Como superar a distração e fazer o seu trabalho

gettyimages-Hinterhaus-Productions
Distrações reduzem em 96% a produtividade profissional

Resumo:

  • A distração leva ao aumento da ansiedade e a até 96% de redução na produtividade do trabalho; 
  • O autor Nir Eyal falou sobre distrações e eficiência no programa “You Turn Podcast”; 
  • Veja abaixo 4 dicas para  lidar com a distração.

Seu telefone está vibrando constantemente, a tela do computador continua mostrando novas notificações da caixa de e-mail e o colega de trabalho parou mais uma vez para perguntar sobre o andamento do projeto.

Distrações estão em toda parte.

Se você é como eu, provavelmente sentou para um brunch com amigos neste fim de semana e notou que a cabeça de todos estava enterrada em seus celulares. E eu sou a primeira a admitir que também faço isso. Há momentos em que tento resgatar uma conversa e simplesmente não consigo lembrar o que foi dito. Eu costumava achar que era memória fraca, mas a realidade é que eu estava apenas distraída. Você também luta para estar presente aqui e agora?

Toda essa distração leva ao aumento da ansiedade e a até 96% de redução na produtividade profissional. Não é de admirar que lutemos para ter criatividade. E não para por aí. A antecipação das próprias distrações leva a uma ansiedade ainda maior. O simples fato de saber que um colega de trabalho pode chegar à sua mesa enquanto você pensa profundamente cria uma sensação crônica e persistente de ansiedade e distração.

LEIA MAIS: O que esperar – e como se comportar – no novo mercado de trabalho

As distrações estão, literalmente, matando pessoas, mas com atenção rigorosa é possível eliminá-las. Um estudo da Universidade da Califórnia, em São Francisco, observou enfermeiros distribuindo medicamentos e descobriu que eles eram interrompidos, em média, 10 vezes por ciclo. Em um esforço para reduzir os erros de medicação, foi implementada uma solução simples e barata: enfermeiros nas rodadas de medicação usam coletes de plástico que indicam que estão distribuindo medicamentos e não podem ser interrompidos. Essa simples iniciativa reduziu os erros de medicação em 88%.

Como autora que escreve sobre como fazer mudanças na vida, adoro procurar outros autores e líderes de pensamento para aprender com seus cérebros. Isso me levou a convidar Nir Eyal, autor de “Hooked: How To Form Habit Building Habits” (Como formar hábitos construindo hábitos, em tradução livre) para participar do meu podcast (“You Turn Podcast”) e compartilhar suas pesquisas e aprendizados de seu livro recém-publicado “Indistractable: How To Control Your Attention and Choose Your Life” (Como controlar sua atenção e escolher o caminho de sua vida, em tradução livre). 

Suas ideias foram tão poderosas e instigantes que eu não podia deixá-las morrer no podcast. Veja, na galeria de fotos a seguir, 4 etapas que ele compartilhou comigo sobre como se tornar focado, distante das distrações:

  • 1. Domine seus gatilhos internos

    “A maioria das distrações começa internamento e as usamos para escapar do desconforto”, diz Nir Eyal. É hora de parar de culpar a tecnologia.

    Sim, existem gatilhos externos que levam à distração, mas Eyal indicou que as causas mais comuns são, na verdade, os gatilhos internos, as sensações desconfortáveis ​​das quais procuramos escapar. Esses gatilhos levam a ações perturbadoras que o colocam em um estado psicológico alternado.

    Você sempre será capaz de encontrar uma distração para lidar com a emoção interna que deseja evitar. Para eliminar essa necessidade psicológica de fuga, você deve primeiro reconhecer quais gatilhos o levam a procurar pela distração.

    Domine seus gatilhos internos para que eles o guiem em direção à atração: as tarefas que você deseja executar e as que você está evitando. Tudo isso começa com o reconhecimento. Você não pode mudar o que não percebe.

    Comece a prestar atenção em suas distrações e quais emoções as rondam. Quando você está sozinho, recorre ao Facebook ou Instagram para se conectar? Quando está entediado, para para ler as notícias? Quando está consciente de si mesmo em público, pega o telefone e verifica o e-mail para parecer “ocupado” ou pede uma bebida por estar preocupado?

    Vivemos em um mundo onde as pessoas estão subconscientemente desesperadas para escapar de si mesmas.

    Distrações podem até ser percebidas como ações positivas, mas, na verdade, também podem atuar como uma máscara. Seja honesto consigo mesmo: você usa a meditação como uma maneira de se esconder das decisões? Considera a academia uma desculpa para não fazer o trabalho que sabe que precisa fazer?

    Quando você reconhece quais são seus gatilhos internos, pode se permitir sentir o que provavelmente está evitando. Na próxima vez que se sentir desconfortável e pegar o telefone, faça uma pausa e sinta o desconforto. Em vez de ver isso como negativo, tenha orgulho por se permitir superar e reconhecer o momento como uma oportunidade de crescimento e não de fraqueza.

    O sucesso como espécie humana significa sempre querer mais, e a única maneira de chegar lá é forçar seus limites. E isso inclui seus limites emocionais.

  • 2. Arranje tempo para a tração

    “O oposto de distração não é ação, é tração, ou a atração em ação”, reforça Nir Eyal.

    Distração é algo que o afasta do que você planeja fazer. Para encontrar tração, crie intenção em cada ação que executa.

    Uma ótima maneira de Eyal descrever isso foi dividindo suas atividades em tempo. Para fazer isso, você deve primeiro conhecer seus objetivos principais. Quando entender profundamente o que prioriza, saberá que ações em seu dia mais o aproximam daquilo que deseja.

    Observe a sua semana e defina quanto tempo deseja destinar para cada objetivo. Sugiro que, a cada domingo à noite, você crie um calendário para a semana seguinte e o preencha com ações alinhadas aos seus valores. Se você é uma pessoa visual, considere o código de cores. Por exemplo: todos os eventos da família são roxos, todas as horas de trabalho são azuis e todo o tempo para pensamento criativo é amarelo. Afinal, a visão é o sentido mais desenvolvido na maioria dos seres humanos. Cuidado com as cores escolhidas e saiba que, assim como no marketing, cada uma tem um significado.

    Comece a remover os estigmas que você mantém sobre as ações que toma, inclusive sobre coisas que parecem ruins. Se elas tiverem um tempo na sua agenda, pode ser completamente saudável inseri-las na sua vida. Muitas pessoas pensam que os aplicativos de mídia social são ruins e, sim, são mesmo se você checá-los a cada 15 minutos. No entanto, se você usá-los de maneira intencional, eles podem ser ótimos veículos para estimular a criatividade, a conexão e o aprendizado. Se você quiser explorar as mídias sociais, Eyal recomenda criar um tempo intencional para isso. O nome do jogo é intencionalidade! Portanto, se você gosta de assistir determinado programa de televisão, programe-se para isso. Essas ações deixarão de ser distrações para tornarem-se algo no qual você estará totalmente presente.

  • 3. Retome seus gatilhos externos

    “Determine se um gatilho externo está servindo para você ou se você está servindo ao gatilho”, diz Nir Eyal

    Os dispositivos foram projetados para chamar sua atenção. Alarmes dizem para você fazer algo que planejou. Aplicativos o atraem com notificações. É uma questão de eliminar quais gatilhos externos estão ajudando e quais estão atrapalhando.

    Eyal diz às pessoas para “reconectar seu telefone”. Quando você considera que duas em cada três pessoas não alteram as configurações de notificação em seus celulares, fica bem claro que você que está servindo ao seu dispositivo.

    Deixe o seu telefone (e sua vida) longe das distrações. Recupere o controle e dedique alguns minutos à seção de notificações do seu celular para desativar as interrupções constantes no seu dia a dia. Em um iPhone, você pode até definir limitações de tempo que cada aplicativo fica acessível em um mesmo dia. Os pontos de notificação são vermelhos, pois é uma cor que chama a atenção. Portanto, mude para a escala de cinza e tornar o desenho visual menos atraente.

    Você pode fazer isso no trabalho também. Porque, se há uma coisa que sabemos, é que a planta aberta do escritório é um paraíso para a distração. Saiba que não há problema em pedir um tempo em silêncio para ficar sozinho e trabalhar. Se a sua função exige que você encontre soluções inovadoras ou resolva um problema de longa duração, reserve um tempo no seu calendário para isso.

    Quando você não está distraído, não comete erros.

    Se você é líder em sua empresa, reconheça que a cultura dela define o tom para o nível de distração do ambiente. Comece a estabelecer que um tempo sem distrações é necessário e até admirável. Aqui estão algumas maneiras de construir uma cultura que desencoraja a distração:

    – Crie telas contra a distração para seus funcionários, em um processo semelhante aos coletes usados pelos enfermeiros da UCSF. O sinal indica para outras pessoas que você está profundamente envolvido no trabalho ou no pensamento e não pode ser perturbado;

    – Crie intervalos de tempo no calendário de sua equipe que sejam “livres”. Incentive esse tempo para criatividade, pensamento e execução;

    – Elimine a comunicação após o trabalho. Sim, surgem emergências, mas como líder você define a precedência para as expectativas. Se você estiver online, enviando mensagens para sua equipe e fazendo perguntas, saiba que também está criando a cultura de que eles podem fazer o mesmo.

  • 4. Evite distrações com pactos

    “Planeje com antecedência para que, quando se distrair, tenha tudo sob controle”, ensina Nir Eyal.

    Estabeleça pré-compromissos para si mesmo e planeje com antecedência para que, quando se distrair, tenha algo para mantê-lo no caminho certo.

    Eyal compartilhou três ideias poderosas para usar como pactos que o afastam das distrações: esforço, preço e identidade.

    Construa uma barreira entre você e sua distração que exija um certo nível de esforço para romper. Eyal chegou ao ponto de instalar um timer que desliga a internet às 22h todas as noites. Ele até pode ligá-la novamente, mas isso significa que precisa entrar no escritório e trabalhar para redefini-la. Sair da cama de manhã pode ser um grande problema para algumas pessoas, então tente usar um despertador do tipo que só para quando você levanta para evitar perder a hora.

    Se tudo isso falhar, saiba que os custos financeiros são aliados muito convincentes. Estudos mostram que os fumantes são menos propensos a fumar um cigarro se isso significar que eles têm que pagar para isso. Melhor ainda se você fizer uma aposta e sua derrota significar a doação de dinheiro para uma causa que não apoia. Uma mulher contou à RadioLab sua história sobre como assumiu o compromisso de que, caso volte a fumar, terá que destinar US$ 5 mil para a Ku Klux Klan (KKK). É importante dizer que ela nunca recaiu.

    Finalmente, tome a decisão de que ser focado faz parte de quem você é. Assim como ser um artista, um professor ou um amigo, você também é agora uma pessoa focada. Diga isso a si mesmo e aos outros e você se sentirá responsável por permanecer fiel a si mesmo.

    É hora de parar de culpar a sociedade, a mídia e o ambiente externo por estar continuamente distraído. Comprometa-se a seguir estes quatro passos para se tornar indestrutível. Você consegue!

1. Domine seus gatilhos internos

“A maioria das distrações começa internamento e as usamos para escapar do desconforto”, diz Nir Eyal. É hora de parar de culpar a tecnologia.

Sim, existem gatilhos externos que levam à distração, mas Eyal indicou que as causas mais comuns são, na verdade, os gatilhos internos, as sensações desconfortáveis ​​das quais procuramos escapar. Esses gatilhos levam a ações perturbadoras que o colocam em um estado psicológico alternado.

Você sempre será capaz de encontrar uma distração para lidar com a emoção interna que deseja evitar. Para eliminar essa necessidade psicológica de fuga, você deve primeiro reconhecer quais gatilhos o levam a procurar pela distração.

Domine seus gatilhos internos para que eles o guiem em direção à atração: as tarefas que você deseja executar e as que você está evitando. Tudo isso começa com o reconhecimento. Você não pode mudar o que não percebe.

Comece a prestar atenção em suas distrações e quais emoções as rondam. Quando você está sozinho, recorre ao Facebook ou Instagram para se conectar? Quando está entediado, para para ler as notícias? Quando está consciente de si mesmo em público, pega o telefone e verifica o e-mail para parecer “ocupado” ou pede uma bebida por estar preocupado?

Vivemos em um mundo onde as pessoas estão subconscientemente desesperadas para escapar de si mesmas.

Distrações podem até ser percebidas como ações positivas, mas, na verdade, também podem atuar como uma máscara. Seja honesto consigo mesmo: você usa a meditação como uma maneira de se esconder das decisões? Considera a academia uma desculpa para não fazer o trabalho que sabe que precisa fazer?

Quando você reconhece quais são seus gatilhos internos, pode se permitir sentir o que provavelmente está evitando. Na próxima vez que se sentir desconfortável e pegar o telefone, faça uma pausa e sinta o desconforto. Em vez de ver isso como negativo, tenha orgulho por se permitir superar e reconhecer o momento como uma oportunidade de crescimento e não de fraqueza.

O sucesso como espécie humana significa sempre querer mais, e a única maneira de chegar lá é forçar seus limites. E isso inclui seus limites emocionais.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Tenha também a Forbes no Google Notícias

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).