época, comprou o Kaspiyskiy –então um banco recentemente privatizado– por uma quantia não revelada. “Pode ter sido um pouco ingênuo, mas comprar um banco era uma grande tendência da época. Todo empresário de sucesso estava comprando um banco, então nós também”, disse ele em um comunicado da empresa em julho de 2019.

Lomtadze, que vem da Geórgia, fala inglês e é o rosto público da Kaspi. Um dos primeiros fundamentalistas do mercado livre em seu país, o empresário frequentou a primeira escola de negócios da Geórgia antes de iniciar uma empresa de auditoria em 1995 e, em seguida, ir para a Harvard Business School. Ele se formou em 2002, mesmo ano em que conheceu Michael Calvey, o fundador americano da Baring Vostok, em Nova York. “Não preciso de salário”, disse Lomtadze a Calvey em sua primeira reunião, falando com a Forbes de Almaty no início de novembro em uma videochamada. “Eu só quero trabalhar na Baring Vostok.” Posteriormente, ele ingressou na Baring Vostok e tornou-se parceiro em 2004.

Em 2006, a Baring Vostok investiu uma quantia não revelada no Kaspisky (banco), levando Lomtadze a unir forças com Kim em 2007. Eles renomearam o Kaspisky como Kaspi no ano seguinte. Desde então, a dupla fez pelo menos cinco investimentos adicionais em negócios do Cazaquistão, incluindo empresas de pagamento de contas, varejo de automóveis e classificados online. Em junho de 2020, Kim detinha cerca de 31% da Kaspi, enquanto Lomtadze detinha 25,9%, de acordo com um relatório financeiro auditado.

Kairat Satybaldy

O terceiro homem com uma ligação importante com a Kaspi é Kairat Satybaldy, sobrinho do ex-presidente do Cazaquistão, Nursultan Nazarbayev. Muitas vezes descrito como o filho que Nazarbayev nunca teve, ele é uma figura importante no partido governante Nur Otan e membro da elite política e empresarial do país.

Satybaldy afirma ter adquirido uma participação na Kaspi em 2015, e então se tornou um dos três maiores acionistas ao lado de Kim e Baring Vostok. De acordo com as contas da empresa, Satybaldy possuía 30% da empresa em dezembro de 2017, enquanto Kim possuía 21% e a Baring Vostok 38%.

Então, Satybaldy se livrou de suas ações antes da tentativa fracassada de IPO da empresa em 2019. O prospecto de IPO da Kaspi deste ano mostra que, entre julho e setembro de 2018, Satybaldy (soletrado Satybaldyuly no documento) negociou toda a sua participação na empresa por meio de uma série de vendas na Bolsa de Valores do Cazaquistão (KASE) e concluiu sua saída em 1º de outubro 2018. (A empresa estava listada na bolsa de valores do Cazaquistão, mas tinha apenas quatro acionistas principais.) O prospecto mostra que este é o mesmo período durante o qual Kim comprou e “transferiu” quase 39,9 milhões de ações para Lomtadze.

Kate Mallinson, associada do instituto de políticas baseado em Londres Chatham House, diz que o movimento de “uma participação de um acionista para outro com pouca explicação indica um movimento cazaque típico [de] comportamento corporativo”. Adicionando, “se o nome de Satybaldy estivesse na propriedade [neste ano], sinais de alerta teriam alertado qualquer instituição financeira interessada na listagem. Nos bastidores, a família estendida de Nazarbayev possui a maior parte do setor bancário e Kairat [Satybaldy] é um dos atores econômicos mais influentes.”

Apesar de deixar o cargo de presidente do Cazaquistão em 2019, Nazarbayev continua a ser a maior fonte de poder político e econômico do país, diz Mallinson, descrevendo Satybaldy como um “sobrinho de confiança” de Nazarbayev e “um dos nomes mais poderosos nos bastidores da política do Cazaquistão.” Em outras palavras, Satybaldy é uma pessoa politicamente exposta e teria atraído o escrutínio dos reguladores se continuasse como acionista controlador antes do IPO.

Dosym Satpayev, diretor do Risk Assessment Group, uma empresa de consultoria com sede em Almaty, diz que o “ponto de vista” entre os analistas geopolíticos no Cazaquistão é que “a saída de Kairat Satybaldy do Banco Kaspi foi formal e está precisamente ligada ao IPO, uma vez que sua presença entre os acionistas do banco poderia afetar negativamente a reputação do banco durante o IPO.”

Satpayev sugere, “Kairat Satybaldy transferiu (ou vendeu) suas ações para outros acionistas” e esses acionistas “podem” ter “celebrado um acordo seguro com ele que, como proprietários nominais do ativo, eles levarão em consideração seus interesses e retornar as ações sob demanda para o verdadeiro proprietário.” Satpayev sugere que Satybaldy poderia se tornar um acionista da Kaspi novamente, usando uma entidade offshore para isso. Satybaldy não foi encontrado para comentar. A embaixada do Cazaquistão em Londres descreveu Satybaldy como um “cidadão particular” e sugeriu que a Forbes fizesse indagações diretamente para a Kaspi.

E TAMBÉM: Disney eleva número de demissões para 32 mil com impacto de coronavírus em parques temáticos

Um porta-voz da empresa disse à Forbes que Satybaldy era um “investidor financeiro sem envolvimento direto na empresa” e “não tem nenhuma conexão com a empresa agora”. Satybaldy apareceu em um site de notícias do Cazaquistão em abril de 2019 como afirmando que sua “estratégia de investimento” é “investir por três anos em média” e que ele “saiu totalmente da Kaspi.kz, vendendo a participação para a empresa e outros acionistas” em 2018.

Kaspi há muito mantém um diálogo aberto com os principais políticos do Cazaquistão, e Kim já serviu como assessor do primeiro-ministro. “Nos mercados emergentes, tudo é direcionado ao relacionamento”, disse ele em 2019, falando sobre a posição público-privada da Kaspi em um comunicado da empresa. Com essa conexão com o centro político no Cazaquistão, ainda é possível que Satybaldy não tenha se afastado completamente de Kaspi, embora a fintech refute essa alegação.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).