B.blend lança novo drinque e aposta na tendência de coquetéis em cápsula

Divulgação
Divulgação

Moscow Mule é nova aposta da empresa que aumentou em 40% suas vendas durante a pandemia

Enquanto muitas empresas sofrem com baixa de demanda por seus produtos com a crise econômica desencadeada pela pandemia do novo coronavírus, a B.blend viu o volume de suas vendas aumentar em 40%. A marca, uma joint-venture formada pela Whirlpool e pela Ambev, comercializa uma máquina de bebidas em cápsula. A diferença é que a plataforma, lançada em em 2015 e chamada de “all-in-one” pela empresa, é uma faz-tudo: trabalha com água filtrada e com gás e é capaz de preparar de refrigerante e suco a gin tônica e Skol Beats. A única bebida que o aparelho não prepara é café. Mas o CEO, Eduardo Salles, se apressa em dizer que as cápsulas –que já estiveram no portfólio– voltam ainda neste ano. “Tiramos o que havia antes para melhorar o produto.”

Mas a aposta atual da B.blend parece ser mesmo em bebidas alcoólicas. No fim do ano passado, a empresa lançou três sabores etílicos (orange spritz, Skol Beats Senses e gim tônica) e agora traz ao mix de produtos um moscow mule. O drinque clássico à base vodca, limão e gengibre vem, como todas as cápsulas da plataforma, na forma de um líquido concentrado, que a máquina mistura sozinha com água (em quantidade determinada pela leitura de uma espécie de código de barras no invólucro plástico). Segundo a marca, a aceitação das novidades beira os 70% e diz Salles que “ficou mais fácil vender a máquina depois disso”.

LEIA MAIS: Jack Daniel’s lança Tennessee Apple no Brasil

O executivo avalia que existe uma clara tendência de consumo de drinques prontos para beber e, portanto, o portfólio deve se expandir ainda mais –com outros dois lançamentos ainda neste ano. “A cápsula é uma forma diferente, com a facilidade de poder ser adquirida via e-commerce –outra tendência. Estamos surfando em duas ondas”, fala. Com o surfe, a B.Blend aumentou em 40% suas vendas desde o início das restrições impostas pela pandemia. “Estamos performando bem em vendas de máquinas, e está aumentando o número de consumidores dentro do sistema. Grande parte do nosso consumo é residencial, então, as pessoas ficarem mais em casa tem um efeito importante”, analisa Salles.

Divulgação
Divulgação

O CEO da B.Blend, Eduardo Salles

A empresa já vinha com um plano forte de vendas via e-commerce (apesar do plano de também aumentar o número de lojas próprias). “No ano passado, mudamos a estratégia. Antes, era mais no varejo. Já tínhamos nos preparado para pivotar para o e-commerce. Hoje, vendemos mais máquinas online”, conta. A estratégia para crescer as vendas também passou por estudo de consumidor, experiência de compra, introdução de sacolas personalizadas e, claro, promoções –todos pilares que devem se manter.

O que realmente ainda espera uma trégua da pandemia são as lojas físicas, algo que a B.blend não quer deixar de lado por conta também da sustentabilidade. “Temos muita preocupação com reciclagem. Hoje, temos um quiosque para coleta e vamos lançar outro”, pontua Salles. As cápsulas, ele diz são 100% recicláveis, e a ideia da empresa é fazer retirada desse dejeto. “É um processo complexo, mas já estamos estudando. Queremos fazer nossos acessórios com esse material.”

***

Charco Café
Divulgação
O casal de chefs e Forbes Under 30 2019 Tuca Mezzomo e Nathália Gonçalves acaba de lançar o Charco Café, uma espécie de spin-off digital do restaurante Charco. A casa oferece doces, pães e produtos de empório de pequenos produtores brasileiros. Entre as guloseimas tortas como a de morango e amêndoas e a de avelã com chocolate. Funciona de quinta a domingo, das 9h às 17h, via Rappi, iFood ou encomendas pelos telefones (11) 3063-0360 e (11) 94631-4065.

***

Beyond Meat
A Beyond Meat, marca à base de plantas, acaba de chegar ao Brasil com um plano que inclui vendas exclusivas (em um primeiro momento) no St. Marché e ter a chef estrela Renata Vanzetto como embaixadora. A dona de casas como Ema e Muquifo disse estar empolgada com a empreitada e que os produtos têm potencial para serem usados nos seus cardápios, notadamente, o do Matilda, sua casa de lanches.

***

Mouton Cadet
Divulgação
A importadora La Pastina está trazendo pela primeira vez ao Brasil os vinhos francezes da Mouton Cadet, marca que pertence à consagrada casa francesa de Bordeaux Baron Philippe de Rothschild. Entre as opções, Mouton Cadet Pauillac (R$ 438) e Mouton Cadet Sauternes (R$ 434).

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Participe do canal Forbes Saúde Mental, no Telegram, e tire suas dúvidas.

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).