Quem são os bilionários russos alvos de sanções dos Estados Unidos e da Europa?

Empresários de diversos setores sentem o peso das proibições internacionais.

Vitória Fernandes
Compartilhe esta publicação:
Getty Images/Mikhail Svetlov
Getty Images/Mikhail Svetlov

Sanções aos bilionários visam travar avanço da guerra na Ucrânia

Acessibilidade


As sanções aos bilionários russos não param de chegar. Ontem (28), a União Europeia comunicou cortes a mais de 26 indivíduos, movimentação que se tornou corriqueira nas últimas semanas. Os Estados Unidos também seguem atrás das fortunas dos empresários mais ricos do país.

As sanções incluem o congelamento de bens das personalidades e a proibição de viajar. Com isso, os bilionários sentiram no bolso e começaram a se posicionar a favor do fim da guerra entre a Rússia e a Ucrânia.

No país vizinho, a situação foi levada de outra maneira. Por lá, os bilionários ucranianos uniram forças contra o presidente da Rússia, Vladimir Putin, na tentativa de preservar suas fortunas.

Quem são os bilionários russos afetados pelas sanções?

Alexei Mordashov

Imagem: Artyon Grodarkyan

Alexei Mordashov é empresário e filantropo. Conhecido como barão de aço, ele é acionista majoritário da OAO Severstal, maior companhia russa do setor, da qual foi CEO por muitos anos.

Mordashov é o homem mais rico da Rússia e ocupa a 51ª posição no ranking de bilionários da Forbes, com uma fortuna de US$ 29,1 bilhões (R$ 150,1 bilhões).

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O empresário fez uma declaração ontem pedindo o fim da guerra. Ele chamou a luta de “tragédia de dois povos irmãos” e disse que eles devem fazer tudo que for necessário para sair do conflito e parar o derramamento de sangue.

Gennady Timchenko

Gennady Timchenko tem ações em diversas companhias na Rússia, incluindo a companhia de gás Novatek e a petroquímica Sibur Holding.

Ele é uma das personalidades mais poderosas do país e sempre apoiou Putin, o que o levou a encarar sanções dos Estados Unidos em 2014, quando a Rússia anexou a Crimeia após disputa com a Ucrânia.

Sua fortuna está avaliada em US$ 21,1 bilhões (R$ 108,8 bilhões). Ele ocupa a 85ª posição no ranking da Forbes.

Alisher Usmanov

Getty Images/Mikhail Svetlov

Alisher Usmanov tem a maior parte do seu dinheiro investido na empresa que fundou, a Metalloinvest, voltada para o setor de aço, prata e ferro. O empresário fez sua fortuna produzindo sacolas de plástico.

Usmanov já se arriscou em diversos ramos, investindo no Facebook, Xiaomi e outras empresas de mídia. Ele também era acionista no time de futebol Arsenal, mas vendeu sua participação por US$ 700 milhões (R$ 3,6 bilhões) em 2018.

Ele está posicionado na 127ª posição do ranking da Forbes, com fortuna de US$ 15,3 bilhões (R$ 78,9 bilhões)

Roman Abramovich

Michael Regan/Getty Images

Roman Abramovich comprou o time inglês de futebol Chelsea há quase 20 anos por US$ 190 milhões (R$ 551 milhões na conversão da época), ficando responsável também pela administração do clube.

Após sanções do Reino Unido, o empresário deixou a direção aos curadores da fundação de caridade do Chelsea.

Além do time, ele conta com participação nas gigantes de aço, Evraz e Norilsk Nickel.

Sua fortuna está avaliada em US$ 13,1 bilhões (R$ 67,5 bilhões ), ocupando a posição de número 157 na lista de bilionários.

Mikhail Fridman

Getty Images/Mikhail Svetlov

Fridman é um dos fundadores do maior banco privado da Rússia, o Alfa Bank, além da empresa de investimentos LetterOne. Ele é sócio de German Khan e Alexei Kuzmichev desde 1989.

Em 2013, os parceiros ganharam US$ 5,1 bilhões (R$ 26,3 bilhões) com a venda da participação na gigante petrolífera TNK-BP por US$ 14 bilhões (R$ 72,2 bilhões).

Atualmente, a fortuna de Fridman é avaliada em US$ 12,8 bilhões (R$ 66 bilhões), ocupando a posição 163 da lista.

Oleg Deripaska

Getty Images/Mikhail Svetlov

Oleg Deripaska é o fundador da Basic Element, um grupo industrial russo com interesses em alumínio, energia, construção, agricultura, entre outros setores.

Ele era a pessoa mais rica da Rússia e a 9ª mais rica do mundo em 2008, antes de perder quase tudo devido a mercados em queda e dívidas pesadas.

O empresário passou por diversas sanções nos anos seguintes, que prejudicaram a empresa e seu montante pessoal.

Hoje, sua fortuna é avaliada em US$ 3,9 bilhões (R$ 20,1 bilhões) ocupando a 790ª posição na lista da Forbes.

Alexander Ponomarenko

Getty Images/Stanislav Krasilnikov

Ponomarenko é o presidente do aeroporto Sheremetyevo, o maior da Rússia. Junto ao seu sócio Alexander Skorobogatko, o empresário começou com portos marítimos e bancos, migrando então para o setor de aeroportos.

A dupla também fundou a TPS Real Estate, que detém mais da metade dos imóveis do Ocean Plaza, o maior shopping center de Kiev.

Ocupando a posição 1.100 da lista da Forbes, o empresário acumula o montante de US$ 2,9 bilhões (R$ 14,9 bilhões)

Boris Rotenberg

Getty Images/Sergei Savostyanov

Rotenberg é proprietário do banco de investimento russo SMP Bank junto ao seu irmão mais velho.

O empresário também contou com sanções em 2014, durante a batalha pelo território da Crimeia, após estreitar laços com Putin.

Ocupando a posição 2.342 do ranking da Forbes, Rotenberg tem US$ 1,2 bilhão (R$ 6,1 bilhões).

Oleg Tinkov

Getty Images/Sergei Karpukhin

Oleg fundou o banco Tinkoff em 2006. Atualmente é um dos maiores bancos online do mundo, com cerca de 8 milhões de clientes na Rússia.

Antes de entrar no setor bancário, o empresário fundou a produtora de alimentos congelados Daria, Tinkoff Beer e Tinkoff Restaurants.

Ele também lançou uma cadeia de hotéis de luxo no México, França, Itália e Rússia sob o nome La Datcha.

Tinkov era bilionário até as sanções causarem prejuízos, o que o fez perder US$ 295 milhões (R$ 1,5 bilhão). Hoje, sua fortuna está estimada em US$ 822,2 milhões (R$ 4,2 bilhões).

Mais notícias sobre a guerra na Ucrânia:

Gigantes do transporte marítimo interrompem rotas para a Rússia

Rússia é suspensa pela Fifa e está fora da Copa do Mundo

Sistema Swift diz estar esperando lista de bancos russos para cortá-los

Compartilhe esta publicação: