Difícil, mas não impossível: os vinhos da íngreme região do Mosel

As vinhas do Mosel constituem a terceira maior região vinícola da Alemanha em termos de área, mas sem dúvida a mais importante em termos de prestígio internacional e dependência da viticultura.

Carolina Schoof Centola
Compartilhe esta publicação:
Dado Daniela/Getty Images
Dado Daniela/Getty Images

Este vale, com um quadro-postal íngreme, segue o rio Mosel, dobrando a terra num desenho tão irregular que sem o sol, os visitantes podem ficar completamente desorientados

Acessibilidade


As colunas que escrevo são inspiradas em momentos, pessoas, lugares e não têm uma sequência lógica, mas sim, intuitiva. Esta, por exemplo, foi inspirada numa foto que a sommelière Fernanda Loaz compartilhou no nosso grupo de sommelières, de um íngrime vinhedo no Mosel. O insight foi que, mesmo com extremas condições, humanamente falando, existe sempre uma possibilidade!

As vinhas que crescem nas margens do Mosel (Moselle, em francês) e nas margens do Sarre e o Ruwer, constituem a terceira maior região vinícola da Alemanha em termos de área, mas sem dúvida a mais importante em termos de prestígio internacional e dependência da viticultura. Nenhuma outra cultura poderia ser economicamente cultivada nas vinhas mais íngremes e finas e, muitos dos milhares de pequenos viticultores da região, queixam-se de que o cultivo é quase que economicamente inviável. Algumas vinhas foram abandonadas e a área vitivinícola global está diminuindo gradualmente a medida que os trabalhadores da vinha se tornam cada vez mais difíceis de encontrar.

LEIA TAMBÉM: 4 propriedades à venda pelo mundo, a partir de US$ 6 milhões, para quem ama vinhos

Este vale, com um quadro-postal íngreme, segue o rio Mosel, dobrando a terra num desenho tão irregular que sem o sol, os visitantes podem ficar completamente desorientados. Os viticultores locais, por outro lado, sabem que a grande uva Riesling só pode ser amadurecida nos locais mais ensolarados do sul e do sudoeste, suficientemente íngremes e perto do rio para beneficiar da sua função de espelho, em solos de ardósia porosa que não só drenam o excesso de chuva frequente da região, como também retêm o calor do dia para agir como aquecedores de armazenamento noturno.

Estas são as vinhas que exigem maior intensidade de mão de obra no mundo, exigindo cerca de sete vezes mais horas-homem do que, por exemplo, as vinhas planas do Médoc. No Mosel diz-se que cada estaca – onde as vinhas individuais são manipuladas de modo a permitir aos trabalhadores a flexibilidade de trabalhar na horizontal em vez da vertical – deve ser visitada pelo menos sete vezes por ano. Algumas das encostas são tão íngremes e irregulares que, ao longo dos anos, alguns trabalhadores da região perderam a vida para cuidar destas tenazes vinhas.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Tal como na Borgonha, onde os padrões de herança agrícola são complicados pelo fato de alguns metros numa direção poderem afetar dramaticamente a qualidade do vinho produzido, e, portanto, o valor da terra, cada viticultor tende a possuir parcelas minúsculas em diferentes vinhedos. De fato, a diferença de altitude ou exposição pode ter um efeito ainda mais dramático aqui no Mosel do que na Côte d’Or, porque em alguns pontos a uva Riesling pode não ter grande chance de amadurecer, então uma uva com amadurecimento mais precoce mas, inevitavelmente menos glamorosa, pode ter de ser plantada como substituta. No entanto, as alterações climáticas parecem estar beneficiando muitos cultivadores em Mosel, mesmo que isso dificulte a produção de alguns dos estilos mais delicados nos anos mais quentes.

A casta Müller-Thurgau tem sido a variedade de vinha alternativa óbvia aqui, e tem sido amplamente plantada em terrenos mais planos que nunca tiveram qualquer esperança de corresponder aos melhores locais do Mosel. De fato, a sua produção é tão monótona em comparação com a essência picante, nervosa, formigueira e de longa duração que o Mosel Riesling pode ser, que recebe muito pouco dinheiro. Isto, tragicamente, tem tido o efeito de amortecer os preços de venda de todo o vinho Mosel, mesmo aquele produzido com tanto cuidado e dificuldade a partir dos melhores locais. Muitos dos agricultores camponeses que constituem a população deste vale estreito e isolado estão passando por dificuldades financeiras em consequência do estado frágil do mercado de vinho alemão.

O lado bom, do ponto de vista do consumidor, é que o Mosel de alta qualidade é subvalorizado em relação à sua qualidade. Tendo em conta o esforço que é feito para produzir vinho a partir dos locais mais íngremes e inacessíveis do Mosel, os preços são quase ridiculamente baixos – exceto para as melhores raridades do doce BA e TBA que geralmente se vendem em leilões altamente publicitados.

O melhor valor no Mosel, segundo Jancis Robinson, tende a ser dos vinhos Kabinett e Spätlese feitos a partir da uva Riesling cultivada nos vinhedos de J J Christoffel, Clemens-Busch, Grans-Fassian, Fritz Haag, Reinhold Haart, Heymann-Löwenstein, von Hövel, Karlsmühle, Karthäuserhof, von Kesselstatt, Sybille Kuntz, Schloss Lieser, Dr Loosen, Carl Loewen, Egon Müller, von Othegraven, JJ Prüm, Max Ferd Richter, Schloss Saarstein, St Urbans-Hof, Schaefer, von Schubert (Maximin Grünhäuser), Selbach-Oster, Dr Thanisch, Vollenweider, Van Volxem and Zilliken.

O Ruwer e particularmente os vales do Saar (ao leste da fronteira de Luxemburgo) produzem alguns dos melhores vinhos do mundo com baixo teor alcoólico, muitos dos quais mal chegam aos 8 ou 9% de álcool, mas são capazes de envelhecer extremamente bem e ser genuinamente interessantes graças a sua acidez intensamente frutada e ao extrato com camadas minerais. O Mosel Médio, faixa que inclui Klüsserath, Trittenheim, Piesport, Brauneberg, Bernkastel, Graach, Wehlen, Zeltingen, Ürzig e Erden, conta com alguns dos vinhos mais completos e duradouros do vale.

Eis mais uma inspiradora situação do mundo do vinho onde aprende-se, equipara-se e analisa-se a correlação com as nossas vidas onde não importa o quanto difícil pareça, sempre existe uma solução positiva!

Tchin tchin

Carolina Schoof Centola é fundadora da TriWine Investimentos e sommelière formada pela ABS, especializada na região de Champagne. Em Milão, foi a primeira mulher a participar do primeiro grupo de PRs do Armani Privé.

Os artigos assinados são de responsabilidade exclusiva dos autores e não refletem, necessariamente, a opinião de Forbes Brasil e de seus editores.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: