Ordens de Elon Musk estão promovendo o excesso de trabalho?

Musk diz esperar presença dos executivos na Tesla por, no mínimo, 40 horas por semana - e destacou o termo “mínimo”

Jena McGregor
Compartilhe esta publicação:
Mike Blake/Reuters
Mike Blake/Reuters

A retirada da Tesla está entre uma série de mudanças promovidas no S&P 500 ESG desde 22 de abril

Acessibilidade


Na confusão sobre os memorandos de Elon Musk sobre o retorno dos executivos da Tesla ao trabalho – derrubando “algum pseudo escritório remoto” e tuitando que aqueles que preferem o trabalho remoto deveriam “fingir trabalhar” em outro lugar, perdeu-se de vista que eles não eram apenas sobre onde trabalhar. Eles também determinaram quanto tempo o trabalho deveria consumir dos executivos da Tesla.

Relembrando um supervisor de outros tempos, Musk – que, de acordo com um relatório da Reuters divulgado na sexta-feira (3), quer cortar empregos e pausar contratações – começou o comunicado dizendo que “qualquer um que deseje fazer trabalho remoto deve estar no escritório para um mínimo (e quero dizer *mínimo*) de 40 horas por semana ou deixar a Tesla.” Ele falou sobre “por que vivia tanto na fábrica” e pareceu sugerir que trabalhar remotamente seria “fingir serviço”.

A questão, dizem especialistas, é que os funcionários de hoje não querem apenas flexibilidade sobre onde trabalham. Eles querem flexibilização sobre quando e querem que a confiança de seus gerentes seja avaliada no resultado do trabalho que realizam, mesmo que leve menos tempo.

Leia mais: Como administrar melhor sua startup? Essa empreendedora dá o caminho

Um relatório de abril do Future Forum, um consórcio de pesquisa sobre o futuro do trabalho lançado pelo Slack e outros parceiros, descobriu que, enquanto 79% dos entrevistados disseram que queriam flexibilidade de localização, 94% disseram que queriam escolher o horário de trabalho.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“As pessoas querem flexibilidade de local e horário”, diz Cali Williams Yost, fundador do Flex+Strategy Group, que trabalha com empresas em políticas de local de trabalho. “Há um debate agora para dizer como podemos trabalhar melhor e de forma mais inteligente.” À medida que o esgotamento e os problemas de saúde mental aumentam, os memorandos que implicam em trabalhar mais de 40 horas por semana podem “parecer surdos à realidade”, diz ela.

A questão das longas horas de trabalho não é um território novo para Musk, o homem mais rico do mundo, que também, se você não sabe, está tentando comprar o Twitter, onde os trabalhadores foram informados de que podem trabalhar de casa “para sempre”.

“Isso é muito consistente com quem ele é”, diz Gianpiero Petriglieri, professor da escola de negócios do INSEAD que estuda liderança e aprendizado no local de trabalho. “Ele é o garoto-propaganda da cultura do excesso de trabalho. Ele quer que as pessoas estejam completamente comprometidas.”

Musk elogiou recentemente os trabalhadores na China que, em meio aos bloqueios relacionados ao Covid-19, estavam “ficando até tarde para terminar o serviço… enquanto na América as pessoas estão tentando evitar ir trabalhar.”
Durante outro alvoroço sobre seus tuítes de 2018 de que ele fecharia o capital da Tesla, Musk deu uma entrevista chorosa ao New York Times, dizendo que trabalhava até 120 horas por semana, não tirava mais de uma semana de folga desde 2001 e que horas de trabalho tão intensas “realmente vieram às custas de ver meus filhos. E ver os amigos.”

Em 2015, durante uma aparição no Vanity Fair New Establishment Summit, ele foi questionado sobre ser CEO de duas empresas e disse que “não recomendaria”. (O mesmo pode valer para adicionar uma terceira.)

Leia mais: Salário em dólar – o que você precisa saber para ganhar o seu

Os comunicados mais recentes de Musk foram direcionados aos executivos da Tesla, que, como muitos gerentes seniores, provavelmente já trabalham muito mais de 40 horas por semana. Ele também parecia estar tentando colocar os privilégios dos executivos em perspectiva com os trabalhadores da fábrica da Tesla, dizendo que o mínimo de 40 horas é “menos do que exigimos dos trabalhadores da fábrica” e lembrando aos executivos que “quanto mais sênior você é, mais visível deve ser sua presença.”

Mas, embora isso possa estar tomando o “terreno moral”, diz Petriglieri, também pode prejudicar a inclusão de um local de trabalho e sugere que “qualquer pessoa que não seja como eu não pertence aqui”, diz ele. “Ele está trocando inclusão por inspiração.”

Esse é um problema comum com líderes visionários, que esperam que todos tenham o mesmo compromisso que eles, diz Petriglieri. Para esses fundadores, “seu calcanhar de Aquiles é a inclusão. Eles estão constantemente dizendo que esta é a cultura que querem… uma das razões pelas quais nossas culturas têm problemas para serem inclusivas é que adoramos líderes visionários”

Petriglieri, que diz ser fã do escritório, sugere que, embora grande parte do debate sobre o retorno ao trabalho tenha sido sobre onde o trabalho acontece, também é sobre a quantidade.

“Por baixo de todo o discurso de trabalho remoto versus trabalho de escritório está, na verdade, o discurso de excesso de trabalho”, diz ele. Mesmo que os últimos dois anos tenham mostrado que as pessoas podem ser produtivas trabalhando remotamente, “a suposição é que, se as pessoas estiverem no escritório, trabalharão mais. É a velha coisa dos executivos seniores quererem o controle”, diz ele. “Como sempre com [Musk], ele está meio que dizendo a parte silenciosa em voz alta.”

Inscreva-se na seleção para a lista Under 30 2022

Compartilhe esta publicação: